Travado no Fogo Cruzado: Humilhação e Perdão
Mais lidos

Personalidades Judaicas

No Fogo Cruzado: Humilhação e Perdão

Muitas vezes na vida, o motivo do comportamento ofensivo de um indivíduo é bem-intencionado, é motivado pelos céus, mas uma vez que ele desconsidera a honra e o respeito do próximo, ele ultrapassa os limites da Torá.

Travado no Fogo Cruzado: Humilhação e Perdão
Há alguns anos, recebi um telefonema de um conhecido membro da comunidade, informando-me de uma reunião urgente sobre uma questão crucial. Ele me pediu para fazer todos os esforços para participar, pois minha presença significaria muito para os presentes. Eu notei que minha agenda para quinta-feira já estava sobrecarregada, mas eu tentaria ir.
 
De fato, minha agenda naquele dia  estava lotada, terminando com uma palestra à noite em Long Island e eu esqueci a reunião comunitária .
 
Enquanto eu dirigia pelas ruas de Flatbush na noite de quinta-feira em meio a uma forte chuva, eu virei na rua onde a reunião estava acontecendo. Quando parei no sinal vermelho, notei uma porta aberta e recordei o pedido daquele individuo.
 
Verdade seja dita: já era tarde e eu estava exausto. Tudo o que eu queria fazer era ir para casa. Mas, sentindo um senso de responsabilidade, encontrei um lugar para estacionar e corri pela tempestade para a reunião.
 
Uma grande multidão estava presente. Três filas de assentos que se estendiam por toda a casa estavam cheias de ilustres membros da comunidade. Eu calmamente tirei meu casaco molhado e me sentei em um dos lugares vazios nos fundos.
 
Cerca de um minuto depois de eu ter me sentado, a voz do locutor trovejou: “A razão pela qual nada está acontecendo é por sua causa. Você poderia ter feito as coisas funcionarem. Eu não sei porque você não fez nada." Ele parecia estar se dirigindo a mim.
 
Na verdade, ele estava olhando diretamente para mim. Então, quando ele apontou o dedo para mim, não havia dúvida de que suas observações eram destinadas a ninguém menos do que eu.
 
Fiquei chocado. Eu não tinha ideia de quem era o orador, nem sabia ao que ele estava se referindo. Eu ponderei qual deveria ser a minha reação. Eu poderia me levantar e, indignado, protestar contra a minha inocência. Eu poderia dar a ele um pedaço da minha mente por falar em público. Ou eu poderia escolher ficar em silêncio. Eu não queria protestar, pois isso poderia implicar que havia alguma substância em sua acusação. Eu estava relutante em censurá-lo porque estava com medo de ir longe demais. Então decidi ficar quieto e sofrer o abuso.
 
Quando o discurso do orador terminou, eu rapidamente peguei meu casaco e, discretamente, sai pela porta. O anfitrião me viu sair e correu atrás de mim na chuva. Ele me assegurou de que deve ter havido algum erro terrível. Ele não tinha ideia do motivo da explosão e prometeu corrigir prontamente o erro.
 
Agradeci-lhe por sua preocupação e implorei para sair, devido ao adiantado da hora, argumentando que tinha sido um dia muito longo para mim.
 
Embora fosse quase meia-noite quando cheguei em casa, comecei a procurar em meus livros de Torá uma explicação mais profunda para o  que havia acontecido naquela noite.
 
Eu examinei vários livros da Torá sobre humilhação e constrangimento. Finalmente, nas primeiras horas da madrugada, a mesa coberta de uma ponta a outra com sefarim (livros da Torá), encontrei minha resposta. O Sefer HaSegulos nos diz que se uma pessoa puder suportar o nisayon (teste) de humilhação pública e aceitar a provocação com amor, ela merecerá "goiva gedolah" (grande benefício). Após ler isso me consolei e fui capaz de dormir.
 
Na manhã seguinte, quando entrei na sinagoga, ouvi o telefone tocar. Atendi a ligação e reconheci imediatamente a voz do interlocutor. Foi o orador que me agrediu verbalmente na noite anterior.
 
“Rabino Goldwasser”, ele implorou, “eu não tenho palavras para pedir desculpas a você por ontem à noite. Eu me sinto horrivel. Eu não posso nem mesmo contemplar a enormidade do meu erro. Como te peço mechilah (perdão)? Eu pensei que você fosse outra pessoa. Foi um caso de identidade equivocada ”.
 
Eu não podia negar a ofensa e respondi: “Eu já trabalhei sobre isso . Eu merecia este teste e eu aceitei."
 
No entanto, minha pergunta a você é: quem lhe deu o direito de humilhar publicamente o indivíduo para quem o insulto era intencional? Certamente você está ciente do Chazal, “Hamalbin pnei-chairo b'rabbim ein lo chelek l'olam haba” - “aquele que humilha seu amigo em público não tem uma porção no mundo por vir.” As palavras faladas não podem ser retiradas, mas eu te peço que pense sobre o significado de sua maldade e esteja sempre consciente de cada palavra que pronunciar."
 
Com isso, concluímos a conversa.
 
Três anos depois, fui convidado para ser o orador em uma reunião de uma organização nacional. Foi um grande encontro, assistido por muitos judeus. Quando o presidente da noite se aproximou do púlpito para me apresentar, fiquei inquieto ao ver que não era outro senão o orador daquela malfadada reunião comunitária.

 
Para minha surpresa, ele começou a relatar todo o incidente e confessou sua implicação pessoal no abuso verbal daquela noite. Ele então novamente pediu meu mechilah (perdão) - desta vez em um fórum público.
 
Nós aprendemos (Yevamos 62b) que 24.000 estudantes de R 'Akiva morreram em uma praga durante o período de Sefirat HaOmer porque “shelo nahagu kavod zeh lazeh - eles não se tratavam com o devido respeito”.
 
Para expor esse conceito, R 'Leib Minzburg cita o Talmud (Kiddushin 30b), “Até mesmo um pai e um filho que estudam Torá tornam-se inimigos um do outro, mas não se movem de lá até se amarem”.
 
Ele explica que cada indivíduo aprende a Torá de Hashem de acordo com o seu entendimento, e muitas vezes não pode respeitar quando a interpretação de outra pessoa não coincide com a sua, ou seja, eles se tornam inimigos um do outro. No entanto, não é uma animosidade que é impulsionada pelo ego ou pelo interesse próprio; em vez disso, é motivada pelo desejo de fazer a vontade de Hashem.
 
No entanto, o objetivo final é aprenderem juntos e discutirem as diferenças, de modo que, enquanto alguém pode manter sua opinião, possa apreciar e respeitar simultaneamente o ponto de vista do outro.

Foi esse aspecto da inter-relação que os estudantes de R 'Akiva não dominaram. Embora a intenção deles fosse o Shamayim (por causa dos Céus), o resultado inadvertido ou mal orientado provou ser mortal.
 
Muitas vezes na vida, a motivação de um indivíduo para seu comportamento ofensivo é bem-intencionada,  puramente por causa dos Céus, mas uma vez que ele desconsidera a honra e o respeito ao próximo, ele ultrapassa os limites da Torá.