A providência particular de D'us - Parashat Vayêshev

Parashat Vayeshev

A providência particular de D'us sobre cada um de nós

Uma história semelhante ocorreu há um ano, quando uma pessoa da idade de setenta anos, estava no tratamento da diálise que foi exibido na televisão. Durante o tratamento, o paciente colocou seu celular na máquina de diálise e adormeceu. De repente, um dos trabalhadores entrou no quarto e quando percebeu que ninguém estava assistindo....

A providência divina
Em um programa recente na mídia, uma câmera escondida foi instalada em uma determinada loja para examinar a justiça de um técnico.
Para isso, eles trouxeram uma televisão que não funcionou pois haviam trocado a posição da pilha do controle remoto. Como será o comportamento do técnico? Será que ele trocará a posição da bateria e economizará o gasto desnecessário do cliente, ou ele aproveitará a oportunidade para cobrar por reparos desnecessários? No final, o técnico afirmou que a TV deveria ser levada a um laboratório de reparos a um custo de 230 reais.
Este incidente, como acontece como milhares e dezenas de milhares que acontecem todos os dias, nos ensina a tremenda diferença de que a crença na existência da providência pode trazer o modo de vida de uma pessoa. Se esse técnico soubesse que ele estava sendo observado e que todas as suas ações estavam documentadas, ele teria se comportado de maneira diferente. Em outras palavras, seu comportamento decorre do sentimento interior de que suas ações estão sujeitas somente ao julgamento de sua prórpia consciência, e ninguém mais conhece seu comportamento desprezível.
Uma história semelhante ocorreu há um ano, quando uma pessoa da idade de setenta anos, estava no tratamento da diálise que foi exibido na televisão. Durante o tratamento, o paciente colocou seu celular na máquina de diálise e adormeceu. De repente, um dos trabalhadores entrou no quarto e quando percebeu que ninguém estava assistindo, ele pegou o telefone para si mesmo. O que o trabalhador não sabia era que uma câmera instalada no site documentou o incidente e a história foi transmitida na mídia. Não é difícil descrever o sentimento da pessoa quando sua desgraça foi revelada em público ...
É incrível como as pessoas mudam seu comportamento quando pensam que ninguém os vê.
O judaísmo sustenta que a decisão que pode ajudar a melhorar o comportamento humano é a crença na providência. Aquele que sabe que seu comportamento está sob supervisão, seu comportamento será mais moral.
Aqueles que internalizam a filosofia judaica da providência, mudarão suas vidas completamente. O desejo básico de ser bom prosperará porque ele está ciente de que há alguém que reconhece e vê o bem nele, mesmo quando ele está sozinho em seu recinto particular ou nas profundezas da selva humana. Mesmo que algo aconteça com ele - ele não está em fobia, e ele não entra na histeria. Ele percebe que as coisas não acontecem aleatoriamente. Ele sabe que os eventos têm significado, mesmo que seu significado não seja claro para ele no momento.
A questão da Providência despertou grande interesse entre os filósofos antigos que assumiram posições diferentes sobre esta questão. Platão afirmou que D'us criou um mundo perfeito e desde então deixou-o ser conduzido sem sua supervisão.
Segundo a visão de Platão, D'us não interfere  na criação e não lida com questões insignificantes que preocupam a maioria da humanidade. Uma visão semelhante foi compartilhada pelo filósofo grego Epicuro. Ele argumentou que realmente D'us existe, mas não há supervisão. Ele acreditava na existência de D'us, porém afirmava que D'us não estava supervisionando o mundo. Hoje em dia, "Apikores" tornou-se um conceito para descrever uma pessoa que nega a existência de D'us, mesmo que a filosofia original de Epicuro não era assim.
Aristóteles, por outro lado, afirmou que há uma supervisão constante, mas aplica-se apenas a coisas eternas como o sol e a lua. Para o resto das criaturas - o Criador partiu da arena e deixou o mundo correr de acordo com as leis que ele havia instalado.
Um dos livros básicos sobre pensamento e filosofia judaicos é o livro de Kuzari, escrito pelo Rabino Yehuda Halevi no século 11 DC. O livro baseia-se num diálogo entre o Rei Kuzar que busca a verdade teológica e os representantes de várias escolas religiosas e filosóficas.
