A liderança do Faraó - Parashat Shemot

Parashat Shemot

O estilo de liderança do Faraó, encontra-se também na época moderna

Yossef disse ao Faraó que seus irmãos eram pastores, e como todo pastor era desprezado pelo Egito, eles tiveram que se afastar do olho atento dos Egípcios e sentar-se em um lugar onde eles seriam isolados. Yossef não conseguiu explicar a verdadeira razão para o Faraó, pois o Faraó nunca entenderá por que a intervenção social não é bem vista aos olhos de Yaacov, como uma introdução social de seus filhos na vida Egípcia.

Faraó Egito e judeus
No final da parashá Vaigash, quando Yaacov desceu ao Egito,  aceitou  este habitar na terra de Goshen, longe dos centros residenciais dos habitantes do Egito.
Yossef disse ao Faraó que seus irmãos eram pastores, e como todo pastor era desprezado pelo Egito, eles tiveram que se afastar do olho atento dos Egípcios e sentar-se em um lugar onde eles seriam isolados. Yossef não conseguiu explicar a verdadeira razão para o Faraó, pois o Faraó nunca entenderá por que a intervenção social não é bem vista aos olhos de Yaacov, como uma introdução social de seus filhos na vida Egípcia.
Logo após do falecimento de Yaacov e seus filhos, os jovens descendentes decidiram que a terra de Goshen era estreita, e talvez fosse hora de conhecer o belo país ao redor.
De repente, o país estava cheio dos descendentes de Yaacov. Eles estavam fartos da solidão que Yaacov os direcionou, e preferiram conhecer a cultura Egípcia. Eles procuraram uma maneira de derrubar as barreiras que os separavam do povo Egípcio - um ato que naturalmente une e aproxima os corações.
Porém, justamente naquele época, o ódio egípcio começou a se intensificar, um ódio anormal, que foi dito: "E ficaram fartos dos filhos de Israel " (Êxodo 1: 12). Deste modo,  nasceu a escravidão sobre o povo, para que eles não se misturem entre os gentios, - que sua memória desapareça da humanidade.
Este fenômeno é repetido em todas as gerações. Quando as barreiras são violadas e os judeus se aproximam dos gentios, os gentios constroem uma nova partição, às vezes dolorosa.
Em Berlim e Frankfurt, também, quando os jovens empurraram os anciãos para longe de suas mesas, a calamidade não chegou muito tarde na forma de um novo sistema que exigia o extermínio de todos os judeus. Enquanto no exílio Egípcio, pelo menos a tribo de Levi, que recebeu uma isenção de trabalho duro, ficou descansada. Na Alemanha, não houve nenhuma pessoa que tenha recebido qualquer isenção ou direito.  
Voltemos ao Egito. É impossível se levantar e revirar em um dia claro, sem nenhuma razão, contra um grupo minoritário pequeno, pacífico e inofensivo, no caso o povo Judeu no Egito.
Para massacrar este grupo, deve primeiro ser declarado ser um grupo nocivo e traiçoeiro. Isso pode ser feito através da incitação e da formação da opinião pública. Mas não é fácil mudar a consciência das massas de uma só vez.
Na consciência histórica Egípcia, o nome de Yossef está gravado à medida que a nação lhe deve a vida, pois sem sua sabedoria e administração perfeita nos anos da abundância, a fome derrotaria o Egito. Porém, no momento de um forte ódio, o objetivo sempre "justifica" os meios. Com isso, os Egípcios conseguiram superar essas dificuldades e apresentaram o povo judeu como um grupo que representava uma ameaça à segurança para o Egito.
"E ele (o Faraó) disse ao seu povo:" Eis que o povo de Israel é maior e mais forte do que nós. Sejamos sábios contra eles, para que não se multiplique, e caso aconteça uma guerra, e ele também será adicionado aos nossos inimigos, e guerreará contra nós..." (Shemot1:10).
O Egito viu na subjugação e trabalho duro não só como o meio de retaliação contra a traição da nação judaica, mas também como uma ferramenta de defesa para proteger o Estado e seus bens.
Eventos paralelos ocorreram muitos anos depois ...
