Mais lidos

Personalidades Judaicas

O profeta Yoná

Yoná sabia que era impossível escapar de D'us, então ele procurou distanciar-se do lugar onde a profecia era apropriada a aparecer. Ele decidiu, portanto, fugir para o mar chamado Tarshish, já que a profecia não chega no exterior de Israel.

Yona a profeta

O profeta Yoná, era discípulo de Eliahu Hanavi, e quando Eliahu Hanavi subiu vivo ao céu, tornou-se discípulo de Elishá.

No tempo de Yoná, a capital do reino da Assíria era Nínve. Era grande em seu território, sua população e até mesmo grandeza para Hashem - pois, no início, seus habitantes eram justos. Mas ao longo dos anos houve uma deterioração moral em seu comportamento.

As maldades e os pecados do povo de Nínve vieram perante a D'us, acusando os habitantes da cidade. Antes de serem sentenciados, D'us queria dar ao povo desta cidade a oportunidade de se arrepender e reparar o caminho. Yoná foi comandado para adverti-los de que eles retornassem de seus maus caminhos e que os informasse que o seu mal havia chegado ao cume diante de D'us.

Yoná, o profeta, entendeu que, se o povo de Nínve se arrependesse, um grande mal entraria em Israel. Pois deste modo, o povo seria culpado por não arrepender-se tão rapidamente e facilmente como a população de Ninve o fêz.

No começo, Yoná foi ordenado apenas para advertir o povo de Nínve, apenas porque a sua maldade havia subido diante de D'us. Portanto, ele acreditava que esta missão não tem lei profética, e não é uma proibição de "conquistar sua profecia", que o profeta deve obedecer e não recusar em cumprir sua missão. Como resultado, ele decidiu fugir. No entanto, Yoná percebeu que estava sujeito a um castigo severo por sua fuga, mas estava disposto a sacrificar-se para o resgate geral do povo de Israel.

Yoná sabia que era impossível escapar de D'us, então ele procurou distanciar-se do lugar onde a profecia era apropriada a aparecer. Ele decidiu, portanto, fugir para o mar chamado Tarshish, já que a profecia não chega no exterior de Israel.

Yoná desce de Jerusalém para Yafo, a cidade portuária da Terra de Israel, e busca um navio que sai para o destino desejado - Tarshish.

Yoná descobre um navio que está prestes a deixar a costa mais tarde

"Onde você vai?" Yoná  pergunta ao capitão. Este lhe responde que seu destino era  o procurado por Yoná, mas logo ficou claro para ele que o capitão não iria partir em breve

"Acabamos de chegar de uma longa viagem, e temos ter uma grande quantidade de bens para que estejamos abastecidos e esperar que mais passageiros se juntem a nossa jornada".

"Estou disposto a pagar quatro mil dinares de ouro se você sair imediatamente", disse Yoná ao capitão.

Yoná efetuou ao capitão o pagamento, e o navio navegou, carregando um único passageiro - Yoná. Além dele, havia marinheiros do navio que vieram de setenta nações do mundo.

De repente, uma terrível tempestade se agitou. O navio parecia prestes a quebrar e afundar no mar. O capitão decidiu dirigir o navio para ancorar numa ilha, mas um forte vento soprou, impedindo o navio de voltar para a costa. Os marinheiros notaram que todos os outros navios estavam navegando no mar, fazendo o seu caminho de forma tranquila, enquanto seu navio era o único a voar como uma casca de noz. Como se o espírito tivesse estabelecido uma meta para abusar do navio e seus habitantes ...

Logo os marinheiros chegaram à conclusão de que esta não era uma tempestade natural, mas uma tempestade deliberada enviada por D'us. Eles começaram a gritar cada um para sua idolatria, esperando que ele o salvasse.

Os marinheiros decidiram que somente D'us responderia suas orações e mesmo assim, as preces não deram nenhum resultado. A tempestade ainda estava furiosa, o navio perdido nas ondas e, em qualquer momento, poderia descer até às profundezas.

Nos esforços para salvar o navio, os marinheiros jogavam todos os itens desnecessários, mas em vão. Yoná entendeu que todos os esforços não ajudariam a acalmar a tempestade furiosa, e que dos céus tentam forçá-lo a cumprir sua missão.

Ele desceu até a parte de trás do navio, deitou-se na esquina e adormeceu ...

Logo o capitão percebeu o passageiro dormindo na parte de trás do navio. Ele imediatamente despertou-o do sono e rapidamente descobriu quem ele era e que era servo de D'us.

Quando o capitão soube que a pessoa que estava diante dele era judeu, ele ressentiu-lhe: "Como você se deixa adormecer, você deve dirigir-se para D'us, reze por nós e ele atenderá à sua reza e nos salve ".

Yoná tinha vergonha de orar diante de D'us, de quem ele foge.

Os marinheiros perceberam que deve haver uma sentença de morte alta sobre qualquer um dos passageiros do navio. Para descobrir quem é a causa de o infortúnio de todo o navio, os marinheiros decidiram fazer uma série de sorteios, e o resultado certo, seria o resultado que sairia em todo os sorteios. O sorteio caiu uma e outra vez no profeta Yoná.