Mais tarde, o livro enfoca a posição do representante judeu, conhecido como o "amigo", cuja visão de mundo é de grande interesse para o Rei Kuzar.
Entre outras coisas, o Rei Kuzar levanta a questão da providência. O Rei Kuzar pergunta: "E como este grande ser fortalecido em sua mente, que o Criador, que foi elevado, santificado e crescido, terá uma conexão com essa criação desprezada e deplorável?" Vocês, os sábios judeus, como podem imaginar que D'us infinito lida com as coisas pequenas e baixas aqui neste mundo. Afinal, o mundo é grande - que interesse D'us tem em saber se a pessoa recitou uma berachá sobre certo fruto ou não, se você observa a Torá e mitzvot ou não? Não é negócio Dele! São coisas de mínimos valores para Ele! Ele é tão grande, por que ele deveria lidar com as pequenas coisas?
Como afirmado, esta foi, de fato, a opinião prevalecente entre os filósofos antigos, que afirmou – D'us não lida com as pequenas coisas. No máximo, Ele deu o primeiro impulso que ativou o mundo.
A resposta judaica a esta questão pode ser resumida na seguinte passagem do Tehilim (113:4) "superior sobre todos os povos é D'us sobre os céus está Sua glória. D'us nos céus preparou Seu trono e Seu reinado domina tudo".  Em outras palavras, é verdade que D'us é realmente superior a tudo que é superior, e mesmo assim, "Seu reinado domina tudo".
O raciocínio por trás dessa posição é simples e lógico: se houver um lugar na criação que D'us não controle - seja por falta de interesse ou incompetência – isto diretamente significa limitação no poder de D'us. De acordo com o conceito de judaísmo, D'us é infinito , nesta perspectiva, os conceitos "grande" e "pequeno" perdem o seu significado. Mesmo o maior evento torna-se pequeno quando a escala é infinita e, portanto, não faz sentido classificar o nível do interesse de D'us de acordo com os conceitos de tamanho.
Consta no Tehilim (ibid : 5): "Quem é como nosso D'us, que senta num lugar elevado, e que Se incilina para ver nos céus e na terra?"  De fato, o Rei Kuzar tem razão em afirmar que nosso D'us é senta num lugar elevado, mas isso não contradiz o fato de que Ele Se incilina para ver nos céus e na terra. Esta é a grandeza de D'us - que ele também intervém em pequenas coisas.
Se precisamos de uma analogia, dizemos que a providência divina é como uma transmissão de rádio. As ondas de rádio se espalham por toda a área, elas podem ser pego em lugares remotos ou em outra cidade. Da mesma forma, as chamadas ondas de providência estão em toda parte. Uma pessoa cujo telefone celular não opera em determinados locais é uma questão de qual empresa fornece os serviços. Um tal deus que não sabe o que está acontecendo comigo a qualquer momento não me transmite em certas passagens - algo limitado em sua divindade.
Em seu livro "Emunot Vedeot", o Rabino Saadiah Gaon (viveu no século IX ) explica que a maior perfeição é a intervenção total de D'us em todos os assuntos. D'us é infinito e, portanto, Sua providência é infinita.
À luz da influência decisiva que a fé tem na supervisão da vida, não é de admirar que este princípio ocupe um lugar central no mundo do judaísmo.
"A crença na Divina Providência também está ancorada nos 13 princípios de fé que Maimonides formulou como crenças básicas que qualquer um que não os aceite não é considerado um crente na Torá de Israel". " Eu creio que o Criador cujo nome é exaltado, é o criador e líder de todas as criaturas, e Ele sozinho fez, faz e fará todas as coisas".
Com base nas palavras citadas acima, poderemos entender uma das passagens mais famosas da parashá na qual, muito devagar, começou o exílio do povo Judeu.
Yossef quando saiu da casa de seu pai para procurar e saber como estavam seus irmãos (Bereshit 37:12), não sabia que naquele momento ele começou a mover as rodas da história. Nem seu eu pai Yaacov, ao enviá-lo para Shechem para verificar os irmãos, pensou assim. E nem seus irmãos ao verem-o chegando em Shechem, pensavam deste modo. No entanto, cada um deles agiu do modo que era mais adequado por sua personalidade, e mesmo assim, suas ações e sua combinação deram origem a uma nova história.
