Mais lidos

Parashat Ki Tavo

Os caminhos de D'us

O Rabino Moshe Cordovero,  é autor do livro "Tomer Devorah". Este livro gira em torno do princípio de que uma pessoa deve assemelhar-se ao criador em suas ações. Este livro gira e circunda os Treze Virtudes listadas nas palavras do Profeta Michá (7:18,20). O Rabino Moshe Cordovero explica os atributos da misericórdia de D’us, e a maneira pela qual nós humanos devemos seguir estes caminhos.

Os caminhos de D'us
Os caminhos de D'us
 
A obrigação de caminhar nos caminhos de D’us não se limita ao domínio das relações interpessoais. Também abrange a área entre homem e D’us.
 
Os mandamentos da Torá à seguir os caminhos Divinos, como consta na Torá (Devarim 26:17): "...seguindo Seus caminhos". O que significa seguir os caminhos de D’us?
 
O significado é que a pessoa deve seguir as boas virtudes do Eterno: Deus visitou os enfermos, mesmo você visite os enfermos, Deus consolou os que estão de luto, até você console-os.se consolam.
 
Gostaria de apresentar aqui, uma passagem de um dos grandes renomados sábios de mussar, o Rabino Moshe Cordovero, que nos ensina como devemos seguir os caminhos de Hashem através da mitsvá de teshuvá.
 
O Rabino Moshe Cordovero,  é autor do livro "Tomer Devorah". Este livro gira em torno do princípio de que uma pessoa deve assemelhar-se ao criador em suas ações. Este livro gira e circunda os Treze Virtudes listadas nas palavras do Profeta Michá (7:18,20). O Rabino Moshe Cordovero explica os atributos da misericórdia de D’us, e a maneira pela qual nós humanos devemos seguir estes caminhos.
 
A primeira virtude é:
 
"Quem é um D’us como Tú".
 
D’us sofre um insulto, quando o ser humano transgride um de seus preceitos. Ele sustenta a criação em qualquer momento, apesar de que o povo é pecador contra ele. Além disso, ao mesmo tempo em que uma pessoa peca com um de seus órgãos, D’us dá vida e sustenta o órgão pecador.
 
Ao mesmo tempo, é necessário que a pessoa aprenda a sofrer insultos e retribuir bondades, mesmo quando outra pessoa peca contra ele.
 
A segunda virtude é:
 
"perdoas a iniquidade".
 
Toda pessoa que transgride um crime adquire para si um acusador (um anjo que atesta o seu dever). O mesmo acusador está diante de D’us e diz: "Alguém me fez criar". D’us revive o acusador e lhe dá tudo de bom, embora tenha sido criado contra a vontade de Sua vontade. Se não fosse por essa parcela da vida que D’us lhe concedeu, o acusador teria prejudicado imediatamente de modo fulminante, a pessoa que pecou.
 
O homem deve ser paciente, mesmo quando seu amigo o faz mal. Ele deve esperar pacientemente que seu amigo corrija o que ele fez com ele ou o mal que ele cometeu será anulado.
 
A terceira virtude é:
 
"passa sobre a transgressão".
 
O próprio Deus lavou os pecados do homem.
 
Portanto, é preciso se esforçar para corrigir seus próprios pecados ter vergonha de si mesmo, pois ele é a causa que D’us lava seus pecados.
 
A quarta virtude é:
 
" do remanescente da Sua herança".
 
D’us se refere ao povo de Israel como se fossem Seus filhos e é misericordioso com eles. E é  como se D’us tivesse dito: Caso Eu os puna, a dor acabará por voltar para mim, pois eles são meus próximos.
 
A pessoa deve se comportar com cada um do povo Israel com fraternidade e de forma favorável: querer a dignidade, não falar mal dele, sentir tristeza e cumprir a mitzvá de "Ama o teu próximo como a ti mesmo", porque todos são próximos uns dos outros.
 
A quinta virtude é:
 
"Ele não mantém sua ira para sempre".
 
Mesmo quando uma pessoa detém seu pecado e não retornar a D’us, D’us espera que ele volte, tem pena dele e, às vezes lhe trata com mãos ásperas e às vezes com delicadeza, tudo em benefício da pessoa e de acordo com as circunstâncias, para a pessoa melhorar seus caminhos.
 
O homem deve aprender com isso que, mesmo quando adverte os outros, não deve ficar com raiva deles. Mesmo aqueles que pecam, devem ser trazidos com amor, para poder ajudar a restaurá-lo melhor.
 
A sexta virtude é:
 
"porque Se deleita com na bondade".
 
D’us deseja graça e compaixão por Israel. Mesmo quando eles estão prestes à serem aniquilados, Ele sente pena deles e deixa-os um remanescente, porque eles se atribuem mutuamente.
 
Do mesmo modo, uma pessoa deve agir com os outros. Mesmo quando eles vos deixa com raiva ou mau, deves procurar os aspectos positivos dessas pessoas e tentar tratá-las de acordo com suas virtudes.
 
