Tisha B’Av
Mais lidos

Tisha B’Av

Tisha B’Av - projeção e ódio infundado

Devemos nos permitir sair de nossas próprias emoções e pensar objetivamente como deve ser do ponto de vista de outra pessoa

Tisha B’Av - projeção e ódio infundado
Nós sempre lemos a parashá Devarim antes de Tisha B'Av, e embora muitas explicações tenham sido apresentadas, eu gostaria de sugerir outra.

A gemara (Gittin 56) nos diz que o segundo Beit Hamikdash foi destruído por causa de dois homens chamados Kamtza e Bar Kamtza. Um certo homem (não sabemos o nome) fez um banquete e pretendia convidar seu amigo Kamtza, mas acidentalmente o convite foi para seu inimigo Bar Kamtza. Quando Bar Kamtza apareceu no banquete, o anfitrião exigiu que ele fosse embora. Como isso seria embaraçoso para ele, ele se ofereceu para pagar a refeição, mas a oferta foi recusada. Ele se ofereceu para pagar metade do banquete ou todo o banquete, mas o anfitrião não aceitou suas ofertas e, em vez disso, ele foi removido à força do banquete. Por ter ficado envergonhado, Bar Kamtza incitou os romanos contra o povo judeu, o que logo levou à destruição da Bet Hamikdash.

Um detalhe desta história que é muitas vezes esquecido é a atitude de Bar Kamtza em vir para o banquete. Se o seu inimigo te convidasse para uma festa, você iria? Por que você acha que ele te convidou? O que Bar Kamtza estava pensando quando decidiu ir para a festa - ele não percebeu que o anfitrião provavelmente tinha cometido um erro ao convidá-lo, sabendo que havia outro homem na cidade chamado Kamtza (de acordo com alguns, Bar Kamtza era simplesmente o filho de Kamtza) ?!

É possível sugerir que Bar Kamtza de fato pensou que o anfitrião pretendeu reconstruir a sua conexão, e lhe estendeu um ramo de oliveira na forma de um convite ao banquete. É por isso que ele veio a festa, mas havia apenas um problema: o anfitrião não tinha tais intenções. Se o anfitrião tivesse parado para considerar os motivos de Bar Kamtza, ele poderia ter chegado à conclusão de que Bar Kamtza estava interessado em fazer as pazes. No entanto, como o anfitrião não conseguia imaginar a construção de pontes com seu inimigo, ele não considerou essa possibilidade. Em vez disso, ele insistiu em expulsá-lo, presumivelmente assumindo que Bar Kamtza estava lá para provocá-lo. Isso pode ser classificado como ódio infundado, já que poderia facilmente ter sido superado, se o anfitrião tivesse se permitido pensar além de seus próprios sentimentos.

Na psicologia, isso é conhecido como projeção. O anfitrião não podia imaginar perdoar Bar Kamtza, e ele projetou essa atitude para Bar Kamtza - em outras palavras, ele assumiu que Bar Kamtza certamente não poderia querer perdoá-lo ou fazer as pazes. Isso o levou a expulsar Bar Kamtza e, finalmente, a destruição da Bet Hamikdash. Essa explicação sugere que são necessários dois lados para fazer a paz e, além disso, a rejeição das propostas de paz por um lado pode de fato intensificar o ódio entre as partes em conflito. De fato, Bar Kamtza ficou tão magoado com essa rejeição, apesar de ter tentado fazer a paz, que ele recorreu à vingança final.

Isso nos traz de volta à parashá Devarim. Ao rever a história dos espiãos, Moshe diz ao povo judeu que eles disseram: “Porque Hashem nos odiou Ele nos tirou do Egito para nos deixar nas mãos dos Amoritas, para nos destruir.” (Devarim 1:27) Rashi comenta: “... E Hashem amou você, mas você O odiou; como diz o ditado, "você pensa em seu coração sobre o seu companheiro o que você pensa que está em seu coração sobre você". Porque o povo judeu sentia que Hashem os odiava, eles O odiavam também. Talvez possamos usar o comentário do Sforno sobre esta passagem para adicionar uma visão: os judeus pensaram que Hashem os odiava porque eles tinham adorado ídolos no Egito. Sentiam-se culpados, haviam se decepcionado e não podiam imaginar Hashem perdoando-os por tamanha traição. A razão para isso é simples: se uma pessoa é traída, é muito difícil perdoar! Assim também, o povo judeu pensava que Hashem não poderia perdoá-los por ter adorado ídolos e, portanto, Ele devia odiá-los. Este é o ódio definitivo sem base, pois nem existia - era totalmente imaginado! Eles projetaram sua própria atitude para com Hashem, chegando à conclusão de que Ele deveria odiá-los. Para isso, Rashi responde: “Não! Hashem amava você, mas você achava que Ele te odiava!"

Nós sempre lemos essa parashá antes de Tisha B'Av para nos lembrar de que não devemos cair no mesmo erro que a geração dos espiões. Mesmo se acharmos difícil imaginar o perdão dos outros, como fez o anfitrião do banquete, devemos aceitar em nossos corações que os outros não têm que pensar e sentir como nós. Devemos também trabalhar para aceitar em nossos corações que Hashem é misericordioso e bondoso além de todas as capacidades humanas, e, portanto, pode até nos perdoar quando falhamos e parecemos traí-Lo. Um dos irmãos do Shemone Esrei enfatiza o fato de que Hashem rotineiramente perdoa - devemos aceitá-Lo e acreditar Nele. Se, por outro lado, não aceitamos isso, nos permitimos afundar em culpa e sentimentos de desesperança, pensando que não somos dignos do perdão ou amor de Hashem.

A chave aqui é nos permitir sair de nossas próprias emoções e pensar objetivamente como deve ser do ponto de vista de outra pessoa. Se o anfitrião tivesse feito isso, evitando projetar sua própria incapacidade de perdoar, ele poderia ter visto que era possível fazer as pazes com Bar Kamtza. E se o Povo Judeu tivesse saído de sua própria culpa e insegurança, eles poderiam ter percebido que Hashem certamente poderia perdoá-los por seus erros no Egito quando eles estavam cercados por uma cultura idólatra e foram subjugados pelos egípcios cruéis,  dia e noite. .

Que possamos merecer aprender com os erros de nossos ancestrais, e nos esforçarmos para ver o ponto de vista do outro, pondo fim ao ódio infundado na raiz da destruição do Batei Mikdash. Então nós mereceremos ver a reconstrução de Jerusalém e o terceiro Bet Hamikdash bimera beyamenu Amen!