Mais lidos

A travessia do mar vermelho - parte 2

Quando o povo de Israel entrou no mar e a água chegou até seus narizes, D'us realizou o milagre da divisão do Mar Vermelho. No início, a água congelou e secou por ordem Divina, e em seguida o mar foi dividido.

A travessia do mar vermelho - parte 2
O povo entra no Mar Vermelho
 
Quando o povo de Israel entrou no mar e a água chegou até seus narizes, D'us realizou o milagre da divisão do Mar Vermelho. No início, a água congelou e secou por ordem Divina, e em seguida o mar foi dividido.
 
Na hora da divisão, o mar soou tão alto quanto o gemido do leão. Este som foi ouvido de no mundo inteiro.
 
Consta na Torá (Shemot 14:21) " e se dividiram as águas", e não está escrito " e se dividiu o mar". Isto significa que todas as águas no mundo, tanto em um copo d'água, quanto nos lençóis d'águas, as águas se dividiram.
 
Quando todas as nações viram a divisão das águas, veio um grande temor em seus corações, como consta na Torá (Shemot 15:14-15).
 
Os milagres durante a travessia
 
O mar foi dividido em doze seções, criando doze caminhos no mar, um caminho especial para cada tribo. As seções do mar não foram divididas de uma vez, mas sim a cada passo que o povo de Israel dava dentro do mar, o mar abria mais uma parte. Isto é para que o povo dependa em qualquer circunstância da misericórdia Divina, e se fortaleçam no grau de segurança em D'us.
 
Quando o povo de Israel atravessou o mar, as profundezas do mar secaram e tornaram-se sólidas, como se nunca antes tivesse passado água por lá. O fundo do mar secou não em um único bloco, mas era como um mosaico de pedras de mármore.
 
"As profundezas do mar congelaram" - estes são os lugares profundos onde a água congelou e permaneceu no lugar para que o povo de Israel caminhasse por lá como se fosse uma planície.
 
O mar se dividiu em forma de arco, portanto, o povo de Israel não saiu do mar no lado oposto ao que entraram, eles saíram do mesmo lado que entraram. Deste modo, os egípcios afogaram com mais facilidade.
 
Para demonstrar sua afeição pelo povo de Israel, D'us fez com que a água congelada tivesse uma forma de kipá sobre suas cabeças. As paredes que separavam entre as trilhas de cada tribo, eram feitas de safiras e diamantes puros e pareciam janelas como uma pedra preciosa. Cada tribo via a passagem das outras tribos nas trilhas paralelas, uma vez que a coluna de fogo iluminava, e sua luz era refletida nas paredes.
 
Durante a travessia do mar, as crianças começaram a chorar pedindo comida. Imediatamente, D'us, fez aparecer a árvores frutíferas nos dois lados de cada trilha de cada tribo.
 
Do mar saíram águas doces e o povo de Israel bebeu desta água. Os egípcios que estavam sofrendo com a sede beberam desta água e desmaiaram.
 
Haviam pessoas fracas e pessoas de idade no povo de Israel, que segundo a natureza, passaria muito tempo até atravessar o mar. Porém D'us fez vários milagres e entre eles, que estas pessoas passaram na mesma noite o mar com bastante facilidade.
 
As águas congelaram e ergueram paredes tão altas, que todos os povos em qualquer lugar do mundo as viram e ficaram assustados com este fenômeno. O vento soprou duas ações contraditórias; Por um lado, ele congelou a água para os povo de Israel e, por outro lado, derreteu o gelo para afogar os egípcios. Um milagre dentro de outro milagre.
 
D'us faz diversos milagres, porém estes milagres se vestem com uma roupa natural, para que a pessoa possa ter o livre arbítrio. Portanto, D'us fez com que o vento soprasse todo o dia e toda a noite, para que as paredes de água se mantessem erguidas, e não caíssem.