Mais lidos

Parashat Ekev

Tefila - trabalho do coração

"D'us sempre ouve nossas orações, Udi. Sempre sempre! Mesmo se não achamos que ele faz, ele aceita todos e os pega..."

Tefila - A possibilidade de proximidade com a Presença Divina
Está escrito na Parashat Ekev (Devarim 11:13): "... e serví-Lo com todos seus corações". O Talmud (Taanit 2a) explica, que o serviço feito no com o coração, é a Tefilá (oração).
 
A importância da tefilá deriva do fato de que é um certo substituto para o serviço sacrificial não existente após a destruição dos dois Beit Hamikdash. Shimon HaTzadik ensina na Mishná (Pirkei Avot 1: 2): "Em três pilares o mundo se apoia: sobre a Torá, sobre o serviço (dos sacrifícios) e sobre a benevolência. Após a destruição dos dois Beit Hamikdash, a tefilá substitui o pilar do serviço (dos sacrifícios).
 
Todo yehudi é solicitado a cumprir todos os preceitos da Torá com intenção integral de seu coração. Porém em relação a tefilá, esta solicitação é mais concentrada. Nossos sábios de abençoada memória enfatizaram que a tefilá sem intenção do coração, é considerado como um corpo sem alma. Pois diferente dos outros preceitos, toda a essência da tefilá é a intenção de coração posta na tefilá, contrário dos outros preceitos, que existe o ato técnico de cumprimento do preceito, e externamente exuste a intenção de coração para cumprí-lo.
 
A possibilidade de proximidade com a Presença Divina, que ocorreu enquanto o Beit Hamikdash estava construído através dos sacrifícios, ainda está aberta para nós hoje através da tefilá. Quando uma pessoa se dirige à tefilá com a preparação apropriada, é uma das maneiras mais maravilhosas se não a mais maravilhosa de estar perto de D'us.
 
D'us não apenas preparou uma possibilidade para nos aproximarmos Dele, mas Ele também emergiu em nossas almas um anseio por proximidade.
 
O propósito da tefilá, é de aproximar o homem de D'us. Embora grande parte do texto da tefilá são pedidos particulares para uma vida mais tranquila e sossegada, de qualquer modo, os pedidos são somente um meio de aproximação ao Todo Poderoso, para que saibamos que somente Ele pode nos conceder o que necessitamos, e com isso cada vez mais nos aproximamos Dele.
 
Além disso, a ilusão de que o mundo é estável, permanente e independente é criada pelo fato de que o mundo deste momento em nossas vidas não é muito diferente do mundo que existiu um momento antes. As mudanças que encontramos também podem ser incluídas no contexto de uma "lei", uma lei que também dá uma medida de permanência às mudanças. Desta forma, estamos alheios à constante renovação do mundo todos os dias e ao absoluto fato que o mundo é totalmente dependente de D'us.
 
O pedido de proximidade a D'us, está profundamente enraizado nas profundezas da alma humana. D'us, colocou dentro do ser-humano, uma alma oriunda do seu Trono da Glória. Nesta alma está inserida a grande vontade e ânsia de estar próximo de D'us. Esta vontade e ânsia, são expressas na Tefilá.
 
A tefilá tem diferentes graus:
 
Há aqueles que anseiam por uma tefilá selada e trancada dentro de seu coração, até que ele próprio está quase inconsciente disso. Apenas em tempos de aflição este anseio se rompe.
 
Mesmo que em tempos de aflição a tefilá tem um valor muito importante mesmo não sendo pronunciada com toda a intenção do coração, de qualquer modo esta tefilá é incomparável à tefilá daqueles que se dedicam de todo coração em todas suas tefilot, mais ainda em momento de aflição. O "serviço no coração" tem plena expressão quando a pessoa está com tranquilidade na mente e ao preparar seu coração para a tefilá.
 
O núcleo da tefilá oração encontrado nas câmaras do coração pode se desenvolver e expandir até englobar toda a personalidade. O conceito de " serviço no coração" inclui todos os tipos de tefilot, incluso aquelas que se concentram na busca das necessidades humanas. Mesmo quando uma pessoa pergunta ao seu Criador pelas necessidades de seu corpo, sua saúde e sua subsistência, essa oração é uma linguagem de expressão do coração que busca a proximidade de sua conexão.
 
Visto que a essência da oração é o pedido da proximidade de D'us, exige que a pessoa sinta dependência absoluta Dele. Portanto, os pedidos de meios materiais, expressam também a dependência total Dele. Enquanto a pessoa não sucumbir ao seu Criador, seu apego a Ele não pode ser perfeito. Conforme a rendição aumenta, crescerá com a ânsia na proximidade da Presença Divina.
 
Quando uma pessoa se dirige das profundezas de seu coração a D'us, pode ter plena certeza que seu pedido será ouvido e que está se aproximando Dele.
 