Nos anos anteriores ao estabelecimento dos campos de extermínio, a propaganda nazista tratava da desgraça da raça judaica e, talvez, ainda mais exitosa do que o Faraó e seus conselheiros. Goebbels, o ministro da informação nazista, tinha imprensa, rádio e outdoors. Como o Faraó e seus conselheiros também achavam difícil permitir em tão pouco tempo o sangue daqueles que tinham um envolvimento sem precedentes em todos os ramos da cultura Alemã. No entanto, os judeus foram retratados como sugadores de sangue, que buscaram poder sobre o mundo inteiro e fizeram o seu caminho com passos calculados, mas terrivelmente espertos. O envolvimento na vida espiritual da Alemanha também foi retratado pelos nazistas como uma tentativa de assumir o controle de toda a Alemanha.
As caricaturas nazistas foram mostradas na imprensa nazista, na qual o Judeu foi visto sugando o sangue da humanidade. Todo traço ruim foi atribuído a um judeu que foi lentamente reconhecido como a escória da raça humana para ser perseguido da mesma maneira que a dona de casa persegue os ratos.
Seis anos passaram-se desde o surgimento do opressor nazista no poder até a fatídica noite de cristal. Isto foi tempo suficiente para remodelar a opinião das massas. A compaixão natural que um homem sente à vista de um estranho atormentado por seus tormentos desapareceu. Uma nação de sessenta e duas milhões de pessoas aceitou o terrível assassinato como uma questão de rotina com total crueldade, sem rastro de escrúpulos e sem piedade.
A Alemanha, como o Egito, também apresentou o povo judeu como um perigo para a humanidade, preparando o caminho para sua destruição.
O Faraó voltou-se para o povo de Israel suavemente e educadamente, pois a escravidão não pôde começar de uma hora à outra. Ele os convidou a trabalhar, a fim de esconder a verdadeira tendência.
Cerca de três mil e  trezentos anos depois, os oficiais da SS o usaram uma tática semelhante. Os executores das unidades da morte também carregaram os judeus nos comboios, prometendo transferi-los para campos distantes onde eles trabalhariam na indústria para o exército alemão. As câmaras de gás foram apresentadas como banhos desinfetantes. A verdade amarga foi levantada por testes falsos para esconder a solução final.
Os nazistas conheciam o segredo usado pelo Faraó: "E coloque-o ministros fiscais" (ibid.).  Este passo, que discrimina uma minoria minoritária na população, não levará à rebelião pela maioria. .
O imposto Egípcio era imposto indireto, um trabalho não remunerado. Os filhos de Israel que eram sujeitos estrangeiros que tinham sido obrigados a investir tempo para construir cidades fortificadas, talvez resmungaram em seus corações, talvez com raiva, mas certamente achavam que não seria sábio discutir com um governante onipotente.
A sofisticação do imposto foi excelente. Quando os grupos de trabalho dos judeus foram organizados, a erosão de seu status começou aos olhos do público Egípcio. O povo egípcio começou a se acostumar com o fato de que os judeus não são cidadãos iguais.
De fato, o imposto sobre o trabalho era apenas uma cobertura para um plano mais amplo: a opressão do povo judeu, sua humilhação e, finalmente, a aniquilação de parte do povo.
Também o trabalho duro em seu sentido simples retorna como um motivo do exílio de Faraó aos decretos de Hitler.
O trabalho duro é definido como um trabalho cujo orçamento não é conhecido antecipadamente, ou como um trabalho sem propósito cujo único propósito é torturar o escravo.
Crueldade sinistra caracterizou o trabalho árduo com que o povo judeu foi escravizado no Egito. A pessoa que recebeu um emprego não sabia quando terminaria e em que fase do trabalho ele estava. Outra pessoa, que conhecia o seu emprego, enfrentou outra dificuldade: ele sabia que seu trabalho estava sendo feito sem nenhum propósito prático. Na natureza das coisas, o trabalho torna-se ainda mais difícil, e na ausência da alegria da criação, que acompanha mesmo o trabalho forçado, o trabalho foi totalmente intolerável.
Assim também foi o sentimento dos Judeus europeus. Eles também foram empregados em empregos sem propósito e objetivo. O pobre trabalhador escravo nunca soube quando ele terminaria seu trabalho. As obras o perseguiram, até que o conceito de tempo foi completamente interrompido.
