O Trecho Diário / Sivan Rahav-Meir
Mais lidos

Trecho diário - Sivan Rahav Meir

Nossas Eleições ("escolhas")

Trecho Diário

Nossas Eleições (escolhas)
Foi assim que o rabino Moshe Alpert, do antigo Ishuv de Jerusalém, descreveu as primeiras eleições israelenses para a  Knesset em 1949. Para nos dar alguma perspectiva, no dia antes das eleições em Israel, acima de todas as manchetes estridentes e o barulho sem parar:
"Às 5h35 da manhã, acordamos minha esposa, meu irmão Reb Shimon Leib e meu cunhado, Reb Natanel Solduchil. E depois que tomamos café, colocamos as roupas do Shabat em homenagem a esse grande e santo dia, porque 'Este é o dia que o Senhor fez, nos regozijaremos e seremos felizes com isso. Depois de 2000 ou mais anos de exílio, você poderia dizer que, dos seis dias da Criação até hoje, não merecemos ver um dia como este, que estamos realizando eleições em um Estado judeu. Shehechiyanu! Bendito é Aquele que nos manteve vivos e nos sustentou e nos trouxe até hoje! Então fomos ao posto de votação perto da Rua Chabashim com nossas carteiras de identidade na mão. Com grande e poderosa alegria nós caminhamos pelo caminho mais curto, e todo o caminho eu andei como se fosse Simchat Torá e eu estava circulando com um rolo da Torá, porque eu estava segurando a carteira de identidade do nosso novo Estado Judeu na minha mão. Minha felicidade e alegria não conheciam limites! O assistente do centro de votação trouxe a urna, e o presidente chamou-me e disse 'V'Hadarta Pnei Zaken' - 'E você honrará o velho', E ele me disse que desde que eu era a pessoa mais velha presente Eu seria o primeiro a votar. Com uma emoção de reverência e santidade, entreguei meu cartão de identidade ao presidente e ele leu meu nome no meu cartão e no livro de eleitores. E o vice-presidente anotou meu nome e me entregou o número 1. Então ele me entregou um envelope e eu fui para a outra sala, onde havia cédulas de todos os partidos. E com a mão trêmula, movida com santidade, peguei uma cédula marcada "B", para o partido da União Religiosa, e coloquei a cédula dentro do envelope que recebera do vice-presidente. Voltei a entrar na sala de votação e mostrei que só tinha um envelope. Então o momento mais sagrado da minha vida chegou. O momento que nem meu pai nem meu avô tiveram o privilégio de experimentar em suas vidas.! Só eu, no meu tempo, na minha vida, mereci experimentar um momento tão santo e puro como este ... Que alegria para mim e minha porção!
Às 6h28 voltamos para casa e fomos orar. Que grande feriado! "
[06:59, 9/4/2019] Aliza Nahum: Nossas Eleições ("escolhas") / Trecho Diário / Sivan Rahav Meir:

As eleições (בחירות, literalmente também significa: "escolhas") não acabam hoje. Fazemos escolhas a cada momento de nossas vidas, e não apenas uma vez a cada quatro anos, diante das cédulas de votação nas urnas. Ouvimos a palavra "escolher" em suas diferentes conjugações várias vezes nos últimos meses, mas foi apenas no contexto da votação. Assim, juntamente com todos os comentários políticos e entrevistas e fluxos intermináveis de palavras que estamos expostos estes dias - aqui há uma citação antiga, maravilhosa, que é mais relevante do que nunca, sobre nossas escolhas constantes. Assim escreve o Rambam (Maimônides):
"Toda pessoa tem livre arbítrio: se uma pessoa quer se conduzir de uma maneira boa e ser justa, ela tem a opção de fazê-lo; e se ele quer se conduzir de uma maneira ruim e ser perversa, ela tem esta opção. Não há ninguém que o force ou decida sobre ele ou o puxe a uma das duas maneiras. Pelo contrário, é ele, por si mesmo e de seu próprio raciocínio, quem se conduz da maneira que quiser. E este princípio é um grande princípio, e é o pilar da Torá e Mitsvá ... Devemos saber, sem sombra de dúvida, que os feitos e ações do homem estão nas mãos do homem.”
Boas eleições!