Conto sobre a potência da tefilá
 
A paisagem passa a uma velocidade vertiginosa. Udi se senta à janela e olha para fora. Ele tem calças azuis e uma camisa branca. Seu cabelo é cuidadosamente penteado, com uma kipá de veludo bordada com o seu nome. Uma pequena mochila no banco ao lado dele. Dentro da mochila, há um pijama e algumas roupas e talvez um livro ou dois ele retorna para a sua avó.
 
Eu me sento dois lugares atrás dele. O carrão está relativamente vazio e é bastante tarde na sexta-feira.
 
O trem de Tel Aviv para Haifa faz o seu caminho rapidamente. Eu olho para o relógio na palma da minha mão e então me levanto e ando devagar, meu coração um pouco preocupado com Udi. Ele sente minha sombra e vira a cabeça pela janela. Eu sinalizo para ele que quero me sentar. No seu rosto vejo um olhar de incompreensão.
 
Ele está certo.
 
Há tantos lugares livres no carrão, por que escolho o lugar ao lado dele, onde a mochila dele está lá?
 
Por ser um bom menino, ele pega a mochila, e coloca-a sobre seu joelho
 
"Você me conhece?" Eu pergunto.
 
Ele olha para mim como se eu tivesse caído sobre ele de outro mundo. Toda a situação é estranha para ele, e a verdade é que mesmo aos meus olhos ...
 
Udi não responde. Ele é um garoto bem-comportado que não fala com estranhos.
 
"Meu nome é Michael", continuo. Mas ele apenas olha para mim em silêncio e abraça sua mochila com mais força. Eu tiro a câmera e folheio as fotos rapidamente. Então ele parou. Udi olha para as minhas ações e quando ele vê a imagem eu lentamente amplio, ele abre a boca e seus olhos olham maravilhados.
 
"É você, não é?" Eu pergunto e aponto para uma das crianças brincando no parque verde da foto. Sua cabeça moveu-se lentamente para cima e para baixo em um movimento aparentemente irracional, porque em um segundo ele já estava se controlando e olhando para a janela.
 
A verdade é que fiquei um pouco surpreso. As crianças são pessoas curiosas e com todo o respeito pela melhor educação que os pais podem lhes dar, a pergunta óbvia aqui deveria ter sido há muito tempo: o que nossa foto de família está fazendo na câmera de um estranho?
 
Eu tento pensar logicamente sobre como esse garotinho consegue controlar a si mesmo e sua curiosidade. Durante meus pensamentos, descobri que ele se levantou e está procurando outro lugar.
 
Eu entendo ele.
 
Em vez disso, teria feito o mesmo. É assustador sentar ao lado de um estranho que começa a fazer perguntas e a mostrar fotos de si mesmo. Receio que ele fuja de mim e, apesar de toda a emoção que pulsa dentro de mim, eu rapidamente disse: "Eu sou Michael, filho de Ziva".
 
Udi vira para mim surpreso e volta. "Você ... é você ...?" Ele pergunta incrédulo. "Sim, eu, eu e nenhum outro." Eu respondo com um sorriso.
 
Udi se senta ao meu lado e pega um sidur, abre na Tefilat Amida e me mostra um pequeno bilhete anexada à bênção de Refaênu (a bênção da cura), " Michael Chaim Ben Ziva" está escrito lá. Ele fecha o sidur de volta e coloca em sua mochila.
 
Eu sinto que é hora de eu abrir a boca: "Cerca de um mês atrás eu tive alta do hospital, e desde então eu tenho estado ocupado procurando por um garotinho fofo que veio ver seu avô no hospital, você sabe que ele é chamado Udi, Ele disse ao seu avô algumas frases, frases que não saem da minha cabeça e eu me lembro delas palavra por palavra: "Vovô, o professor nos disse hoje que todo mundo que reza no seu amigo é atendido primeiro. Talvez vovô, você reze por ele para que você tenha pronta cura? Não ouvi o que o avô respondeu, mas ouvi a resposta de Udi: "Hoje, vi no jornal um pedido de oração por um homem doente, Eu já copiei para o sidur e até pedi a alguns amigos que orassem por isso. Você quer que eu te traga uma nota com o nome dele? Seu nome é Michael Haim Ben Ziva. "Então, atrás da cortina, ouvi o farfalhar de páginas e uma caneta que ele estava escrevendo.
 
É isso. Alguns minutos depois, Udi saiu.
 
Eu não o vi naquele dia, mas uma semana depois ele veio visitar seu avô novamente. "Vovô", ele disse, "você sabe que desde que vim aqui, tenho rezado todos os dias por você e por Michael, até mesmo escrevi os nomes de vocês em todas as salas de aula da escola e todos os dias rezamos por vocês dois.
 
