Mais lidos

Trecho diário - Sivan Rahav Meir

Operação Fraternidade

O Trecho Diário, Parashat Behar

Operação Fraternidade
“Mãe, temos certeza que não somos da Geórgia?” Meu filho me perguntou depois que ouviu falar de Imri, um menino de dois anos, que precisa de doação de medula óssea devido a uma rara doença genética do sangue. Em uma campanha a ser realizada amanhã pelo Ezer Mizion, estão procurando doadores da Turquia, Azerbaijão, Iraque, Armênia ou Geórgia. Falei, essa noite, com Orel, a mãe de Imri. Ela e seu marido Eli moram em Moshav Gilat no sul. A campanha de busca foi adiada uma semana por causa dos mísseis e agora é uma corrida contra o tempo. "É como se todo o povo de Israel se unisse para nos ajudar", disse ela. "Para quem reclama do ódio e da divisão do povo, recomendo ver o que está acontecendo nas minhas mensagens telefônicas. Quantos telefonemas e mensagens recebemos de pessoas que apenas querem ajudar e procuram um doador adequado em todo o país e em todo o mundo. Isso nos dá muita esperança e otimismo. Meu marido Eli me contou ontem uma frase incrível: 'Orel, você sabe? Israel é um bom lugar para estar em apuros. Esta é a frase mais forte que eu já ouvi nos últimos dois anos, desde que Imri nasceu e começou a lutar por sua vida”.

Na Parashat HaShavua, Parashat Behar, são  descritas situações em que devemos ajudar os outros. A Torá opta por descrevê-las dessa maneira: “E você não deve enganar seu irmão”, "אַל תּוֹנוּ אִישׁ אֶת אָחִיו", "pois ele é seu irmão" e "seu irmão está com você","כִּי יָמוּךְ אָחִיךָ", "וְחֵי אָחִיךָ עִמָּךְ". Em todos esses casos, não estamos falando de irmãos biológicos. Poderia estar escrito "cliente", "inquilino", "vizinho" e não "irmão". Os comentaristas explicam que a Torá escolhe essa palavra para transmitir uma mensagem: a sociedade que deve ser criada em Israel é supostamente uma sociedade baseada na fraternidade.