Mais lidos

Parashat Nitzavim

A Torá não está nos céus

Uma pessoa que acredita em D'us refere-se a todo infortúnio como uma advertência vinda de cima. Não há caso sem significado, não há evento que não tenha moral sobre as ações da pessoa.

A Torá não está nos céus
O propósito da punição Divina é completamente diferente dos objetivos estabelecidos pelo sistema judicial quando se trata de julgar uma pessoa que transgrediu a lei. A punição Divina corrige a fonte original do pecado através do entendimento por que esta punição atingiu tal pessoa, e ajuda-o a entender que ele cometeu um erro em sua conduta. A punição cria uma esperança para um futuro melhor, um futuro equipado com o passado cujas lições de vida foram aprendidas pelas acontecimentos da época.
 
Uma pessoa que viola a lei do país, deve ser punida por duas razões: a) a hierarquia pública exige punição aos transgressores da lei. b) para impedir que outros sigam seu caminho.
 
A reabilitação do criminoso - apesar de ser um dos objetivos declarados dos centros de detenção - não é uma das razões pelas quais os juízes sentenciaram  um longo período de detenção. A esperada "reabilitação", se existir, segundo as definições do sistema jurídico, é para garantir a segurança daqueles que "fiéis cidadãos". Porém segundo as definições determinadas por D'us na Torá, o propósito da punição é para o próprio pecador e para seu próprio bem, e seu propósito é levá-lo a uma convicção interna que o impedirá de cair novamente nas profundezas do pecado.
 
Os fatores espirituais por trás da doença, por exemplo, determinam a duração e a intensidade da doença. Uma doença enviada do céu à uma pessoa para reparar defeitos de virtudes ou atos feitos erroneamente desaparecerá assim que a correção de tais atos ou virtudes for alcançada. A doença nada mais é do que uma manifestação externa, a lâmpada de controle do comportamento e ações humanas. Caso a pessoa tenha corrigido o que precisa ser corrigido, não há razão para a existência da doença, e esta desaparecerá.
 
A doença ou os problemas que acontecem com as pessoas, possuem vários propósitos:
 
Às vezes, a doença em si é a própria punição e "uma recompensa" pelas transgressões cometidas pelo homem. Às vezes, a doença tem objetivos positivos, demonstrando as limitações de uma pessoa e provando que nem tudo depende dele. Caso a doença seja grave, isto indica-lhe que a vida humana é limitada e que ele deve tirar conclusões e elevar seu nível espiritual. Às vezes a doença é um teste que D'us envia a uma pessoa, examinando sua reação A doença é também uma oportunidade para uma pessoa descobrir forças adormecidas e interiorizadas em seu coração, para que possa pô-las na prática.
 
Por essa razão, não é de surpreender que a punição Divina não seja igual a todos os transgressores. A Providência decreta que uma pessoa pagará por suas transgressões neste mundo, enquanto em relação à outra pessoa, isto acontecerá no mundo vindouro. Há aqueles que pagam suas transgressões através de sofrimentos corporais e há aqueles que pagam suas transgressões através de perdas monetárias e financeiras. dívidas em seu corpo e são multados. É D'us quem sabe que a correção de alguém terá sucesso dessa maneira, enquanto a outra é corrigida de uma maneira diferente.
 
Se a pessoa tiver a capacidade de aprender a lição transmitida por D'us através dos golpes que Ele concede, sua punição se transformará em esperança que o levará a um futuro melhor. Por outro lado, a pessoa que continua cometendo suas transgressões mesmo recebendo punição celestial, pode afundar neste pântano da transgressão sem poder sair.
 
A pessoa geralmente recebe sinais diferentes antes que a punição seja dada. Eles informam uma pessoa para prestar atenção em seus caminhos, dedicar suas energias para corrigir seu caminho, e não para dizer que esses casos "pequenos" não lhe dizem nada.
 
Uma pessoa que acredita em D'us refere-se a todo infortúnio como uma advertência vinda de cima. Não há caso sem significado, não há evento que não tenha moral sobre as ações da pessoa.
 
A vida é cheia de surpresas, às vezes boas e às vezes não tão boas. Normalmente, as pessoas não prestam muita atenção a copo quebrado ou a uma janela que foi quebrada. Embora este seja um evento desagradável, nenhum desses eventos é atribuído além do que aconteceu.
 
