Mais lidos

Parashat Toldot

Conciliar e não rejeitar os extremos

Cada uma das criaturas dará sua singularidade ao homem. A modéstia do gato, a agilidade da formiga, a fieldade do cachorro, etc... E, de fato, toda criatura contribuiu para a sua singularidade e deu ao homem. Isso significa que há tudo no homem! Não há poder na criação que não se encontra no homem.  

Conciliar entre os extremos
O judaísmo não apoia o extremismo, pois somos compostos de corpo e alma, o judaísmo é a arte de conectar os extremos ...
Yitzchak e Rivka esperam ansiosos por uma criança durante muitos anos. Eles não desistiram e rezaram a D'us com muita devoção. D'us aceita a oração e Rivka engravidou, esperando gêmeos
Assim, a Torá descreve o momento do nascimento (Bereshit 25:25): "E o primeiro saiu vermelho, todo como um manto de cabelo, e foi chamado de Essav, e depois saiu seu irmão, cuja mão segura o calcanhar de Essav e foi chamado de Yaacov". Rashi enfatiza: "O pai dele o chamou de Yaacov, pois estava segurando o calcanhar de seu irmão". Em hebraico, a palavra calcanhr é chamada de akev (עקב)
À primeira vista, segurar o calcanhar é um detalhe não tão importante na personalidade de Yaacov. Deste modo, por que ele foi nomeado em seguida deste acontecimento? Por que esse detalhe aparentemente "insignificante" determinou para sempre seu nome - "Yaacov"? 
Esta questão é amplificada pelo fato de que mesmo depois que D'us mudou seu nome para "Israel" (Bereshit 35:10), a Torá continua chamando-o de Yaakov. O Talmud (Berachot 12) escreve o seguinte: não que seu nome Yaacov já não será usado, mas sim que seu nome principal será Israel. Qual seria o significado disto
Na Torá  (Shemot3:2), consta que Moshe Rabenu, anda no deserto e de repente vê "um arbusto queimado com fogo, e o arbusto não está sendo consumido. Moshe se aproxima e D'us se revela a ele de dentro do arbusto ardente, mandando-o para redimir o povo de Israel da escravidão do Egito.
Ao mesmo tempo, D'us lhe dá sinais para serem feitos perante aos filhos de Israel e perante ao Faraó. Então, a Torá escreve: "E D'us disselhe:" O que é isso na sua mão? "E ele disse:" é um cajado. E disse para Moshe: jogue-o no chão. Moshe jogou no chão e o cajado se transformou em uma cobra. Moshe se afastou do cajado. Então disse D'us a Moshe: Estique sua mão e segure a cauda da cobra. Enviou a mão, segurou no caudo da cobra e voltou a ser um cajado na palma de sua mão". 
Além da simplicidade das coisas, aqui existe uma profundidade maravilhosa, que é uma das pedras angulares do judaísmo. A cobra aqui, simboliza a primeira cobra, a inclinação do mal. Quando Moshe o vê - ele escapa, pois não quer nenhuma ligação e relacionamento com ele. Mas D'us diz-lhe para não fugir dele, mas para segurar a cauda ...  
Vamos explicar isso
D'us criou seu mundo em seis dias. No sexto dia, depois de toda a criação estar pronta, D'us declarou: " façamos o homem" "façamos" no plural. Com quem ele estava falando? Simplesmente explicando, podemos dizer que ele falou com os anjos e assim Rashi traz.  
No Zohar há outra explicação, uma explicação que nos revela um maravilhoso segredo: O Malbim, em seu comentário sobre a Torá, amplia esse assunto fascinante
Toda criatura representa uma certa virtude e qualidade. O gato, modéstia. A formiga, agilidade. O cachorro, lealdade. O homem, foi criado em última instância. Por quê? Pois, quando D'us o criou, disse ao universo inteiro, à terra e aos céus, aos animais e às plantas, aos pássaros e a toda a criação: "façamos o homem!" Cada uma das criaturas dará sua singularidade ao homem. A modéstia do gato, a agilidade da formiga, a fieldade do cachorro, etc... E, de fato, toda criatura contribuiu para a sua singularidade e deu ao homem. Não é por nada que Shlomo Hamelech disse: "Vá para uma formiga, preguiçoso. Veja seus caminhos e aumente sua sabedoria através deles". Se uma formiga tem uma qualidade de agilidade, ela também existe no homem
D'us disse para toda a criação, cada um de vocês contribui para a singularidade do homem - e dou-lhe uma alma. Isso significa que há tudo no homem! Não há poder na criação que não se encontra no homem.  
