Mais lidos

Parashat Beshalach

O direito e a obrigação de ser minoria

Trecho Diário, Parashat BeShelach

O direito e a obrigação de ser minoria
Parece que não falamos o suficiente sobre a seguinte estatística incrível: no início da Parasha desta semana, Rashi nos lembra que apenas vinte por cento dos israelitas saíram do Egito. Oitenta por cento das pessoas não se conectaram à idéia e às boas notícias, não acreditaram no movimento   e permaneceram lá. Apenas um quinto da população finalmente partiu, ao Monte Sinai e à Eretz Israel. Aqueles que estavam no Egito nos dias anteriores à libertação ouviram as vozes daqueles oitenta por cento, a grande maioria. Hoje está claro para nós que esses vinte por cento estavam certos.*
Obviamente, é importante respeitar a maioria na democracia, mas a vida não é apenas eleições. Quando se trata de cultura, espírito, valores - a maioria está sempre certa? O que todos acreditam e seguem é a verdade?
Uma vez por ano, paramos por um momento neste fato perturbador: Não apenas o Faraó não quis nos libertar da escravidão para a liberdade, nem oitenta por cento de nossos irmãos e irmãs no Egito não o desejavam. O povo judeu sabe, há milhares de anos, que às vezes é um privilégio e um dever ser uma minoria. Dizem que em toda geração uma pessoa deve se ver como se tivesse saído do Egito. Podemos honestamente nos perguntar: se estivéssemos lá, a que grupo pertenceríamos? E o que isso significa para nós hoje?