Mais lidos

Parashat Tetzaveh

O tolo na farmácia

O que a Torá quer expressar através deste versículo? Será que não foi entendido na primeira referência à idéia de que Moshe agiu corretamente e fez tudo conforme a vontade Divina?

Esta frase aparece dezenove vezes ele aparece na nossa parashá.
Na descrição da construção do Mishkan, no final de cada seção, aparece o seguinte versículo
(Shemot 38:22): " do mesmo modo que D'us ordenou a Moshe". Esta frase aparece dezenove
vezes ele aparece na nossa parashá.
O que a Torá quer expressar através deste versículo? Será que não foi entendido na primeira
referência à idéia de que Moshe agiu corretamente e fez tudo conforme a vontade Divina?
D'us não precisa do Mishkan. O Mishkan foi exigido pelo povo, que sentiu a falta dele. Chazal
nos ensinaram que através do Mishkan, o povo quis dar uma expressão adequada e plena às suas
aspirações religiosas.
A lógica, portanto, requer que o povo de Israel a estabeleça de acordo com sua vontade e as
necessidades de suas almas. O que irá complementar a sua inclinação e realização para o espaço
espiritual em que se sentem. Os melhores arquitetos e construtores irão aparecer diante de
Moshe, apresentar-lhe os melhores planos de construção, honrar o salão que é destinado à
adoração de D'us, construí-lo de uma maneira incrível e com sentimentos santos, no melhor de
seus sentimentos. Quem, senão eles, sabem o que eles precisam?
Mas na realidade não foi assim. No momento em que D'us concordou em fazer a vontade do
povo de construir o Mishkan, Ele os instruiu a construí-lo como Ele havia mostrado a Moshe
(Shemot 26:30).
Por quê?
Para decifrar este segredo, estudaremos as palavras do Rabino Yehuda HaLevi, um dos nossos
maiores poetas na Idade Média, autor do famoso livro "O Kuzari".
Segundo o "Kuzari", o homem age em seu mundo como um tolo na farmácia. Ele usa sua lógica
para criar os valores que ele considera necessários. Através dos quais ele tenta alcançar sua
reforma pessoal, religiosa e social, nacional e até internacional. No entanto, este é um proveito
incorreto e insuficiente da lógica, que sempre leva ao desastre.
Será que durante os longos anos da história, geração após geração, o colapso de valores, que
estavam na moda e que em seu tempo, ganharam a fama? Será que durante as gerações milhões
de pessoas inocentes não afogaram em sangue as idéias mais encantadoras para a reforma
humana e social alguma vez concebidas pelo homem?
E se sim, onde está o erro?
O erro está na crença do homem, que o poder da razão humana pode curar todas as feridas e
doenças de nossos espíritos.
Uma pessoa deve saber que sua correção e transcendência só podem vir de valores que estão fora
dele. A questão do propósito da vida e a questão da capacidade de construir um esquema
adequado além do esquema material da vida é semelhante ao tolo que "cria" remédios numa
farmácia. Ele confia em sua lógica sem conhecer o corpo humano adequadamente. Não
compreende adequadamente a natureza das várias doenças e não está familiarizado com a
natureza dos medicamentos.

Nesse caso, a lógica é a causa da falha. Se aquele tolo o reconhecer que ele precisa de mais
informações, então sua lógica teria sido seu fiel servente.
Nós, resume o Kuzari, passeamos pela turbulenta farmácia da vida e da história como um tolo.
Procurando o propósito da vida à luz da aflição da alma, sem ter informações confiáveis ​​sobre a
natureza da própria vida. Criamos valores em nós mesmos para nos redimirmos do pântano, no
qual estamos imersos, e finalmente não entendemos que não só que não saímos deste pântano,
como que nos aprofundamos mais e mais nele.
Dezenove vezes a parashá repete e enfatiza que Moshe construiu o Mishkan, como D'us lhe
ordenou. Dezenove vezes tem sido enfatizado que o papel de um ser humano é expor, em toda
lógica, que em qualquer etapa da vida devemos seguir somente a vontade de D'us, e não inventar
novos critérios para esta operação de exposição. Pois Moshe, e somente Moshe, sabia o quão
perigoso é envolver a tendência pessoal limitada em determinar a "dosagem do remédio ", que
vem para redimir a pessoa daquelas tendências que superam sua aflição.