Am israel chai
Mais lidos

Cultura e Sociedade

O significado de "Am Israel Chai"!

EM HOMENAGEM AOS 70 ANOS DO ESTADO DE ISRAEL: ...Depois de trinta anos, a votação na Assembleia Geral da O.N.U para o estabelecimento do Estado de Israel obteve a maioria, mesmo que três dias antes da votação a maioria estava contra. Nesses três dias houve uma reviravolta, os países da América do Sul, que a maioria deles eram contra, votaram a favor! Incrivelmente mesmo Stalin, que perseguia os judeus e odiava o sionismo perversamente, votou a favor da resolução, juntamente com o bloco comunista. 

18.04.18 | 04:11
O estado de Israel - 70 anos Am Israel chai
Após a primeira guerra mundial, quando houve uma necessidade internacional de encontrar uma solução para os restos do Império Otomano, todos os povos que estavam conquistados por esse império, receberam de volta suas terras originais. Não havia dúvida a quem pertencia o Egito, a Pérsia, a Síria e o Iraque. A Palestina não pertencia a ninguém. Os Britânicos e Franceses, vencedores da guerra, traçaram uma latitude imaginária ao longo do rio Litani. A parte norte ficou com os Franceses e a parte norte com os Britânicos, como um mandato. Não havia nenhuma entidade palestina à qual a Palestina pertencia.
Depois de trinta anos, a votação na Assembleia Geral da O.N.U para o estabelecimento do Estado de Israel obteve a maioria, mesmo que três dias antes da votação a maioria estava contra. Nesses três dias houve uma reviravolta, os países da América do Sul, que a maioria deles eram contra, votaram a favor! Incrivelmente mesmo Stalin, que perseguia os judeus e odiava o sionismo perversamente, votou a favor da resolução, juntamente com o bloco comunista. 
O equilíbrio de poder na Guerra da Independência era ridículo. Era uma comparação entre a batalha de David Hamelech contra Golias o Filisteu. Os exércitos árabes possuíam 150 canhões, enquanto o exército de Israel possuía somente 5. Eles possuíam 32 aviões de guerra, enquanto o exército de Israel possuía somente 2. Eles possuíam 200 tanques, enquanto o exército de Israel nem se quer um tanque possuía...
Não é de admirar que Azzam Pasha, o secretário da Liga Árabe, disse em 15 de maio de 1948, no meio da batalha: "Esta será uma guerra de extermínio, comparável multi-dimensional ao massacre da Mongólia e destruição perpetrada pelos cruzados." 
Nestas terríveis e horríveis condições, como pode ser que uma população de menos de 700 mil pessoas, recém saídos do holocausto, derrotaram seis unidas nações árabes ...
De acordo com toda a lógica, todos os acontecimentos da guerra da independência, eram impossíveis de acontecer. A primeira etapa de existência neste país, foi puramente por milagres. 
Em 30 de maio de 1967, os árabes se uniram contra Israel. Acordos militares secretos foram assinados, no mesmo dia, Nasser declarou: "exércitos do Egito, Síria, Jordânia e Líbano devem acampar aos redores das fronteiras de Israel Atrás deles estava toda a nação árabe, especialmente "nossos amigos": argelinos, sudaneses, iraquianos, kuwaitianos e sauditas.".
Seu objetivo declarado era lançar os judeus no mar. A escala do exército egípcio era assustadora. O melhor armamento soviético que entre outros incluía destróieres, submarinos, caça-minas e torpedeiros estavam nas mãos do exército egípcio. Em 17 de maio, Nasser exigiu a evacuação das tropas da O.N.U do Sinai e de Gaza. Em 22 de maio, a evacuação foi concluída, e Nasser colocou 130 mil soldados em sete divisões na fronteira de Israel, parte destas divisões eram blindadas.
Neste mesmo dia, Nasser fechou o Estreito de Tiran, fechando assim a fonte de combustível do país. Todo o petróleo de Israel vinha do Irã através do Golfo Pérsico e o Golfo de Aqaba. Isto significa que não há combustível, para nenhuma empresa de energia e da indústria. Esta é uma declaração de guerra não pode haver mais clareza.
O presidente francês Charles de Gaulle declarou um embargo a todas as partes em conflito. Todas as nossas armas eram franceses, enquanto as armas dos árabes eram soviéticas e checas, de modo que este anúncio afetou somente o exército de Israel. 50 aviões mirage que foram pagos, não foram fornecidos. Os barcos de mísseis famosos foram detidos em Estrasburgo por quase dois anos, até que foram sequestrados pela marinha israelense em uma operação ousada. À véspera da guerra o exército de Israel estava sem combustível reserva para seus aviões. As relações com os Estados Unidos estavam frias, e os países africanos e do bloco comunista cortaram o relacionamento com Israel.
Naqueles dias, na maioria das casas e pátios foram cavados poços profundos e largos, para servir como cemitério público. Estimou-se que dezenas de milhares seriam mortos.
Em 28 de maio, o primeiro-ministro fez um discurso, que supostamente deveria levantar o moral nacional, mas, infelizmente, ele começou a gaguejar. As pessoas que ouviram este discurso, sentiram que o gueto não foi abandonado na Europa, e sim veio atrás deles e sentiram que não tinham para onde ir.
