Compreender o Omer
Mais lidos

Pessach

Compreender o Omer

Existe uma conexão entre as ocasiões aparentemente distintas da oferta do Omer e Shavuot?

Compreender o Omer
No segundo dia de Pessach somos ordenados a trazer uma oferenda de cevada no Beit HaMikdash e a Torá ainda nos instrui a contar quarenta e nove dias da oferenda até o dia anterior a Shavuot.

Rav Yosef Salant zt "l em seu livro, 'Be'er Yosef' faz uma série de perguntas sobre o Omer. Entre elas, ele observa que a oferta do Omer era do mesmo tamanho que as outras oferendas Mincha - um décimo de eifa. Esta é a única oferta que o volume é descrito pelo nome "Omer", ao invés de simplesmente dizer "um décimo de eifa". Qual é o significado dessa mudança de nome?

Em segundo lugar, ele traz o Sefer HaChinuch que escreve que o propósito de Sefirat HaOmer (contagem do Omer) é ansiar pelo dia da entrega da Torá , Shavuot. Contamos para demonstrar nosso entusiasmo em alcançar este dia sagrado. Rav Salant ressalta que da explicação do Sefer HaChinuch é difícil ver qualquer conexão específica entre o Omer e a Entrega da Torá, ao contrário, parece que houve apenas 49 dias entre os dois eventos e então contamos de um para o outro. Existe uma conexão entre as ocasiões aparentemente distintas da oferta do Omer e Shavuot?

Ele responde à primeira questão observando que a palavra 'Omer' aparece na Torá emoutra oportunidade: com relação ao man que os judeus receberam no deserto. Em Parashas Beshalach, a Torá afirma que Hashem ordenou que o povo se reunisse para receber o Man, "um Omer por pessoa". O Midrash também conecta a oferta do Omer com o Man. É dito que a oferta de Omer foi algum tipo de reconhecimento do povo judeu para Hashem do Man que eles receberam no deserto.

Rav Salant explica que, durante o período no deserto, as pessoas não precisaram fazer nenhum esforço para conseguir seu sustento. O Man veio diretamente do céu sem qualquer contribuição do povo. Além disso, não importava quanto Man uma pessoa tentasse reunir, ela nunca recebia mais do que o que lhe era atribuído, ao contrário, ela recebia exatamente o que precisava. Porque seu sustento estava assegurado, as pessoas estavam livres para se envolver no aprendizado de Torá e Avodat Hashem.

No entanto, quando eles entraram em Israel, o man parou de cair do céu parou e eles foram obrigados a adquirir seu sustento  através do esforço físico. Com esta mudança veio um novo perigo: quando uma pessoa vê o seu trabalho frutificar, há o risco de que a sua confiança em Hashem se enfraqueça e ela venha  atribuir o seu sucesso ao seu próprio trabalho árduo. Para evitar que isso acontecesse, a Torá nos deu a oferta do Omer; nós oferecemos o primeiro produto da estação a Hashem, reconhecendo que somente Ele é a Fonte de nosso sustento e não nosso próprio esforço. Conectando o Omer ao Man através do mesmo termo de volume, a Torá enfatiza que, na verdade, não houve diferença em como alcançamos nossa comida no deserto e em Israel. Da mesma forma que Hashem nos forneceu comida no deserto, Ele foi a fonte de nosso sustento uma vez que o período milagroso terminou. A única diferença é que agora não mais merecemos experimentar milagres abertos e, portanto, tivemos que exercer uma medida de esforço físico para alcançar nosso sustento.

O 'Be'er Yosef' acrescenta uma bela prova da conexão entre o Man e o Omer. Ele traz a Guemará em Kiddushin que diz que o man parou de cair quando Moshe Rabeino morreu, mas o povo continuou a comer o que restava até entrar na terra no dia 16 de Nissan. Nós também trazemos a oferta de Omer naquela mesma data! Assim, todos os anos, começamos a contar o Omer no dia em que o Man parou para continuar a nos ensinar que o sustento representado pelo Omer é uma continuação do sustento simbolizado pelo Man.

Ele então explica a conexão entre o Omer e Shavuot. Até agora, vimos como o Omer nos ensina que nosso sustento vem de Hashem. Contudo, tal consciência não é suficiente; também devemos perceber que ganhar o sustento  não é um fim em si mesmo, mas sim um meio para um fim maior - para nos permitir ter tranquilidade suficiente para que possamos nos concentrar em Avodat Hashem e aprender a Torá sem sermos sobrecarregados por preocupações sobre nosso meio de subsistência. Nesse sentido, a Torá conecta a contagem do Omer a Shavuot para nos ensinar que o propósito do alimento que é simbolizado pelo Omer é nos levar à Entrega da Torá , para nos capacitar a aprender e observar a Torá efetivamente. Assim, por quarenta e nove dias contamos o Omer, infundindo-nos assim a percepção de que Hashem é a única Fonte de nosso sustento e, além disso, que Seu propósito é permitir que nos aproximemos Dele aprendendo e guardando Sua Torá.

As lições do man tiveram grande relevância em toda a história judaica. No tempo do profeta Yrmiahu, o povo priorizou o trabalho ao estudo de Torá. Yrmiahu exortou-os a tornar o aprendizado da Torá seu foco principal. Eles responderam alegando que precisavam trabalhar para sobreviver. Yrmiahu respondeu trazendo um recipiente de Man que estava armazenado no Beit HaMikdash. Ele mostrou a eles que Hashem tem muitas maneiras de fornecer ao homem seu sustento e que devemos perceber  a futilidade de nos concentrarmos em nosso sustento físico, excluindo nosso bem-estar espiritual.

Nós não temos mais o Man para nos impressionar, no entanto, ainda temos a mitzvá de contar o Omer - ela é um lembrete constante de que não há nenhum benefício em trabalhar além dos limites do esforço aceitável (esforço físico) porque, afinal, Hashem é o Único provedor de nosso sustento. Além disso, nos ensina a lembrar que o propósito de termos nossas necessidades físicas é para que possamos nos concentrar no trabalho principal que é nos aproximarmos de Hashem. Essas lições são aplicadas de maneira diferente para cada indivíduo, não há quantidade de tempo “certa” que se deva gastar trabalhando, aprendendo e se envolvendo em outras atividades espirituais. No entanto, durante este período de Sefirat HaOmer vale a pena para cada pessoa fazer seus próprios cálculos do equilíbrio entre seu envolvimento material e espiritual. Ele trabalha mais do que é realmente necessário? Em seu tempo livre, ele se concentra em respiritualidade ou ele "traz seu trabalho para casa com ele"? Ao fazer essas perguntas, uma pessoa pode internalizar as lições do Omer. Que todos nós mereçamos receber nosso sustento sem dificuldade, e tenhamos amplas oportunidades de nos aproximarmos de Hashem.