Oferecer um sacrifício de pecado após o parto!?!?
Mais lidos

A Mulher judia

Oferecer um sacrifício de pecado após o parto!?!?

A impureza está diretamente relacionada à morte. Existem duas possibilidades para olhar para a morte. Sobre a morte pode ser expresso em liberdade a alma de uma pessoa e de conformidade com o alto nível da alma acima do corpo, ou, D'us nos livre, que a pessoa sente entregue às forças biológicas, que são mais forte do que ele, aparentemente

Sacrifício de pecado após o parto?
Será que é pecado dar à luz? Será que a mulher deve se sentir culpada por trazer mais uma vida à este mundo? Eis que a Torá que os seres-humanos se multipliquem!!!
Por que, então, a Torá nesta parashá obriga a mulher parturiente a trazer um sacrifício de Chatat (que é trazido em diversas ocasiões de pecado), depois dos dias da impureza de nascimento, conforme consta na Torá (Vaikrá 12:1-8)?
O assunto tratado nestes versículos, é uma das maiores maravilhas deste mundo, o nascimento. A Torá liga a este milagre - impureza, o dever de purificação e expiação pelos pecados desconhecidos.
O que pode levar à impureza nesse maravilhoso processo biológico, que é surpreendente em sua complexidade e sofisticação também em nossa geração "progressista"? Que pecado pode ser encontrado neste processo encantador, que dá vida e traz um novo bebê ao mundo?
Provavelmente, a impureza não é ligada justamente ao processo de nascimento, e sim, ao modo de visão da mulher durante a gravidez, e durante os momentos de dores e sofrimentos antes do nascimento em si.
Para entender este assunto, devemos primeiramente entender a essência de alguns conceitos de impureza:
A impureza está diretamente relacionada à morte. Existem duas possibilidades para olhar para a morte. Sobre a morte pode ser expresso em liberdade a alma de uma pessoa e de conformidade com o alto nível da alma acima do corpo, ou, D'us nos livre, que a pessoa sente entregue às forças biológicas, que são mais forte do que ele, aparentemente.
Segundo a visão do judaísmo, o homem é uma alma com um corpo e não o contrário. Sua alma, a centelha Divina, é seu verdadeiro ser, e o corpo não é mais que roupa para ela. De acordo com a verdade, no momento da morte o homem retira sua roupa, o corpo, enquanto ele mesmo, isto é, sua alma, vive para todo o sempre, uma vez que não é afetada pela morte.
Mas, na prática, quando alguém fica na frente da morte de um parente próximo, vendo a aniquilação do corpo de seus amados parentes, ele se sente impotente. As intensas cores escuras do vazio físico afetam sua consciência. Seus sentimentos o levam a crer que isso é a essência do ser-humano, e em sua morte física, tudo acabou!!! Tudo está morto! Este é um impacto emocional muito emocional, que pode perturbar os sistemas de pensamento da pessoa e sua visão sobre a continuação de sua vida. A fim de restaurar o equilíbrio da mente de uma pessoa e fortalecer dentro dele a crença na eternidade do homem, ele precisa de um choque contra. Palavras não são suficientes para afastar esses pensamentos de desespero de sua mente. A Torá impõe a essa pessoa que entra em contato com a morte, o estado de impureza. Impureza física da qual ele deve purificar.
 
Além disso, o encontro com a morte carrega consigo "impureza". Qualquer contato com a carcaça de uma galinha, a carcaça de um animal, e certamente a carcaça do homem- contamina-o com a impureza.
Essa impureza, não é tangível, real. Não haverá tal coisa na Torá de Israel, que é uma antítese absoluta ao mundo pagão. A impureza não é uma escória mística, mágica ou material. É incompreensível. É verdade que a impureza está relacionada à morte, mas apenas como uma idéia conceitual, não como uma realidade.
A morte é um fim natural e inevitável. Ele espera pacientemente no final da estrada. Tudo vai chegar a esta última parada. Homem e animal, animal, pássaro e fluência. Isso também é uma ciclicidade em todo o universo, onde as galáxias se desfazem e as estrelas morrem lentamente. O mundo está em constante colapso.
Mas a pessoa, consciente de sua essência espiritual, sabe muito bem que é superior a essa natureza cíclica. Seu "eu" oculto e verdadeiro é um ponto misterioso e eterno localizado temporariamente no corpo físico. Sobre esta fé somos educados. Baseados nesta crença, a Torá constrói nossa responsabilidade pelas ações e nosso dever de melhorá-las.
Porém o verdadeiro  encontro com a morte é capaz de perturbar essa verdade no coração do homem. O fato concreto pode ser mais forte que o conhecimento. A aparência impressionante de um homem que até poucos minutos atrás viveu, respirou, de repente desmoronou sob a pressão da coerção física, incapaz de abalar a pessoa e fazê-lo pensamentos tristes: "Por que lutar, eis que de qualquer maneira todos se encontram no final no cemitério" O choque da cena da morte é um momento pessimismo, que pode levar a sérias conclusões sociais. Este é um momento cheio de impureza.
Portanto, a Torá impurifica a morte em todas as suas variações. O sistema de impureza de contato é um mecanismo para proteger o espírito da morte. Para voltar ao equilíbrio, pensamento correto, a filosofia da libertação de que o cemitério é o final da reta. Forçando a pessoa pôr em práticas ações de pureza, a pessoa acredita firmemente na etrenidade e na liberdade de sua alma, e de sua responsabilidade moral.
Essa é a pureza judaica que está do lado humano quando se trata de se separar da influência da morte criada pelo toque da impureza.
Assim também é a mulher gestante. Durante a gravidez e nascimento, há um retiro em sua alma da consciência de sua liberdade espiritual. Ela sente uma certa rendição aos enormes processos biológicos que a governam. Sua mente não está concentrada nas maravilhas da vida que está sendo criada em seu ventre, e sim nas dores e preocupações deste processo. Estas preocupações, a desciam de pensar nas maravilhas que acontecem em seu corpo.
O atributo da maravilha, o privilégio de admirar, é a pedra angular da educação da pessoa judia. Saber e sentir que nada na vida surge por si só, é o pilar de tudo A observação constante das maravilhas da criação, infinita sabedoria revelada em todas as ações, as galáxias massivas até os segredos das moléculas de DNA, é um dever de qualquer pessoa, o que dá uma profunda alegria e euforia para aqueles que experimentaram. É esta observação que liberta o homem do temporal e do transitório, ligando-o intuitivamente a eternidade.
A mulher, cuja vida é tecida em seu ventre, tem o que olhar, tem o que maravilhar-se e admirar. No entanto, há também oposição interna a esse processo de observação e admiração. Resistência resultante do estresse, como dito, e do hábito que conquista toda boa parte.
O processo de dar à luz faz parte de nossas vidas. Desde a existência do mundo, o processo foi repetido bilhões de vezes. Nós nos acostumamos com isso. Essa habituação entorpeceu nosso senso natural de admiração ao ver algo novo. Para continuarmos a nos maravilhar e admirar nossa visão mesmo depois de ela se tornar aceita e natural, precisamos nos engajar em observação para despertar sentimentos que se seguirão.
Mas parturiente, que sobre ela foi dito (Bereshit 3:16): "com tristeza tereis filhos", está longe de admirá-la, pois se concentra somente no processo físico.
Os sacrifícios e os estados de impureza neste maravilhoso processo, vem equilibrar os sentimentos das mulheres nestas situações.