Parashat Mikets

Parashat Miketz

Parashat Mikets - A salavação de D’us vem num piscar de olhos

Não há explicação lógica para o fato de que um escravo hebreu com o passado de um prisioneiro no cárcere, se torna, dentro de algumas horas, o governante do Egito - que na época era o império mais forte do mundo ...a realidade é mais forte do que qualquer imaginação mais fértil que seja.

Yossef Hatsadik - de um escravo para um governador
Durante doze anos, Yossef estava na prisão Egípcia, sem nenhum sinal de sáida do cárcere e repentinamente chega o momento da libertação.
Ao chegar o momento da libertação, tudo é feito com a velocidade do relâmpago: "E fazem-o correr (para sair) do poço". Eles correram com Yossef, uma corrida que eventualmente  levou-o ao poder ...
Não há explicação lógica para o fato de que um escravo hebreu com o passado de um prisioneiro no cárcere, se torna, dentro de algumas horas, o governante do Egito - que na época era o império mais forte do mundo ...a realidade é mais forte do que qualquer imaginação mais fértil que seja. Yossef recebe o poder sem limites, e assim Faraó lhe diz: "Sem você, ninguém levantará a sua mão e pé em toda a terra do Egito" (Bereshit 41: 34).
Seguindo os caminhos da vida de Yossef até o fim,  não podemos deixar de admirar a providência Divina que o acompanhou em cada momento de sua vida.
Cada história e evento que está escrito na Torá, traz uma mensagem para as gerações, e às vezes a mensagem é revelada e clara, e às vezes precisamos estudá-la em profundidade, para descobrir os diamantes escondidos. Nesta aula, veremos como a história da vida de Yossef em geral e o seu resgate em particular é relevante e atual para cada um de nós.
Yossef foi preso na cadeia e ao final de doze anos, ele foi nomeado como o vice-rei do Egito. Justamente a sentada na prisão que o levou ao poder. Lá, ele encontrou o mordomo das bebidas, decifrou seus sonhos, e ele o recomendou ao Faraó. A sequela é conhecida ...
Cada um de nós está "preso na prisão particular". Um cativo nos laços de raiva, o outro nos laços da inveja e o terceiro em busca da honra e óbviamente existem aqueles que estão nos laços do dinheiro...
Todos nós queremos sair desta "prisão". Como seria possível fazer isso?
Devemos seguir o caminho de Yossef. Isto significa, que não devemos "copiar" o que fez Yossef, e sim tentar adequar à nossa personalidade, o caminho usado por Yossef. Deste modo, usamos as ferramentas de Yossef, de acordo com nossa virtude.
A primeira e mais importante etapa é a declaração inicial de Yossef. Quando Faraó está entusiasmado com sua sabedoria por ter decifrado os sonhos de modo que seu coração aceitou, Yossef responde imediatamente: "Sem mim, D'us responderá à paz de Faraó" (Bereshit 41:16). Em vez de atribuir a si, todo o sucesso, Yossef atribui todos os sucessos a D'us. Este é o caminho de Yossef desde tempos imemoriais. D'us retribuiu a Yossef: "E D'us está com Yossef, e tudo o que ele (Yossef) faz, Deus sucede em suas mãos" (Bereshit 38: 2), "e seu senhor (Potifar) viu que D'us estava com ele". Yossef tem o privilégio de ter uma graça especial de D'us.
Para ter sucesso, devemos receber ajuda Divina. Estamos presos sob as tentações e provas do máu instinto "yetser hará", não podemos alcançar a paz sem ajuda Divina. Assim, o Talmud  (Sucá 52a) diz: "O Rabino Shimon ben Lakish disse: o (máu) instinto de um homem tenta dominá-lo todos os dias, e ele quer matá-lo, E se não fosse pela ajuda de D'us, o homem não conseguiria vencê-lo ".
Se queremos transcender as dificuldades que o  máu instinto nos coloca em todas as oportunidades, devemos nos dirigir a D'us, pediremos a Ele força, e não há dúvida de que tais pedidos com certeza serão respondidos de bom grado.
Qual é a função de cada um de nós?
E é claro que uma pessoa deve realizar ações espirituais para que o Criador o ajude, como está escrito no Midrash Raba (Shir Hashirim 5:2)  "... abram para mim uma porta como o tamanho do orifício de uma agulha e eu abrirei à vocês uma porta do tamanho de um salão". Ou seja, devemos fazer algo, mesmo que seja o mínimo algo de nossa parte, e asssim, D'us comleta o resto.
Yossef decifra o sonho de Faraó e diz-lhe que virão sete anos de fartura. Mas depois deles, virão sete anos de fome muito difíceis. Yossef recomenda a Faraó que ele nomeie "um inteligente e sábio, que controlará a terra do Egito " (Bereshit 41:33).
Por que há necessidade de um homem inteligente e sábio? Por que não era um bom armazenador com um amplo conhecimento de grãos, que sabia como armazenar grãos para os anos da fome?
Quem é o sábio? A mishna (Avot 2:10) escreve a resposta: "Quem é o sábio? É aquele que vê as consequencias do que pode acontecer de seus atos".
Rabi Eliyahu Lupian em seu livro Lev Eliyahu nos ensina, que a intenção da Mishna é, que o verdadeiro sábio vê as futuras consequencias de seus atos, como se estas consequeuncias tivesse nascido agora.
Muitos de nós estamos cientes das implicações futuras de nossas ações. No entanto, esse conhecimento nem sempre nos impede de dar o passo errado. Este conhecimento não é suficientemente tangível em nossos corações no momento da ação.