A sétima virtude é:
 
"voltou, (Hashem) tem misericórdia (pela pessoa) ".
 
Quando a pessoa retorna com todo seu coração em arrependimento, D’us o aproxima, o ama, e suas qualidades espirituais são mais elevadas, e já foi dito: "Onde os arrependidos estão, os justos não estão" (Brachot 34: 2).
 
O caminho do homem quando seus entes queridos o machucam e então querem apaziguá-lo, que ele não retorna ao parente como antes. Mas é preciso aprender com D’us para não abrigar a hostilidade, mas sim para perdoar de todo o coração os pecadores contra ele quando se arrependem e aproximá-los como se nunca pecassem.
 
A oitava virtude é:
 
"conquistar nossas iniqüidades".
 
Todos os mandamentos que uma pessoa faz diante de D’us tanto com ou sem interesses pessoais, a pessoa tem uma recompensa enorme para sempre. As transgressões, por outro lado, não entram na presença de Deus e não podem abolir a recompensa dos mandamentos. Pelo contrário, o Santo, abençoado seja Ele, as conquista, e castiga as pessoas temporariamente. Com isso a recompensa pelas mitsvót fica guardada para a pessoa, para a eternidade.
 
Assim, deve-se tentar esquecer o mal que seu amigo fez e não guardar rancor contra ele. Por outro lado, as bondades e as grandes coisas que o amigo lhe fez, sempre seriam reservadas em seu coração, e ele ficaria agradecido por eles para sempre.
 
A nona virtude é:
 
"e descarta todos os seus pecados nas profundezas do mar".
Quando o povo de Israel peca, Deus traz desastre através das nações do mundo, e eles se arrependem.
 
Ao ver os perversos oprimidos com angústia, salve-os dos seus inimigos, do mesmo modo que D’us retira de ti os sofrimentos oriundos de Sua ira, depois que foste punido.
 
A décima virtude é:
 
"Dê a verdade a Yaacov".
 
"Yaacov" é o nome é o nome relacionado àqueles que são os de nível médio do povo de Israel. Eles se comportam de acordo com as leis da Torá, mas não se comportam além do que o determinado pela lei.
 
D’us sente pena deles e os corrige de acordo com os padrões rígidos da justiça. A forma que uma pessoa deve se comportar com seus amigos, é de sentir pena por eles e tente corrigir o caminho com amor.
 
A décima primeira virtude é:
 
"bondade para Avraham".
 
Há pessoas no povo de Israel que se comportam em suas ações mais do que o determinado pela lei, como nosso patriarca Avraham fez. D’us trata-os de acordo com a "medida por medida" mais do que o determinado pela lei. "Hesed Le Avraham" significa Todo-poderoso se comporta com caridade com os que se comportam segundo o ensinado e transmitido por "Avraham Avinu".
 
Uma pessoa deve tratar todas as pessoas com justiça e honestidade. Ser paciente com eles, sentir pena deles, como eles e considerá-los de acordo com seu nível. Quando uma pessoa se comporta com seu companheiro com misericórdia e piedade sempre julgando-o pelo bom lado, deste modo, mesmo que a pessoa tenha atos e virtudes que por eles deve receber punição severa, de qualquer modo o comportamento misericordioso faz com que Hashem se comporte com ele do mesmo modo.
 
A décima segunda virtude é:
 
"que jurou aos nossos antepassados".
 
Todo-poderoso tem um tesouro a partir do qual fornece um presente gratuito, mesmo as pessoas que não o merecem. D’us jurou a nossos pais para beneficiar seus descendentes. O povo de Israel tem o mérito dos pais, em virtude do qual D'us tem misericórdia das gerações dos filhos, mesmo que eles próprios não sejam dignos.
 
Assim, o homem se comportará com os pecadores. Mesmo que os perversos não tem méritos oriundos de seus atos, para que tenhamos misericórdia por eles, seus ancestrais eram legítimos e honestos, a tal ponto de que eles tem o mérito de seus ancestrais.
 
A décima terceira virtude é:
 
"tempos antigos".
 
Quando o povo de Israel não tem direitos em virtude de suas ações e termina com os  direitos dos méritos de seus ancestrais, o Todo-Poderoso usa um pouco de "tempos antigos", que inclui todas as virtudes.
 
Hashem, lembra dos dias dos antigos, as primeiras gerações que amaram e os preceitos cumpridos pelo povo de Israel no início de suas vidas, e como se diz: "Lembro-me de sua bondade de sua juventude, o amor da noite de núpcias" (Yirmeyahu 2:2). Baseando-se nesta virtude, Deus tem misericórdia pelo povo de Israel, mesmo quando os direitos de todas as outras virtudes acabaram.
 
Assim, é apropriado que o homem tenha misericórdia sobre as pessoas e reze pelo seu bem-estar, mesmo que não sejam dignos. Ele deve lembrar os favores que eles fizeram em sua pequenez e sua graça dos tempos antigos.