Cabala e Zohar - Rabi Shimon Bar Yochai - Lag BaOmer
Mais lidos

Espiritualidade

Rabi Shimon Bar Yochai -Lag BaOmer

Seu nascimento é contado no livro Nachlat Avot, que seu pai Yohai era oriundo da tribo de Yehudá, e foi um dos grandes rabinos da geração, rico, digno e próximo do reino. A esposa de Yochai, Sarah, era uma das descendentes de Hillel hazaken.

Rabi Shimon Bar Yochai - Lag Baomer
Seu nascimento
O Tana, Rabi Shimon bar Yochai, nasceu cerca de cinquenta anos após a destruição do segundo templo. Ele nasceu em Shavuot, o dia da outorga da Torá.
Seu nascimento é contado no livro Nachlat Avot, que seu pai Yohai era oriundo da tribo de Yehudá, e foi um dos grandes rabinos da geração, rico, digno e próximo do reino. A esposa de Yochai, Sarah, era uma das descendentes de Hillel hazaken.
Sarah era estéril. Ela jejuou e rezou diversas vezes, deu caridade e rezou com grandes lágrimas diante de D'us com coração partido, para que tenha descendentes. E D'us ouviu a voz de sua oração.
Era a noite de Rosh Hashaná, quando Yochai viu em seu sonho, e lá estava ele em uma grande floresta com centenas e milhares de árvores, algumas delas frescas e com frutos, algumas secas. E ele, Yochai, encostou-se a uma árvore seca. Yochai olhou para cima e viu um homem com uma aparência muito respeitosa, carregando uma jarra de água em seus ombros. O homem atravessou a floresta e regou algumas das árvores secas. Passou pelas outras árvores e as deixou que continuassem secas, ​​e não as regou. Quando chegou à árvore onde Yochai se apoiava, tirou um pequeno pires cheio de água fresca e regou a árvore. Yochai notou que a água tinha sido abençoada de tal modo que tinha cobrido toda a árvore. A árvore imediatamente deu frutos e ficou muito grande. Yochai ficou muito satisfeito com a visão que ele havia visto em seu sonho, e seu sono veio de alegria, com o versículo (Tehilim 113:9): "... a mãe dos filhos está contente...".
Contou o seu sonho a sua esposa e lhe disse: "Eu sonhei, e sua solução na minha opinião é simples: a floresta é o mundo, e as árvores são as mulheres. Parte delas são "frutíferas" e parte não. Em Rosh Hashaná, diversas mulheres inférteis, foram premiadas com "frutos dentro de seu ventre". Você é a árvore onde eu estava me apoiando, e esta árvore foi regada da fonte da bênção, para que você dê à luz a filhos justos e sábios. Mas uma coisa me resta a entender: por que todas as árvores foram regadas por uma jarra, enquanto nossa árvore foi regada por uma tigela?
Sarah disse a ele: "Sua surpresa é espanto". Bem, deixe-me aconselhar com Rabi Akiva, fala sobre o sonho e ele nos contará sua solução. Seu marido Yochai disse a ela: "Que bom!" Vamos juntos e contar-lhe o sonho, e ele, nos dirá sua solução.
No final de Rosh Hashaná, os dois foram juntos para encontrar com Rabi Akiva. Yochai contou-lhe o seu sonho e, de fato, Rabi Akiva solucionou-o como solucionou Yochai. E também informou-o da razão pela qual a mesma árvore havia sido regada por uma tigela. E assim ele disse-lhe: Yochai, seu sonho é uma parábola das mulheres que dão à luz e da esterilidade, e sua esposa Sarah é da esterilidade. E foram apenas suas orações de sua esposa e suas lágrimas que derramou diante de D'us, que lhe renderam e se tornaram uma mulher frutífera. A tigela vista por ti, é uma tigela com as lágrimas é coletadas das rezas de sua esposa. D'us lhes concedeu um menino que iluminará o povo de Israel com sua sabedoria e com seus atos
Yochai e sua esposa se alegraram muito com as palavras de Rabi Akiva e foram para sua casa em paz. Ela deu à luz um filho no dia de Shavuot, o dia em que a Torá foi dada a Israel. A casa enchia-se de luz da glória e do esplendor que o envolvia, e todos os seus conhecidos reconheciam que esta criança lançaria uma grande luz sobre o povo de Israel. Seus pais ficaram felizes, distribuindo caridade e fazendo um grande banquete no dia da circuncisão, chamando-o de Shimon. Pois Shimon é oriundo da palavra Shamá (escutar), em homenagem a que D'us escutou as preces para que tenha seus próprios filhos.