Os marinheiros voltaram-se para Yoná e disseram: "Eis que todos os sorteios sorteios caíram sobre você. Pode ser que tem uma sentença de morte por um pecado cometido por você? Diga-nos que pecado cometestes? Será que há algum modo de corrigir este erro?

Yoná respondeu: "Eu fugi da presença de D'us, e ele me ordenou que fosse a Nínve, e vocês não poderão ser salvos, porque D'us é o D'us do mar e o D'us da terra". Os marinheiros do navio se perguntaram:" Como o seu coração deixou que você escape de D'us? Diga-nos o que faremos para salvar nossas almas?

"Eu entendo que D'us me castiga por fugir dele, então eu peço que vocês me joguem ao mar e com isso salvem vossas almas.

Os marinheiros enviaram Yoná para o mar de joelho, e imediatamente o mar acalmou. Eles o puxaram de volta para o navio e a tempestade voltou a vigorar. Mais uma vez, os marinheiros jogavam Yoná no mar, desta vez até o pescoço, e o mar se acalmou. Os marinheiros o trouxeram de volta ao navio,  e a tempestade voltou ao normal. Apenas quando Yoná foi jogado no mar, a tempestade cessou.

Os eventos deixaram uma tremenda impressão sobre os marinheiros, que com seus próprios olhos, viram esses milagres. Eles também viram como um grande peixe engoliu Yoná.  Então, eles decidiram se converter. Eles jogaram suas estátuas no mar e tomaram sobre si mesmos para sacrificar oferendas para D'us.

Quando voltaram para o porto de Yafo, foram a Jerusalém, onde se converteram e cumpriram as promessas feitas no navio. Depois, cada um deles viajou para o seu próprio país para converter a família.

Yoná ao ser jogado no mar pensou que morreria afogado. Mas D'us quis mostrar a Yoná que Sua palavra sempre se mantém e que forçadamente profetizará ao povo de Nínve para que a se arrependam.

Por três dias e três noites, Yoná esteve nas entranhas do peixe, e ele ainda não rezou a D'us. Ainda não manifestava vontade de profetizar ao povo de Ninve que se arrependam.

D'us disse: "Preparei para Yoná um lugar espaçoso e confortável nas entranhas do peixe, porém por causa desta comodidade, ele não  reza para mim".

Portanto, ele foi expelido de um peixe cômodo para um peixe mais incômodo.

Quando Yoná percebeu que Hashem piorou suas condições, percebeu que Ele não queria sua morte e não procurou puní-lo, mas sim fazê-lo orar e se arrepender. Yoná começou a orar, tomando conta de si mesmo para fazer tudo o que foi mandado.

Das profundezas do peixe, Yoná enviou uma oração à D'us:

"Senhor do Universo, para onde irei de seu espírito, e para onde fugirei de você? Se eu subir ao céu, você está lá! Você é rei sobre todos os reinos e senhor sobre todos os ministros e reis do mundo. O Seu trono é o céu, e a terra é Seus pés. Seu reino no topo e seu governo são profundos. As ações de todos os homens são reveladas antes de você, os caminhos de cada homem você explora e os passos de cada coisa viva  você examina, os segredos dos rins você conhece, os segredos dos corações você entende. Não há mistérios antes do seu trono e não há nada oculto de seus olhos. Em todos os lugares, você está, seu  olhos olham para os perversos e para os justos. "

"Mestre do Universo, eu farei minha parte. Eu darei graças a você - como fizeram todos os marinheiros para agradecer e louvar. Também irei a Nínve e convencerei o povo a arrepender-se. Porém sei que o arrependimento do povo de Nínve não suportaria muitos dias.

A oração de Yoná foi aceita, e ele foi expelido da barriga do peixe para a terra. No calor terrível do intestino do peixe, suas roupas foram queimadas, seu cabelo foi queimado, o único que deixou de estragar foi sua vida. Ele foi obrigado a ir para Nínve e anunciou que em quarenta dias, a cidade seria destruída.

Ninve era uma cidade enorme, e levou três dias inteiros para atravessá-la de um lado para o outro. D'us deu-lhe o poder além da natureza, e seu grito ecoou e soou em toda a cidade.

O povo de Nínve acreditava que suas vidas estavam em julgamento e perceberam que, se a misericórdia de D'us não se elevasse sobre eles, seriam exterminados do mundo.

O próprio Rei tirou suas roupas reais , colocou um saco e colocou sua coroa sobre a areia, para que as pessoas da cidade arrependam de suas ações e se submetam a D'us.

O Rei entendeu que o decreto era um castigo por suas ações e que a maneira de abolí-lo viria apenas por arrependimento e remorso.

Ela gritou por toda a cidade: "O homem e a besta que moram em casa, não comerão nada. O gado e as ovelhas que pastam no campo, todos iguais - evitarão beber por três dias e três noites. Qualquer um que viole esta provisão é para ser queimado com fogo!"

