Mais lidos

A travessia do mar vermelho - parte 3

Os egípcios ficaram cegos e pensavam que o mar era o deserto. Naturalmente, eles tiveram que voltar para trás ao chegarem na beira do mar, sabendo que o milagre da abertura do mar era somente para o povo de Israel. Porém a Torá escreve (Shemot 14:4): " E fortaleci o coração do Faraó e perseguirá...". Isto foi um castigo feito por medida, por terem afogado os nenéns do povo de Israel no mar.

A travessia do mar vermelho - parte 3
O comportamento dos egípcios durante a travessia
 
Os egípcios perseguiram o povo de Israel e entraram no mar. Aqui também ocorreu um grande milagre:
 
Os egípcios ficaram cegos e pensavam que o mar era o deserto. Naturalmente, eles tiveram que voltar para trás ao chegarem na beira do mar, sabendo que o milagre da abertura do mar era somente para o povo de Israel. Porém a Torá escreve (Shemot 14:4): " E fortaleci o coração do Faraó e perseguirá...". Isto foi um castigo feito por medida, por terem afogado os nenéns do povo de Israel no mar.
 
Os egípcios também perderam o senso de audição e não ouviram o som do mar, eles também não sentiam o cheiro do mar, pois este havia sido eliminado. Ao passarem no mar, as paredes de água congelada, caíram sobre eles e os mataram.
 
Os egípcios se moviam como morcegos e não percebiam que estavam entrando no mar. Na escuridão densa, pensavam que o povo de Israel estava andando nas margens da praia e não entrando no mar.
 
A conduta Divina com os egípcios após a travessia
 
Quando a manhã iluminou o mundo, os egípcios viram a situação e perceberam que estavam num beco sem saída.
 
A coluna da nuvem transformou o chão do mar em barro e os egípcios afogaram-se nele. Foi um castigo dado por medida, ao terem forçado o povo de Israel a se ocupar com barro durante a escravidão.
 
A coluna de fogo desceu e aqueceu o fundo do mar até que os cascos dos cavalos caíram de seus pés. D'us os puniu tanto na coluna de nuvem que transformou o fundo do mar em barro, como na coluna de fogo que ferveu o barro.
 
Além disso, pedras e brasas de fogo e granizo caíram do céu.
 
D'us removeu uma das rodas das carruagens dos egípcios. Quando os egípcios viram a deterioração iminente, quiseram retornar à terra, porém a carruagem que estava sem roda, foi arrastada para as profundezas do mar. Os egípcios tentaram usar magia para sair do mar, e eles já haviam começado a sair, até que veio o ministro do mar e disse: um depósito dado a mim por D'us, deixarei que saia de mim com facilidade? Imediatamente as carruagens começaram a girar de um lado para o outro e derrubaram os cavaleiros nas profundezas.
 
A maioria dos egípcios caiu das carruagens e não conseguiram levantar, pois ficaram pesados como o chumbo.
 
É lógico que os egípcios que ainda não entraram no mar fujam e retornem à terra quando viram a água ameaçando inundá-los; Mas milagrosamente eles fugiram para o mar. Aqueles que já estavam no mar tentaram voltar, mas seus cavalos não quiseram voltar. Pelo contrário, eles entraram na água com força, como se estivessem estimulados para perseguir o povo de Israel naquela direção. Havia também egípcios que afundaram na lama e não conseguiram se mexer.
 
De modo geral, a água congelada derrete lentamente, mas aqui a água se derreteu de uma só vez e afogou os egípcios como se nunca tivessem sido congelados. O mar era forte e sólido como uma rocha quando o povo de Israel passou por ele, e logo quando o povo terminou a passagem pelo mar, a água derreteu, de modo que nenhum egípcio foi salvo exceto Faraó.