Daquele dia em diante, eles deram seus olhos a ele para protegê-lo da impureza e criá-lo em santidade e pureza. Quando ele começou a falar, ele só estava acostumado a coisas sagradas. Quando ele tinha cinco anos de idade, ele foi entregue à casa de estudos dirigida por Raban Gamliel colocou em Jerusalém, e ele, Rabi Shimon, tornou-se como uma fonte que sempre está gerindo águas. E assim ele foi crescendo na Torá até crescer muito.
Ele era o genro do Tana Rabi Pinchas ben Yair. Ele faleceu em Lag Ba Omer, no ano 3920 do calendário judaico (160 D.C), há 1858 anos atrás.
Transmissão da Torá
Rabi Akiva tinha vinte e quatro mil estudantes, e que todos eles morreram. Apenas cinco estudantes do sul de Israel foram seus seguidores, após o falecimento de seus 24000 discípulos, entre eles o Rabi Shimon. Rabi Akiva, era um homem de idade na época que seus alunos morreram, e estes cinco foram os únicos que expandiram a Torá ao povo.
Rabi Shimon fortalecia e aumentava as fronteiras da Torá na terra de Israel. Após o falecimento de Rabi Akiva, Rabi Shimon abriu uma yeshiva na cidade de Tekoa, na Galiléia. Eles eram a quarta geração após a destruição do Segundo Templo.
A perseguição e a fuga para a caverna
Os romanos decretaram severos decretos contra os judeus para abandonem sua religião. O principal objetivo dos romanos, era aniquilar espiritualmente o povo. Rabi Shimon bar Yochai por continuar a expandir a Torá, foi perseguido por eles e sentenciado à morte.
Quando Rabi Shimon teve conhecimento deste decreto, fugiu com seu filho Rabi Elazar, e esconderam-se no beit midrash. Todos os dias a esposa de Rabi Shimon lhes trazia alimentos e outras necessidades.
À medida que a busca se intensificou, Rabi Shimon e seu filho deixaram o Beit Midrash e se esconderam em uma caverna perto de Peki'in. D'us fez um milagre para eles e perto da caverna onde eles se esconderam, uma fonte de água foi aberta e uma alfarrobeira cresceu.
Eles ficaram sentados na caverna por doze anos, quando ninguém sabia onde eles estavam se escondendo. Eliahu hanavi, veio a eles duas vezes por dia, para estudar com eles. Ao mesmo tempo, Rabi Shimon chegou a degraus elevados, de diversas camadas da Torá.
Certo dia, Rabi Yossi se levantou de manhã e viu uma pomba voando. Ele imediatamente levantou-se e disse: " pomba, pomba você é confiável a cumprir sua missão, desde os dias do dilúvio...faça um favor e cumpra uma missão para Rabi Shimon Bar Yochai, no lugar que está".
A pomba desceu e ficou à frente de Rabi Yossi. Ele escreveu um bilhete para que a pomba levasse até Rabi Shimon. Rabi Shimon viu o bilhete e chorou, e assim ele disse: "Eu choro porque me separei de meus amigos e choro por coisas que não foram reveladas a eles".
À noite, Rabi Shimon escreveu um bilhete e colocou-o na boca da pomba. Esta voou e chegou a Rabi Yossi, que ainda estava em seu lugar, esperando por uma resposta. Quando ele a viu, ele disse: " pomba, pomba você é a ave mais confiável de todas as aves!" Rabi Yossi pegou o bilhete e mostrou a seus amigos, que ficaram contentíssimos com esta notícia.
