Parashat Chaiê Sará - Valorizar o tempo

Parashat Chayei Sará - Valorizar o tempo

Sará levou consigo "a menina de sete anos" com todas suas virtudes à idade de vinte anos. Assim também levou consigo "a adolescente de vinte anos" à idade de cem anos. Assim também era Avraham, como escreve a Torá:" E Avraham está velho e  veio co todos os seus dias"- todos os dias eram usados ​​ao máximo, e se tornaram parte integrante de sua personalidade.

06.11.17 | 15:13
Parashat Chayei Sará - Valorizar o nosso tempo
As pessoas não consideram o tempo, pois o tempo não é algo tão importante para eles. Aquele que sabe como apreciar o tempo nunca se deixará afundar nas profundezas ...
Imagine um homem que foi informado de que ele tinha apenas dois dias para viver. O que faria nas últimas quarenta e oito horas de sua vida?
Esta pergunta é feita em várias ocasiões, as respostas são variadas, tendo denominador em comum, a referência ao passado. Esta definição inclui a necessidade de tentar tantas experiências que não conseguimos experimentar até hoje, realizar sonhos que sempre sonhamos e nunca alcançamos, ou se conciliar as pessoas com quem agimos injustamente.
O Rei Salomão, o mais sábio de todos os homens, diz algo mais: "E ela rirá no último dia" (Shir Hashirim 31:25) A situação ideal que o homem deve esforçar-se para que aconteça, é que no seu último dia ele poderia rir e sorrir, Quem não tem nada para se arrepender por causa dos acontecimentos do passado, é aquele que produziu o máximo de cada período e todos os dias.
Nossa parashá, Parashat Chayê Sará, abre com o versículo: "E a vida de Sara foi de cem anos e vinte anos e sete anos, os anos da vida de Sara" (Bereshit 23:1). Por que não está escrito que Sará viveu cento e vinte sete anos?
Rashi cita as palavras de nossos sábios de abençoada memória, que a Torá elogiou Sará que na idade de cem anos, era como na idade de vinte anos. E na idade de vinte anos, era como na idade de sete anos. Ou seja, que todos os dias de sua vida eram iguais em todos os aspectos.
Vamos tentar explicar isso trazendo exemplos de nossas vidas diárias: Toda pessoa, onde quer que esteja, tem duas possibilidades: primeira - deixar o tempo passar sobre ele; segunda - ele passa pelo tempo. Uma pessoa pode dormir no final do dia com um dia atrás dele sem sentido e ação. Ele vai dormir. Quando  vai dormir, está na mesma posição que estava ao despertar. Ou seja, o dia passou sobre ele.
Por outro lado, caso esta pessoa tenha aproveitado o dia, progrediu em direção a objetivos, aprendeu algo e fez coisas boas: é uma pessoa que passou dentro do dia.
Eis aqui as palavras do Rabino Baruch Mordechai Ezrachi Shlit"a em seu livro "Birkat Mordechai" sobre a Torá: "Na vida humana existem vários períodos: infância, adolescência, idade adulta e velhice. De modo geral, a pessoa "abandona" a adolescência e chega na idade adulta, deixando todas as virtudes e aquisições espirituias e morais da adolescência, em prol da nova jornada- a maturidade. O mais aconselhável é que ao chegar na maturidade, que a pessoa não substitua sua adolescência, mas sim que a maturidade encremente e aperfeiçoe as aquisições espirituias e morais da adolescência. Isto é devido ao fato, que até mesmo na adolescência, existem virtudes especificas somente à ela.
A menina de sete anos de idade tem a inocência e a pureza da infância, que são coisas que não existem na moça de vinte anos de idade. Geralmente, deixamos para trás a infância com toda a sua beleza, inocência e pureza, e caminhamos ligeiramente para a adolescência. Com isso, simplesmente trocamos a infância pela adolescência, sem deixar em nossas mãos as grandes aquisições desta época tão importante em nossas vidas.
Sará levou consigo "a menina de sete anos" com todas suas virtudes à idade de vinte anos. Assim também levou consigo "a adolescente de vinte anos" à idade de cem anos. Assim também era Avraham, como escreve a Torá:" E Avraham está velho e  veio co todos os seus dias"- todos os dias eram usados ​​ao máximo, e se tornaram parte integrante de sua personalidade.
Essa idéia é incorporada na parashá "Chaiê Sará"- a vida de Sará, mesmo que esta parashá trata de seu falecimento.
Nós também, as pessoas simples, teremos a possibilidade - se quisermos apenas, transformar o tempo em algo imutável, teremos a oportunidade de transformar cada momento em momento signifitivo para nossas vidas, cada segundo para sempre. Dominar o tempo, é dominar a vida.
"Não há preço definindo o valor de cada momento ..."