Embora as pessoas que acreditam que a fé sirva como uma bússola que direciona seu modo de vida, essas coisas também são levadas a sério. Eles estão cientes de que tudo é derivado de D'us e, portanto, não fecham os olhos para esses casos e continuam como se "nada tivesse acontecido".
 
Da próxima vez, quando formos pegos em um pequeno "acidente", devemos fazer um balanço de nossos acontecimentos e atos, para perceber se talvez este seja um aviso de cima que sugere que devemos melhorar nossas ações. Essa busca da alma pode nos poupar mais problemas no futuro.
 
E, de fato, esse processo aconteceu com o povo de Israel. A Torá advertiu as pessoas que, por causa dos pecados de idolatria, o povo será exilado e espalhados entre as nações, conforme consta na Torá (Devarim 4:25-27).: "... vos corromperdes e fizerdes estátuas à imagem de alguma coisa e fizerdes o que parece mal aos olhos do Eterno...tomo por testemunha ante vós, hoje, os céus e a terra...que bem cedo perecereis de sobre a terra para a qual passais sobre o Jordão a fim de herdá-la...E o Eterno vos espalhará entre os povos...".
 
As advertências foram feitas para dissuadir as pessoas de continuarem a pecar. No entanto, infelizmente, as pessoas falharam e foram severamente punidas. Era esperado supor que essas punições deveriam ser bem estudadas e aprofundadas para que não voltassem a acontecer. Porém lamentavelmente, o processo foi revertido. A descida ao exílio levou a outra queda espiritual. As pessoas continuaram na conduta errada, conforme consta na Torá (Devarim 4:28): " E servirás ali a deuses, obra de mãos de homens, de madeira e de pedra, e nem comem e nem cheiram". O exílio supostamente deveria ser um sinal de alerta, tornou-se, infelizmente, como mais um meio de declínio espiritual do povo. O pecado levou ao exílio, e o exílio acrescentou insulto à injúria!!!! Nesta posição nos perguntamos a nós mesmos, como poderemos sair deste círculo vicioso?
 
A resposta consta nos seguintes versículos da Torá (Devarim 4:29): "E buscarás de lá o Eterno teu D'us e O encontrarás...". "De lá", de onde você está, onde você pode procurar por D'us, encontrará-Lo.
 
A Torá (Devarim 30:11-14) promete que esta busca vai dar frutos, desde que ela flua a partir das profundezas do coração: "Porque este mandamento ... não te é encoberto, nem está longe de ti, não está nos céus ... nem está além do mar...Pois isso está muito perto de ti que ele está muito perto de ti, na tua boca e no teu coração para que observes".
 
Esses versículos se referem ao preceito da Teshuvá (arrependimento). A possibilidade de retornar a D'us não deve ser procurada nos céus celestiais, nem mesmo além do mar. Não há necessidade de distanciar-se devagar: "É muito perto de você, em sua boca e em seu coração, para que observes".
 
Por outro lado, há uma pesquisa que não produz resultados reais. Nas palavras do profeta (Amós 8:11): "Aproximam-se os dias-diz o Eterno D'us-em que enviarei fome na terra, mas não fome de pão, nem sede de água, mas,sim,de se ouvir a palavra do Eterno". Esta é uma profecia sobre uma fome especial que desceu ao mundo. Os seres-humanos não caçarão pão e água. Essa grande fome é toda sobre assuntos espirituais. As pessoas sentirão uma grande falta e solicitarão para ouvir as palavras de D'us.
 
Mas nem todo mundo sabe a continuação do versículo (Amós 8:12): " E vagarão de mar em mar, e do norte ao oriente, correrão de um lado a outro buscando a palavra do Eterno e não a acharão"!!! Se o versículo anterior anunciando a fome de espiritualidade, soa surpreendentemente, o versículo seguinte, é mais surpreendente ainda. Se a fome é tão grave que as pessoas estão dispostas a vagar muito longe, por que não encontrar o que elas procuram?
 
A resposta é que as pesquisas não são conduzidas no lugar certo. A palavra de D'us não deve ser procurada nos cantos da terra. Evidências vivas disso são agora usadas por milhares de jovens que sentem falta espiritual e buscam espiritualidade no Oriente e em outras partes do mundo. A sede continua a pesar apesar das andanças! D'us deve ser procurado no lugar onde o homem está, nas profundezas do seu coração.