Existe uma grande distância entre o conhecimento do homem e suas ações. Às vezes, há uma ruptura completa entre os dois. Os sábios da Cabala chama essa situação "a trilha estreita da garganta". Ou seja,  entre a mente da pessoa - o Comandante Supremo - e seu corpo, tem uma garganta estreita ... A informação nem sempre flui facilmente da mente para o instrumento de ação, ao coração e aos membros ...
Nosso trabalho é ilustrar e pintar o futuro como se já estivesse aqui. Tentar um momento antes de que o ato aconteça, parar e imaginar quais seriam as consequências futuras de nossas ações. Com base em erros e lições do passado, tentaremos imaginar como nos sentiremos ao acontecer o resultado imagindo deste passo. Um homem cujo o futuro já está aqui com ele, é o sábio!
Yossef diz ao Faraó: será muito difícil acumular comida durante todo o ano para que o povo não sofra nos anos da fome. É muito difícil imaginar a fome quando há muita abundância e fartura ao redor. Para realizar esta tarefa e se preparar perfeitamente para os anos da fome, o Egito necessita de um homem sábio, um homem que já está em meio a uma grande fartura, sente que a fome já está aqui. Um homem que não desistirá mesmo de um simples feixe de trigo, pois nos anos de fome, cada grão se tornará uma coisa preciosa...
Apenas um sábio que previu o futuro, mesmo antes de nascer, pode cumprir esta função...
Yossef incorpora essa linha de pensamento em sua personalidade. Ele não cede aos prazeres de um momento, ele sempre olha para a frente, assim ele se comportou em relação à esposa de Potifar ... Portanto, Faraó disse a Yossef: "E disse Faraó a Yossef:" Depois que D'us lhe informou sobre tudo isso, lá não é inteligente sábio e sábio como você. Através de sua boca será dominado meu povo..."(Bereshit 41: 39).
Duas coisas aprendemos de Yossef:
  1. Precisamos de ajuda de D'us para ter sucesso em sair de nossas "prisões particulares".
  2. O passo que é exigido de nós é ver quais são as consequencias que podem nascer de nossos atos. Ou seja, sempre olhar um passo adiante. Será que o que nós estamos prestes a fazer, ajudará-nos a alcançar nosso objetivo ou seria somente o oposto...
Rabi Yochanan ben Zakkai menciona os elogios de seus alunos, no segundo capítulo de Pirkei Avot. No topo da lista aparece o título: "Medo do pecado". Como tal aluno alcançou tal gráu? O aluno revela para nós, seu "lema" - "quem vê o as futuras consequencias de seus atos". Quando uma pessoa vê isso, ele atinge o nível de "temer o pecado".
Mesmo que verificar o que pode acontecer através de nossos atos, é algo extremamente necessário para que tenhamos temor D'us, com o objetivo de sempre estar com pensamento de não desviar do rumo traçado por Ele, de quaquer modo, devemos saber que acima de tudo está a vontade de D'us. Ou seja, por mais que calculamos e pensamos em nossos atos, acima de tudo está a vontade de D'us. Isto implica em duas triviais conclusões:
  1. Saber que por mais que planejamos, o resultado está nas mãos Dele. Isto significa que o resultado pode ser contrário ao que planejamos.
  2. Em certas ocasiões, devemos agir de tal modo que parece ser "um ato suicida", como os dos Macabim. Por entender que está é a vontade Divina, contra toda a lógica. (cada um deve aconselhar com uma autoridade rabínica, pois cada caso é um caso separado)
A história de Yossef, que sempre é lida na Torá durante Chanucá, prova que cada evento tem uma mão direcionadora. A mão é a boa mão de D'us. "Sem mim" - diz Yossef "D'us vai responder a paz do faraó "- tudo é oriundo do Criador. Aquele que sempre vive com esta sensação, que tudo vem de D'us, assim também Ele se comportará com a pessoa, medida por medida.
Assim tembém eram Matityahu, o filho de Yohanan (sumo sacerdote) e seus filhos.
Matisyahu entrou em guerra com treze homens contra o exército grego, o exército mais forte do mundo na época (Rashi Devarim 33:11). A pergunta é: será que sair deste modo para a guerra, não seria um ato suicida?
A resposta é que se Matityahu e seus filhos se apoiassem em seus próprios poderes, eles teriam sido definidos como suicidas. Ele percebeu que todas suas forças eram Divinas e não havia nenhuma força natural agindo por conta própria. Portanto, ele ousou ir à guerra, contra o Império Grego, quando uma pessoa vive assim – D'us o trata além da natureza ...
Quando acendemos velas durante Hanukká, realizamos um ato que é uma antítese da visão geral do mundo. Nós comemoramos o milagre e apontamos para o fato de que D'us rompe os limites da natureza, como diz o Chazon Ish em uma de suas cartas "a natureza é a vontade mais constante e frequente de D'us". Basendo-se nestes conhecimentos, poderemos entender que uma pequena jarra de óleo pode durar oito dias e um punhado de judeus vencerá o império mais potente da época ...
Do mesmo modo, D'us contra todas as chances, levou Yossef ao posto de vice-rei do Egito e aos Macabeus para a vitória. O mesmo D'us também realizará milagres para nós e nos trará todos fora do poço do exílio à luz da redenção.
Mais lidos
https://br.hidabroot.com/