Em 5 de junho, pela manhã, em uma operação coordenada com precisão, às 7h45, centenas de aviões da IAF decolaram para missões de bombardeio e interceptação no Egito, Jordânia, Síria, Líbano e Iraque. Foi uma aposta enorme. Se os aviões tivessem sido descobertos e danificados, a magnitude do desastre não pode ser presumida, porque o Estado de Israel teria permanecido sem guarda-chuva aéreo!
Todos os radares fabricados pela União Soviética foram manipulados pelos russos, e nestas condições era um jogo perigoso. Na verdade, o êxito da força aérea foram além das expectativas e além da imaginação. Dentro de 3 horas destruíram o principal quadro das forças aéreas do Egito e da Síria, 350 aviões foram danificados. Mesmo as pistas foram destruídas, de modo que a aeronave que decolou não teve onde pousar. Com isto foi conseguida a integral superioridade aérea, e a liberdade foi criada para as forças terrestres, fato que  decidiu a guerra.
Do Egito foram destruídos 69 bombardeiros, 185 aviões de combate e 32 helicópteros e aviões de transporte. A Jordânia perdeu 20 aviões, a Síria 52 e o Iraque 9, e tudo isso em um período muito curto de tempo.
No discurso de 28 de junho, o chefe do gabinete militar deu um discurso para a nação, e assim disse: "os pilotos atingiram os aviões inimigos com tal precisão que ninguém no mundo entende o que aconteceu.
Em seu discurso, ele enfatizou a força espiritual e disse:
" Fontes de sentimentos e descoberta espiritual estavam entre os para-quedistas que conquistaram o Muro das Lamentações. Eles se apoiaram no muro e choraram. A revelação espiritual desta hora, não tem precedentes na história das nações ... foram poucos contra muitos, contra os inimigos que segundo o poder humano é difícil e quase impossível vencê-los. Apenas o poder espiritual foi o que nos concedeu a força para poder continuar e vencer!".
Nasser, o presidente do Egito, disse:
"É inconcebível que a força aérea de Israel agiu sozinha, quando saíram para atingir 19 aeroportos, ao mesmo tempo. Havia grandes forças três vezes maiores que a potência da força aérea israelense, que operam na área. Inglaterra e os Estados Unidos lutaram ao lado dos israelenses!"
Nasser estava certo sobre uma coisa que o exército israelense não agiu sozinho ... Aquele que nos ajudou não foram os americanos, os franceses ou os ingleses, foi o mesmo parceiro que prometeu nos ajudar. O mesmo aliado que nos ajudou ao longo dos anos de exílio desde a entrega da Torá. Ele ajudou ao exército de Israel, para exclamar que Ele domina o mundo e contra todas as lógicas possíveis e imagináveis, faz o que quer.
Depois da guerra havia uma atmosfera eufórica, que a Torá (Devarim 5:17-18) adverte contra ela: "E você disse em seu coração, a minha força e a potência de minha mão fizeram esta riqueza E te lembrarás do Senhor teu D'us te dá esse poder para prosperar". Quando o jovem guerreiro que ganhou, acha que pode fazer sozinho, e esquece a principal "arma secreta", a ajuda Divina, a realidade lhe mostra quem domina e faz tudo.
O período citado acima, continuou até a Guerra do Yom Kippur.
Dois meses antes da guerra de Yom Kippur, um dos jornais mais populares da época entrevistou dois dos generais mais importantes da época. Um deles disse: " Israel está no ranking militar como França e Inglaterra. Não há alvo entre Bagdá e Khartoum, incluindo a Líbia, que o exército não pode conquistar". O outro general disse: " A primeira ministra tem as melhores linhas de defesa que poderiam possuir um rei ou um presidente na história do povo judeu. Esta "linha de defesa", caiu quase totalmente em 24 horas. Dois dias após o início da guerra, o ministro da defesa anunciou:" provavelmente acontecerá destruição do terceiro Templo ".
Em Yom Kipur, às 14 horas, a guerra estourou. Em um ataque coordenado entre os egípcios e os sírios, cinco divisões egípcias cruzaram o canal e lavaram as fortalezas em menos de uma hora. Três divisões sírias invadiram o centro das colinas de Golan.
Após Yom Kippur, um dos majores-generais disse em uma transmissão de rádio:
"Perante a nós, estão prontos 250000 soldados egípcios , 2000 tanques e 1500 canhões. Eles têm uma prioridade impressionante nós. No norte, os sírios concentraram 1400 tanques e 350 aviões." Depois da guerra, este general estimou que o equilíbrio de poder era de 1: 6 em favor dos egípcios. Na frente síria, ele nomeou um valor de 1:12 em favor dos sírios. "Um grande milagre aconteceu ao nosso povo que os egípcios e sírios foram detidos por sua própria iniciativa e se mantiveram uma certa linha, perdendo assim oportunidade de tempo. Eles agarram-se a uma linha estreita por uma semana ao longo do canal e se afastaram. Nós não temos nenhuma explicação para isso."