Os líderes Judeus do gueto, o Judenrat, também foram corrompidos pelos Alemães. A tarefa da polícia do gueto judeu era supervisionar a vida do gueto e fornecer aos comandantes, o que eles queriam.
Quando um certo número de judeus eram obrigados a realizar trabalho forçado, os membros do Judenrat foram convocados a fornecer "a mercadoria humana". Era um padrão cruel, sem paralelo. Um policial Judenrat foi convidado a levar um número de judeus para um dia específico para a liquidação em covas pré cavadas para este objetivo.
Ele sabia muito bem o significado de recusar as ordens, por um lado e os benefícios ruins que ele receberia no outro
Aqueles que estiveram em sua força, tomaram seus destinos em suas mãos, de modo a não cooperar com o opressor nazista.
Pode ser, que nos últimos momentos de vida de tais guardas, apareciam diante  deles as figuras dos "guardas Judeus" do Faraó, opressor dos Judeus, que foram colocados à disposição para intimidar as pessoas.
Sobre os policiais Judeus no Egito, a Torá diz: "E foram castigados os guardas do povo de Israel...  Porque...anteontem, ontem e hoje? " (Shemot 5:12).
Os guardas Judeus no Egito, dedicaram a alma a seus irmãos, com o intuito que o castigo forte não caísse sobre o seus irmãos no Egito. Estes oficiais foram louvadamente mencionados e tiveram mérito de uma enorme recompensa, por terem recusado em cumprir tal missão cruel.
Mesmo assim, o ambiente e a atmosfera tornou-se cada vez mais difícil, e não demorou muito para que a atmosfera no Egito mudasse completamente: "E os Egípcios forçaram aos filhos de Israel num trabalho pesado" (ibid). O ambiente Egípcio mudou completamente até que estava apto para decretar este terrível e cruel decreto:
"O Faraó ordenou a todo o seu povo, dizendo: todo o filho recém-nascido será jogado ao Nilo" (ibid 1:22). O povo Egípcio perdeu totalmente a moralidade e por isso o Rei pôde se dirigir explicitamente ao povo com este pedido cruel.
Este foi o caso na Alemanha, que todo o povo alemão, de um lado para o outro, se tornou um assassino ou ajudante de assassinos. Um processo que iniciou num antissemitismo escrito e impresso.
O modo e comportamento do Faraó existe também hoje em dia. Porém  é diferente em qualidade e quantidade.
Durante a história judaica muitos tentaram chegar às raízes deste fenômeno. Os judeus sofreram por um longo tempo como resultado do ódio de outros povos em sua direção. Haviam épocas que este fenômeno estava escondido em algum lugar, isso significa que sempre existiu.
Isso levou a perseguição do povo judeu como nunca se perseguiu nenhum outro na terra. Subsistência e áreas de residência foram limitados, eles foram espancados, roubados, expulsos de suas casas, torturados todas as formas de torturas viáveis. E tudo isso por um único motivo, o simples fato de serem judeus.
Todos aqueles que tentam se iludir de que as fontes deste fenômeno são por qualquer razão, irão procurar os livros de história judaicos e achar que todas essas "razões" não passaram de disfarçar o ódio cego - odiar os judeus porque eram judeus. Judeus odiados porque eram pobres e os odiavam por sua riqueza. Eles foram perseguidos por causa de sua reclusão em seus limites.
Eles invejaram porque conseguiram escalar todos os níveis da sociedade. Incitaram contra eles e rejeitaram-nos por causa de sua adesão à religião, e os desprezaram quando abandonaram a Torá e os mandamentos e tentaram assimilar. Eles não tratavam os Judeus fracos com o devido respeito e os condenavam quando eram fortes. Não há lógica consistente neste fenômeno.
Vivemos em um mundo iluminado, civilizado e progressista, mas o anti-semitismo não desapareceu! Hoje, os judeus não são queimados. Isso ocorre porque este fenômeno também se tornou mais "civilizado" e "progressivo". O mundo "civilizado" não levantou um dedo quando seis milhões de judeus foram trazidos para os crematórios. O mundo iluminado também não pretende esconder a hipocrisia e a atitude em relação aos eventos na Terra de Israel. Este fenômeno continuará acompanhando o judeu, aparentemente, até a chegada da redenção completa.
 
 
Mais lidos
https://br.hidabroot.com/