Rabi Elchanan Wasserman (um dos discipulos mais assíduos do Chafetz Chaim) na introdução de seu livro Kovetz Ma'amarot escreve: Quanta cautela é requerida de uma pessoa se ele sabe que ele mora em uma sala com um tigre, especialmente quando vive com todos os tipos de animais
Se fosse permitido, definiríamos assim: no homem tem dentro de si mesmo, o zoológico mais perfeito do mundo sendo ele o guardião do jardim. Tudo está em jaulas e em gaiolas; as chaves na mão do guardião. Caso as jaulas sejam abertas, o guardião pode ser comido!
Os sábios do Talmud definem isto da seguinte maneira: "Os corações dos justos, estão em seu domínio", ou seja, eles controlam seus corações, seus sentimentos e seus desejos. Por outro lado, "os corações dos perversos os dominam", ou seja são dominados por seus corações, seus sentimentos e seus desejos.  
Após a criação, está escrito na Torá: "E D'us viu tudo o que tinha feito, e eis que era muito bom". Mesmo o homem - com todo o zoológico nele - é muito bom! Como pode ser? O homem tem a inclinação do mal, como ele é muito bom
A resposta é. Não há animal que possa ser definido como "malvado", não há uma má virtude, e sim há uma virtude que está sendo mal usada
O Talmud (Bava Batra 16b) escreve o seguinte: "Yiov pediu para absolver o mundo inteiro das consequencias da lei. Disse Yiov perante a D'us: Mestre do Universo, criaste o boi com cascos com rachados, criaste o jardim do éden, criaste o inferno, criaste o jardim do éden, criastes toda a criação. Você domina tudo. Portanto, quem lhe impede de modificar algo
Yiov reclamou a D'us dizendo que não seria justo chegar ao homem com queixas e puni-lo, porque assim como um touro é criado tal como é e tão grave como é, sem a possibilidade de mudar suas características, assim, também,  o homem foi criado com características problemáticas e ele não pode alterá-las
O que D'us respondeu a Yiov? "criei o mau instinto e criei para ele a Torá para temperá-lo". É verdade que há uma inclinação para o mal, mas a Torá serve como um tempero para ele. A função do tempero é de transformar a matéria prima da comida em algo saboroso e delicioso. Assim também a Torá nos ensina como temperar cada uma das "virtudes animais" que estão dentro de cada um de nós
O Ancião de Kelm escreve: "Uma virtude é chamada de virtude, pois é necessário que toda virtude seja usada com a virtude certa". 
"E você amará o nome de seu D'us com todo seu corações". Não está escrito escrito com "seu coração", e sim com "seus corações".O Talmud (Brachot 54) aprende desta passagem, que devemos amar a D'us como nossos dois instintos, o mau e o bom. Como? Nosso papel é levar os traços do mal e canalizá-los para canais positivos ... 
Escreve Shlomo Hamelech (Kohelet 7:16-18), as seguintes palavras: "Não seja muito justo e não seja esperto, pois você se aborrecerá. Não seja muito perverso, e não seja tolo. Por que morrerás antes de seu tempo! Seria bom que segures as duas pontas...". 
Explica o Ibn Ezra que a pessoa pode passar do limite, mesmo comportando-se um nas boas virtudes. Por exemplo: a pessoa tem medo de ouvir a difamação (lashon hará), o que ela faz? Tapa suas orelhas durante todo o dia, ou a pessoa que tem receio de falar coisas proibidas durante o dia, tapa sua boca o dia inteiro. Shlomo Hamelech nos ensina, que este não é o caminho! Não seja muito justo! Uso extremo pode levar uma pessoa diretamente nos braços da depressão
No seguinte versículo explica Shlomo Hamelech, o seguinte: "Não seja muito perverso e não seja tolo", não seja maligno - isso pode trazer desastre sobre você - "Por que você morrerá antes de seu tempo!"
Então, qual é a solução? Nem ser justo demais e nem ser perverso demais
Como poderemos conciliar todas estas virtudes
Ensina Shlomo Hamelech, que a visão do judaísmo é: Seria bom que segures as duas pontas... 