O comandante de uma divisão nas colinas de Golan na época, escreveu:
"Quatro vezes estávamos à beira da derrota durante a guerra. Os sírios estavam muito perto de romper a fronte. Apenas um triz separado da derrota para a vitória. Um punhado de tanquistas que lutaram com devoção nesta batalha, salvou o estado de Israel."
Este general, nem se quer mencionou que houve uma força espiritual que conduziu tudo, como foi citado anteriormente por outro general.
Em 12 de outubro, a rádio oficial do governo de Israel informou sobre o desgaste de 30% dos aviões e tanques, com artilharia, que durariam apenas para mais um dia de combate! Ao mesmo tempo, a primeira-ministra envia uma carta cheia de desespero para o presidente dos E.U.A. Este decide enviar armas para Israel. Os soviéticos anunciam que, se os americanos enviarem armas, enviarão soldados para defender os países árabes. De fato, uma divisão de pára-quedas no ar embarcou em aviões na direção do Oriente Médio. O presidente dos E.U.A não recuou, declarou um alerta nuclear e enviou-nos o comboio de armas.
No mesmo dia,  que o presidente dos E.U.A recebeu a carta da primeira ministra de Israel, ele recebeu uma outra carta dizendo que os países da OPEP anunciaram o início de um cartel, aumentando o do preço do petróleo. Esta carta discreto foi escondida por um dos generais americanos que amava Israel, e não a mostrou ao presidente. Especialistas dizem que, se o presidente soubesse desta carta, ele não enviaria o comboio de armas!
Em 14 de outubro, um enorme ataque egípcio começou para conquistar o Estreito de Mitla e Jedi. Participaram neste ataque, centenas de tanques com enorme poder de fogo. Os aviões da Força Aérea não estavam livres para operar na área por causa dos mísseis egípcios. Qualquer aeronave israelense que se aproximasse seria atingida por esses mísseis.
Um dos generais pediu permissão para atravessar o canal de Suez. O comandante desta região recusou. A divisão do primeiro general era a única que não foi esmagada nas batalhas, e, portanto, aparentemente o outro general não quis colocá-lo em risco, já que a frente sul dependia apenas dela. O primeiro general que era um militar "obediente", ordenou a seus soldados que o seguissem e atravessassem o canal ...
Durante 24 horas os egípcios não viram o que estava sendo feito. Uma ponte foi construída em que suprimentos e tropas foram repassadas. Quando os egípcios perceberam o que estava acontecendo, era tarde demais. Isso mudou a face da guerra.
A ponte que foi instalada excepcionalmente na noite de 16 de outubro, conseguiu atravessar forças a frente 50.000 soldados egípcios sob constante bombardeio. Batalhões blindados conseguiram transferir a guerra para o território inimigo, para o Egito.
Após a Guerra do Yom Kippur, as pessoas falaram de um milagre quando se referiram às maravilhosas combinações de casos
A maioria deles não deu um significado Divino a estes milagres, mas mesmo assim algo mudou na consciência coletiva do povo judeu. 
Sadam Hussein construiu um enorme império para si e declarou que queria destruir o Estado de Israel. Se ele tivesse organizado uma coligação contra o Estado de Israel, ninguém o teria impedido. Em 1991, ele decidiu conquistar o Kuwait, e uma coalizão foi formada contra ele, incluindo Egito e Arábia Saudita, bem como países ocidentais.
O presidente da época disse: "Este é um milagre, tivemos o mérito que nosso serviço foi feito por outros. O povo judeu experimentou milagres ao longo da história, desde o milagre do Mar Vermelho até hoje. Novamente tivemos o mérito de ver a suprema supervisão sobre nós".
O que queremos de modo geral? Um pequeno lugar para viver em paz e segurança, como um povo independente dentro de suas fronteiras.viemos para cá de nossa diáspora. Quase não há lugar no mundo que não esteja saturado de sangue judeu, não há lugar onde não haja choro nem suspiros de coração judaico. Mas mesmo assim esse pequeno pedido, o mundo não reconhece.
Nessa realidade, é difícil pensar em uma companhia de seguros disposta a garantir o povo judeu à luz dos riscos que desenvolvemos. Mas o fato é que as companhias de seguros estão subindo e caindo no mundo, os povos estão subindo e caindo, e Israel ainda está no mapa.
Temos o verdadeiro certificado de seguro cuja validade não expirou, um certificado de seguro assinado pelo Criador do Universo. Esta pólice foi traduzida para quase todas as línguas do mundo e é encontrada em quase todos os lares. O documento inclui a história do povo judeu e uma parte que prevê o futuro da nação, cumprindo as regras determinadas pela nossa Torá.
Nossos inimigos estão fortalecendo, armando e aperfeiçoando suas armas. Mas sempre D'us nos olha e nos resguarda.
A pólice de seguro que recebemos não garante um jardim de rosas, mas é um pacto eterno com D'us.
Quando o povo de Israel cantar: "Am Yisrael Chai" não é apenas um slogan, isto significa que aqueles que sempre estão juntos com D'us, cumprindo seus preceitos e mantendo as leis da Torá, sempre viverão!"