Mais lidos

Pessach

Contando o Omer - uma época propicia para mudanças

A Sefira é uma época de energia positiva para trabalharmos em nós mesmos.

Contando o Omer - uma época propicia para  mudanças
Eu acho que foi Reb Yisroel de Salant que comentou que é mais fácil saber todo o Talmud do que alterar um atributo indesejável de caráter. Como um autor de best-sellers atual colocou recentemente, o caráter é a combinação dos hábitos de uma pessoa. Inquestionavelmente, os hábitos tornam-se profundamente arraigados e as incursões positivas exigem grande esforço e persistência.

Um psicólogo de renome observou certa vez que são necessárias três semanas de atenção deliberada e consciente para alterar determinado comportamento. Não obstante as dificuldades envolvidas, nossos Sábios nos advertem que "Derech Eretz Kadmah la'Torah". Vagamente traduzido, isso significa que a decência e integridade devem preceder à aquisição da Torá. A época mais propícia para trabalhar em nossos atributos pessoais é o período entre Pessach e Shavuot.

Essas sete semanas são designadas para se preparar para receber a Torá novamente, pois as energias para nos comprometermos novamente estão disponíveis  em maior abundância. Considere o exemplo de Motty, um jovem que se envolve em atos surpreendentes de gentileza e bondade, mas tem uma fraqueza por conversas fúteis e fofocas. Ele irá literalmente para os confins da Terra para ajudar qualquer pessoa necessitada; todo mundo sabe que ele tem um coração de ouro. E, no entanto, ele não consegue controlar " a língua", não mostrando nem respeito nem deferência por qualquer pessoa ou figura de autoridade.

Todo mundo é um motivo justo. Sua "análise de caráter", como ele (tanto defensiva quanto humoristicamente a chama), é muito divertida e envolvente. Não há absolutamente nenhuma malícia ou má intenção nas informações que ele compartilha. No entanto, as ramificações espirituais e conseqüências para si e para os outros são nada menos que catastróficas. Porque eu adoro Motty e ele realmente possui inúmeras qualidades redentoras, senti-me compelido a avisá-lo de duas admoestações atribuídas ao santo Chofetz Chaim: que deveriamos dar tudo de nós e fazer uma pausa antes de abrir a boca para falar sobre outro ser humano.

O primeiro é especialmente apropriado para pessoas como Motty que dedicam suas vidas a atos de bondade. Devemos visualizar nossas boas ações, o Chofetz Chaim aconselhou, como sendo coletadas em um enorme saco; quando falamos inadequadamente sobre os outros, criamos um buraco no fundo. O resultado disso é fácil de imaginar...

A segunda admoestação, talvez ainda mais assombrosa, é que as violações incorridas por falar mal dos outros equivalem a comer costeletas de porco - um pensamento muito preocupante e inquietante! Existem exceções: ha casos em que a lei exige divulgação completa, como situações de informações para casamento, sessões de terapia ou referências comerciais. (É claro que é preciso consultar uma autoridade antes de se envolver em qualquer uma das situações acima.) O resultado final foi que Motty ficou bastante surpreso com nossa conversa.Meu carinho e afeição por ele fizeram com que ele levasse minhas palavras a sério e entendesse que ele deveria melhorar seu comportamento.

Outro atributo que é muito difícil de encontrar é a capacidade de se alegrar com a boa sorte dos outros. Uma ilustração seria um incidente que ocorreu nos últimos dias de Pessach que gerou grande alegria para mim pessoalmente. Meu neto recém-casado, Reb Chaim Ozer (um jovem muito promissor) foi convidado por seu sogro, o rabino Moshe Peretz Schwartz de Lakewood, para dar uma palestra relacionada ao Yom Tov. A sinagoga do  rabino Schwartz, fica a 40 minutos a pé da casa da minha filha. No entanto, cinco dos irmãos de Reb Chaim viajaram para lá para surpreendê-lo e, mais importante, para dar-lhe um apoio em sua estréia. Com grande orgulho, eles trouxeram relatos brilhantes sobre seu desempenho, o que, claro, não foi surpreendente (vindo de um avô imparcial). Por mais maravilhoso que tenha sido, devo admitir que o aspecto mais reconfortante foi o genuíno deleite que os irmãos estavam com a conquista de seu irmão. "Farginning", não invejar o sucesso de outra pessoa, é uma chave essencial para o trabalho que nos confronta, especialmente neste momento do ano civil.

Nossos Sábios ensinam que a Torá não poderia ter sido dada se não estivéssemos ao pé do Monte Sinai “como uma pessoa com um coração”. A satisfação que eu tive da alegria de meus netos nas realizações de cada um me ajudaram a entender esse conceito, e por consequencia, melhor compreender e apreciar a alegria que damos (kiveyachol) ao Mestre do Mundo quando nós, Seus filhos, estamos unidos em amor  uns pelos outros.

Que Hashem nos conceda os recursos, a força e a coragem para enfrentar a assustadora preparação para a Cabalá ha'tora (recebimento da Torá).