Ao passarem doze anos, o imperador romano morreu e o decreto de morte Rabi Shimon foi cancelado. No entanto, não havia ninguém para informar Rabi Shimon bar Yochai. Eliahu Hanavi estava na entrada da caverna e disse: "Quem dirá a Bar Yochai que o rei morreu e seus decretos foram anulados?" Rabino Shimon e seu filho ouviram isso e saíram da caverna.
Ao saírem da caverna, viram pessoas arando e semeando seus campos. Rabi Shimon ficou surpreso com as pessoas que se comportam deste modo, e disse: "Como essas pessoas deixam a vida eterna (estudo da Torá) e lidam com a vida mundana?" Todo lugar que eles olhavam, imediatamente as pessoas eram queimadas (não que ele as queimou fisicamente, mas com seu olhar profundo e a decepção por estas pessoas que estavam "perdendo tempo", seu olhar queimou-as espiritualmente). Repentinamente,saiu uma voz celestial dizendo: "Você saiu da caverna para destruir meu mundo? Volte para sua caverna!"
O Rabi Shimon e seu filho retornaram à caverna e ficaram ali por mais um ano. Rabi Shimon respondeu e disse: "Nós já fomos punidos, porque até o julgamento dos ímpios no inferno não é maior que doze meses". Em seguida, uma voz celestial saiu e disse: "Saiam da sua caverna!"
Rabi Shimon e seu filho estavam fracos e fisicamente machucados pela permanência prolongada na caverna. Rabi Pinchas ben Yair, sogro de Rabi Shimon, ouviu que seu genro e seu neto saíram da caverna, foi cumprimentá-los e os trouxe a Tiberias para que se banhassem nas águas medicinais desta cidade. Ao trazê-los às casas de banho e ao lavar seus corpos, Rabi Pinchas notou que o corpo inteiro estava cheio de rachaduras e feridas, ele começou a chorar de sua tristeza, e suas lágrimas caíram sobre as feridas do Rabi Shimon e o feriram muito. O Rabi Pinchas disse: " triste sou eu que te vi ferido e machucado!"
Rabi Shimon respondeu-lhe: " louvado é você que me vistes assim, pois caso você não tivesse me visto, você não teria encontrado tanta Torá em mim!"
Seu falecimento
Todo aquele dia Rabi Shimon bar Yochai estava ensinando os profundos segredos da Torá. O sol já estava saindo, e Rabi Shimon disse: "Bendito seja Ele e abençoado seja o Nome de D'us, abençoado seja Ele, para todo o sempre. Todas Suas palavras são agradavéis e todos os mandamentos são sagrados, dos quais não devemos nos desviar à direita e à esquerda. Todos eles eram segredos que até agora estavam escondidos e desaparecidos, porque eu tinha medo de revelá-los, apartir de agora eles serão revelados. É claro para o D'us, que eu não revelo isso para enaltecer minha honra e a honra de meu, mas sim para orientar meus discípulos. Vejo que D'us concorda comigo e se alegra em minha alegria ".
Ele ficou mais forte e sentou-se, e seus lábios estavam cheios de oração, e era impossível olhar em seu lugar por causa da iluminação que estava em sua volta, e certamente ele não podia ser olhado. Ele disse: "Toda a minha vida tenho procurado revelar este mistério, e não consegui, mas agora me foi dada permissão. Eu decreto que o sol não saia e que o dia fique claro, até que eu termine de revelar todos os segredos.
Em todo momento que os segredos estavam sendo revelados, um fogo celestial envolvia seus alunos.
Assim que terminou de revelar os segredos das profundidades da Torá, a alma de Rabi Shimon desconectou-se de seu corpo, subindo a seu honrado lugar no jardim do éden.
Todos seus discípulos escutaram uma voz celestial afirmando: " subam e venham e se juntem na hilula (celebração de falecimento) de Rabi Shimon Bar Yochai.