"O homem e o animal serão cobertos com sacos, e todos juntos chamarão a D'us com todo o coração, e cada um retorna dos seus pecados que pecou e dos roubos que mantém em suas mãos. É necessário retornar ambos aos pecados ocultos e abertos. Caso cada um se arrependa do modo citado, temos esperança que D'us nos perdoe.

As pessoas de Nínive levantaram seus bebês macios, que ainda não tinham sido desmamados do leite de sua mãe e chamaram a D'us chorando:

"Mestre do Universo, se você não faz por nós, faça pelo bem daqueles que não pecaram. "Eles separaram as mães de seus filhos, para que não pudessem amamentá-los e com isso possam rezar mais forte para D'us.

O povo de Nínive proclamou: "Mestre do Universo!, do mesmo modo que nos ordenastes a ter misericórdia destes que não pecaram, tenha misericórdia de nós.

Embora o povo de Nínve tenha se arrependido nas questões do homem e dos seus companheiros, embora acreditassem em D'us, e seguissem as palavras de Seu profeta, eles continuavam apegar-se às estátuas de madeira e às pedras que eles possuíam. Após o conserto do pecado de roubo, D'us descansou de sua ira, levantou-se do trono de julgamento, Ele disse: "Eu perdoei".

Uma profecia especial foi enviada a Yoná, em que o Criador anunciou que ele havia consolado o mal.

Era exatamente o que ele temia. O povo de Nínve acusaria o povo de Israel de não se arrependerem, embora muitos profetas fossem enviados para adverti-lo.

Ele se voltou para D'us e disse: "Se é assim que a sua sabedoria foi decretada, não há mais nada para mim senão pedir-lhe que tire minha alma de mim para que eu não veja o mal que levará o meu povo.

A morte é melhor para mim do que a vida, na qual dirão que sou um profeta mentiroso que disse que a cidade seria destruída em quarenta dias, fato que não ocorreu.

D'us chamou  à Yoná e disse: "É realmente doloroso para você salvar a Nínve? Vou mostrar-lhe um caso extraordinário que a partir do qual você aprenderá que você não deve estar doloroso pela salvação das pessoas de Nínve".

"Se você tem medo de que eles pensem que você é mentiroso, não há lugar para seu medo, um profeta que profetiza uma boa profecia, esta nunca será descartada. Porém todo o objetivo da profecia está de pé, caso se arrependam o máu decreto será anulado.

Yoná fixa seu lugar de descanso no lado oriental da cidade, abaixo de uma sucá, pois pode ser que as pessoas da cidade não serão firmes no arrependimento e o mal decreto acontecerá, no final de quarenta dias.

Depois de um tempo, as folhas que serviram como cobertura na sucá onde Yoná estava sentado, secaram. O Sol o atingiu, e também vieram moscas, mosquitos, formigas e pulgas, das quais ele não podia se proteger.

D'us fez crescer uma árvore chamada kikayon, que tem folhas grandes e largas. Esta árvore cresceu milagrosamente em uma noite só, acima da sucá de Yoná.

Quando o profeta viu a árvore que cresceu sobre sua sucá, ele estava muito feliz em ser salvo do calor do sol, e ele acreditava que esse milagre não era em vão: "É somente o desejo de D'us me permitir uma estadia confortável até que eu veja o castigo dos filhos de Nínve, para que eu receba resposta para minhas incógnitas.

"No dia seguinte, D'us convocou um verme que roia as raízes da árvore e a árvore secou. Além disso, D'us enviou um vento oriental quente que tornou o calor insuportável. Tantos foram os tormentos do profeta, que ele desmaiou e desejava morrer. "Estou melhor morrendo do que uma vida de tão terrível sofrimento", disse o profeta a D'us.

D'us respondeu com uma pergunta: "Yoná, você realmente ficou chateado por algo tão fácil, como esta árvore que se perdeu de você?

"Yoná lhe respondeu: "Sim, de verdade, eu estava muito chateado. Fiquei doente nesta situação, e tenho medo de que eu morra na minha doença, porque eu alcancei as portas da morte.

" D'us disse: "Veja, quanto é grande sua tristeza sobre a árvore que você não criou e nem se esforçou por ela, que repentinamente apareceu e repentinamente sumiu.

Será que não protegerei o povo de Nínve e seus muitos filhos que não pecaram? Assim como a árvore lhe trouxe benefício, assim todas as criaturas me servem em minha honra.

"Quando Yoná ouviu as palavras de D'us, ele suplicou a D'us e disse:" Mestre do Universo, conduza Seu mundo com misericórdia....

Que neste Yom Kipur possamos ser carimbados no livro da vida, com um ano doce cheio de satisfações e alegrias, que tenhamos o mérito de sempre receber a misericórdia Divina em qualquer circunstância.Que possamos sempre fazer a vontade de Hashem sem nenhuma desvio de caminho e que sempre possamos sentir e ver a misericórdia de Hashem conosco.