Um bom exemplo para isto, é conciliar o escrito no Pirkei Avot (2:5) " aquele  que é rigoroso, não pode ensinar" por outro lado está escrito no Talmud (Ktubot 103) "jogue amargura no alunos" como?
Temos que conciliar , não sendo rigorosos demais por um lado, porém por outro lado devemos ser amargos para criar a autoridade 
Um exemplo clássico para isto, é o seguinte: a pessoa escutou alguém batendo na porta de sua casa. Ao abrir a porta, ele vê um homem assustado implorando por sua vida para entrar na casa e se esconder de um vilão que o está perseguindo e ameaçando assassiná-lo. Nosso amável amigo, claro, trouxe-o para dentro de sua casa e escondeu-o debaixo da cama. Depois de um tempo, outro bate na porta, o assassino na entrada com um machado na mão ...  
"Alguém veio até você ultimamente?" O assassino pergunta: "Eu sou um homem verdadeiro", o senhorio pensa para si mesmo, e ele responde honestamente: "Sim!" "Onde ele está se escondendo?" Eu sou um homem verdadeiro, e vou responder "abaixo da cama ..." 
Todo mundo entende que tal comportamento é radicalização e uso excessivo da verdade ... 
É verdade, esta é uma medida maravilhosa, mas deve ser controlada
O perverso, quando possui uma boa virtude, mantem-se nela até o fim, sem controle.
Por exemplo, sabe-se que Essav, honrava seus pais de uma maneira especial. Ele herdou esta virtude a seu filho Elifaz. Depois que Yaacov tomou as bênçãos, Essav queria matá-lo, e Yaacov fugiu. Essav deu uma ordem a Elifaz para matar seu irmão. Elifaz honra seus pais - o pai ordenou assassinar, portanto devo cumprir seu comando
Depois de quatorze anos, Elifaz encontra Yaakov e quer matá-lo. Se Yaakov não estava persuadido a tomar todos os seus bens, "Elifaz seria o assassino de Yaacov
Lot estava tão ligado à hospitalidade, que dedicou-se integralmente para esta virtude. Isto foi a tal ponto, que estava disposto a entregar suas filhas solteiras, para que seus hóspedes não fossem perturbados
Isso não é o judaísmo!! 
Cada virtude deve ser usada do modo e da medida correta
As boas virtudes devem ser uma vela nos nossos pés, para um bom comportamento.
Porém,  devemos saber, que de vez em quando devemos nos abster de usar as boas virtudes, como no caso das filhas de Lot. Assim também devemos estar muito afastados das más virtudes. Mesmo assim, devemos saber que de vez enquando é necessário usá-las. Geralmente devemos nos distanciar das más virtudes, mas há situações em que somos obrigados a manipulá-los ... 
Apenas um ponto deve ser enfatizado antes de terminar.  
Mesmo quando admiramos uma má virtude, e por isso necessitamos usá-la, devemos ter cuidado, uma vez que abrimos a porta para esta má virtude, e, sem que sejamos cuidadosos, ela pode entrar em nossa personalidade, sem que a percebamos
Moshe Rabenu se afastou ao ver a cobra. Ele não quis nenhuma ligação com o mau instinto, representado pela cobra. Porém, D'us lhe disse: Moshe: este não é o caminho! Não jogue o mau instinto fora, e sim agarre-o pela cauda, somente - pela cauda, na ponta final dele. Deste modo, até mesmo a serpente, que representa o mau instinto pode se transformar em um  lider, aproveitando suas virtudes para o bem. pode servir como equipe, como líder
Os traços malignos de vez em quando são necessários de serem usados. Porém, a Torá determina quando e quanto devem ser usadas. Essav representa o mal, os traços malignos ... Uma das pedras angulares do judaísmo é que às vezes é necessário segurar o calcanhar de Essav! Não para erradicar e remover traços malignos, pelo contrário, para mantê-los - mas apenas por seus calcanhares, apenas no ponto mais extremo possível. Esta idéia é expressa em cada passo nos mandamentos da Torá
O judaísmo não apoia o extremismo, somos compostos de corpo e alma, o judaísmo é a arte de conectá-los ... esse é o único caminho para alcançar a perfeição desejada