Yossef chegou ao pasto entre Shechem e Dotan. Seu objetivo era ver se tudo estava bem com seus irmãos e voltar para casa. Mas os irmãos, ao verem-o, despertaram o velho ódio pela memória dos sonhos reais que ele sonhava (ibid: 1-11) e sua glória neles. Os irmãos decidiram vendê-lo ao hóspede dos Ismaelitas que passaram (ibid :25), e então: "Nós veremos quais serão os sonhos dele". Na verdade, estas palavras foram ditas quando Yossef se aproximou de seus irmãos, e não quando foi vendido aso Ishmaelitas.
Nós, como seres humanos, estamos conscientes do nosso controle limitado sobre os resultados. Muitas vezes sentimos que nossos planos, ações e planos, mesmo os mais brilhantes, estão explodindo na realidade difícil da vida, devido a fatores e razões além de nosso controle. Muitas vezes nossos atos fazem com que aconteçam contrários ao que planejamos.  
A atitude humana comum é uma atitude fatalista e profundamente desesperadora que vê na atividade humana um absurdo sem objetivo. Nesta visão de vida, o homem está vinculado por cadeias eternas a um destino cego e misterioso que o ofusca e suas ações .
Nesta parashá, a Torá nos ensina que a visão verdadeira da vida, é bem contrária à visão apresentada anteriormente.
Na verdade, a venda de Yossef com escravo aos Ishmaelitas, contribuiu para a realização dos seus sonhos. Yossef foi levado ao Egito, e depois de várias complicações, ele saltou para o topo do governo em sua terra de exílio e tornou-se o vice-rei do Egito.
Isto causou que o Povo de Israel descesse ao Egito. Depois de uma escravidão bem difícil, eles foram redimidos, receberam a Torá no deserto e herdaram a Terra de Israel.
Tudo isso aconteceu mesmo que os personagens do caso agiram, cada um de acordo com sua visão pessoal.
Yaacov, cuidou de seus filhos, os pastores, e enviou-lhes Yossef para ver se estão bem. Os irmãos decidiram pôr fim ao caso dos sonhos reais e tirá-lo do país. D'us ao ver tudo isso enquadrou cada um no seu devido lugar do "quebra cabeça", e montou a história que já estava programada.
A Torá acrescenta a seguinte descrição para dar ênfase ao citado acima: Entre os versículos que contam da partida de Yosef da casa de seu pai para o seu fatídico encontro com os irmãos em Sdot Dotan, a Torá traz os seguintes versículos:
" E um homem o encontrou (a Yossef), e eis que ele se desviou no campo, e o homem perguntou, dizendo: O que você procurará? E ele disse: meus irmãos estou procurando. Diga-me aonde eles estão pastando? E o homem disse: "vijaram daqui, pois os escutei dizendo "vamos para Dotan"... (Ibid 15-17)
A Torá, cujas palavras são são minuciosamente poupadas, acrescentou trinta (30!) palavras aparentemente desnecessárias ao texto da própria história.
No Midrash Tanchuma é explicado que o "homem" no verso Isto é "o anjo Gabriel".
Um anjo levou a Yossef inconscientemente, ao Egito, para a realização dos objetivos da Providência. Se Yossef não encontrasse o homem, ele não teria encontrado seus irmãos e retornaria ao pai e não seria vendido ao Egito. Se ele não encontrasse o homem, a história teria um rumo diferente...
Mesmo os atos passivos são pequenas moléculas no tecido milagroso que forma a história da humanidade. Toda ação e declaração tem um valor inimaginável. Isso apesar do fato de que, devido à falta de perspectiva adequada, nem sempre podemos examiná-los adequadamente.
No dia em que Yossef deixou a casa de seu pai, ele empregou outra alavanca histórica. Este foi o momento em que os fundamentos para o cumprimento da profecia que foi proferida duzentos e cinquenta e nove (259) anos antes foram colocados.
É a profecia da aliança entre as partes que ela disse a Abraão: "Saberás que a tua prole viverá em uma terra que não é a deles" (ibid 15:13).
Esta é a mensagem da parashá, que realmente atravessa toda a Torá , que a vontade de D'us sempre será cumprida em todas as circunstâncias possíveis e imagináveis. Os irmãos queriam através da venda de acabar com a possibilidade de que os sonhos se tranformariam em realidade, e justamente o que eles fizeram, foi  que trouxe os sonhos à realidade.
Com isso podemos ver que tudo é supervisionado minuciosamente por D'us, desde os pequenos, até os grandes atos. E que tudo o que a pessoa pensa e imagina e programa, nada será feito sem que seja a vontade de D'us, pois Ele está presente em todas as entranhas de nossas vidas.
 
Mais lidos
https://br.hidabroot.com/