E como antes, Udi saiu depois de alguns minutos. Desta vez, eu o vi por um segundo, assim que ele saiu do quarto, um médico entrou e puxou minha cortina. O que eu vi foi um garotinho, talvez dez, mas com um olhar determinado. Havia uma centelha de esperança e fé neles. De conhecimento absoluto que ele está fazendo a coisa certa e o melhor. Havia um desejo real neles que tanto o avô quanto o desconhecido Michael logo se recuperassem.
 
E é isso, já que Udi nunca mais voltou a ver seu avô. Naquela noite, a situação havia se piorado e não havia motivo para a pequena Udi chegar.
 
Mas naquele dia, no entanto, houve uma mudança em mim, o sentimento melhorou e gradualmente comecei a me recuperar. A doença que há muito tempo estava alojada no meu corpo desapareceu e, depois de muito tempo, recuperei-me e encontrei-me fora do hospital.
 
Em vez de ir para casa, comecei a procurar por Udi. Eu conhecia o nome de seu avô, mas não sabia como seu neto especial era chamado. Eu procurei vigorosamente e descobri que ele tinha muitos netos espalhados por todo o país. Não tive tempo de reunir detalhes sobre seus netos e perambulei pelas áreas residenciais, nos playgrounds e nas ruas. Num dia de repente ouvi uma voz familiar atrás de mim: " Na segunda-feira, acontecerá um encontro familiar com todos os primos do lado da minha mãe, no parque ganei yehoshua. Meu pai estará impossibilitado de vir por esta nos primeiros trinta dias de luto sobre meu avô". Voltei rapidamente, mas o garotinho já estava andando de bicicleta pela rua. Eu senti que estava me movendo na direção certa.
 
Na segunda-feira, apareci em ganei yehoshua. Cheguei lá às oito da manhã, sem saber a que horas haviam marcado. Andei por todo o parque e apenas às quatro da tarde, descobri um rosto familiar.
 
"Eu queria correr para ele. Mas ele era o centro de um monte de primos e uma grande família ao redor.
 
Sentei-me num banco e assisti-los de longe. Eu esperei o momento certo melhor. Nesse meio tempo, eu decidi fotografar o garoto que por seu mérito estou vivo. Sorte minha que tive esta ideia de tirar a foto. Naquele dia, já não pude mais falar com ele, por estar envolvido com seus primos e mais familiares. Porém consegui uma foto dele, para que talvez quem saiba, encontre-o um dia na rua.
 
Desde o dia em que a foto foi tirada, não passou um dia sem que eu abrisse a câmera para ver a foto de Udi, por mais uma vez, sempre com esperança de encontrá-lo em certo dia.
 
Ontem eu andei pelo jardim ao lado de sua casa novamente, fiquei com um amigo e disse-lhe com entusiasmo que escutei que você estava indo para visitar sua avó em Haifa. Você também disse que sairia mais cedo da escola, para ajudá-la em certos assuntos em casa. Sabendo que estaria no mesmo trem que você para Haifa, fiquei feliz e entusiasmado, pois finalmente teria a oportunidade de conhecê-lo.
 
E você vê, Udi, eu estou aqui ao seu lado, Michael Chaim Ben Ziva, que nem sei como agradecer a você e a seus colegas da escola que rezaram por mim. Eu sinto que estou vivo, são e salvo graças às suas preciosas orações e aos seus colegas! "
 
Sinto algumas lágrimas escorrendo em minhas bochechas e os olhos de Udi brilham com um brilho suspeito. Ele abre a mochila e me entrega seu lenço e depois me abraça. "Estou tão feliz!" Ele sussurra.
 
A janela à sua direita não lhe interessa mais e ele olha apenas para mim, olhando para mim incrédulo. "Michael ..." ele murmura como se fosse algum tipo de palavra mágica. "Sim, suas orações ajudaram", eu digo.
 
Então um olhar doloroso passa por seus olhos. "Não, eles não ajudaram completamente, pois meu avô faleceu", diz ele em uma voz triste. Claro que eu também queria você, mas fiz tudo por causa do meu avô, e no final você se recuperou e o avô não!
 
Eu acaricio gentilmente. Seus ombros estão um pouco trêmulos e ele está agitado.
 
"D'us sempre ouve nossas orações, Udi. Sempre sempre! Mesmo se não achamos que ele faz, ele aceita todos e os pega. Nós não sabemos as contas celestiais, mas pode ser que por causa de suas orações para seu avô, ele sentiu menos dor, ele sofreu menos do que deveria sofrer, e pode ser que graças a suas tefilot ele ficou mais alguns dias de vida. Nós não sabemos. Mas o que eu sei é que seu avô tem muita satisfação com você! Udi engole cada palavra ansiosamente, e o tremor dos ombros relaxa e ele começa a respirar calmamente e não tão descontroladamente quanto antes.