Um dos exemplos bem conhecidos é  sobre Elazar ben Dordaia. Consta no Talmud (Avodá Zará 16b-19a). Ele estva afundado até o pescoço nos desejos materias deste mundo. É certo que recuperou a compostura e decidiu voltar ao caminho reto, mas a tarefa lhe pareceu tão difícil que, quando não tinha escolha, colocou a cabeça entre os joelhos e começou verdadeiramente a chorar. Ele chorou tanto, que sua alma subiu ao céu durante este choro. No momento da morte, uma voz saiu do céu e disse: "Bem-aventurado o Rabino Elazar Ben Dordaia, que está convidado para viver no mundo vindouro".
O caso é muito famoso, os livros de mussar, discutem esta ação e o significado da teshuvá de Rabi Eliezer Ben Dordaia. Um dos ponto a ser tratado neste assunto, é o seguinte: "Rabi chorou e disse: Existe aquele que adquiri seu mundo em um momento". O significado disto é,  que significa que há pessoas que adquirem seu mundo vindouro, com trabalho árduo e suor ao longo da vida, e há pessoas que adquirem-o em um único momento.
Quando Rabi sobre ouviu a voz do céu, ele chorou. Por que e sobre que chorou?
Rabi viu de repente com grande emoção o valor de cada momento da vida, as revoluções que uma pessoa pode fazer a qualquer hora da vida e como uma pessoa pode se levantar do fundo até a cimeira ... Rabi chorou porque se arrependeu da momentos de sua própria vida. E se Rabi chorou, o que nós, pessoas simples, devemos dizer?
As pessoas não consideram o tempo porque este não tem importância para eles. Quem sabe como apreciar o tempo nunca permitirá que o tempo afunde nas profundezas, e assim era Sará.
Existem pessoas, que vivem até a velhice. Porém examinando o decorrer de suas vidas, perceberemos que estas pessoas, tem a idade de uma criança ... Este curso de vida, que caracteriza algumas pessoas, é descrito na seguinte estória:
Em determinado asilo de pessoas idosas, Moshe estava sentado no banco do jardim, e pensou o seguinte: será que escreverei a história da minha vida? Quem sabe, um dia alguém pode se interessar?!?
Do pensamento à ação. Ele se levantou do banco, pegou o caminhante esperando por ele em silêncio e lentamente entrou no seu quarto. Ele se sentou à mesa, acendeu a luz na lâmpada de mesa, pegou uma folha de papel e escreveu em grandes letras: "Estas são as histórias da minha vida". Colocou sua caneta na próxima linha, com intenção de começar a escrever seu currículo.
"Sobre o que eu vou escrever?" Ele perguntou a si mesmo. "Quando eu era um bebê em um berço?  Não me lembro destes dias!!!".
"Vou escrever sobre o início da minha infância, como eu fiz besteiras e minha mãe me bateu por isso. A geração mais nova não vai entender o que eu estou escrevendo!"
"E talvez eu escreva sobre o triciclo que meu avô me comprou para o meu sexto aniversário - não há nada de interessante sobre isso".
"Também sobre o passeio de final de ano, não poderei escrever, uma vez que não havia nada de interessante neste passeio!!!"
"É melhor começar durante a adolescência, começando com o meu Bar Mitzvah, escrevendo como comemorei com meus amigos, mencionando os presentes que recebi, as bênçãos que recebi? ".
"Mas não, o que é tão especial sobre isso?
"Sendo assim, iniciarei escrevendo sobre a época que servi no exército. Escreverei o quanto forte era, e como queríamos conquistar o mundo inteiro, como estávamos envolvidos juntos, como pensávamos em salvar o mundo e como os comandantes trabalharam. Não. Nisso não há  nada interessante. "
"Eu sei por onde começar, os dias do meu casamento, foram dias bonitos, dias de esperança, otimismo, dias de amor e alegria. Mas o que resta daqueles dias, uma memória angustiosa de saldo vermelho no banco? De fugir de um trabalho para outro, não. Não consigo escrever sobre isso! "
"Talvez eu comece do período tardio, quando meus filhos foram ao exército, e minha esposa e eu ficamos sozinhos, carregados de tempo livre para brigas e olhando para trás, para os dias da juventude que passaram, talvez eu fizesse escreva sobre o cachorro que compramos para dissipar a solidão?  Sobre os filhos que de vez em quando nos visitaram para pedr dinheiro? "
"O que resta? Os dias da velhice!!! Correr juntos de um médico para outro médico, de um hospital para outro, até que em um dia sombrio eu acompanhei a mulher para seu lugar de eterno descanço... Em seguida, meus filhos me trouxeram para este lugar... ".
Na parte da manhã, a porta se abriu do lado de fora. Na mesa encontraram um homem velho, encurvado, seu corpo completamente frio, dobrado com uma página em branco que dizia: "Estas são as histórias da minha vida" ...
A tarefa de aproveitar o tempo,  não é fácil para ninguém!!! O mau instinto, está sempre tentando fazer que a pessoa percar o presente mais precioso da vida, o tempo que lhe é atribuído. Às vezes ele faz com que uma pessoa adormeça, para que ele não sinta a passagem dos dias, e às vezes o contrárIo, ele ocupa a pessoa com muitos aborrecimentos. Há aqueles que estão sem fazer nada, e seus pensamentos giram em torno da questão: "Como matar o tempo", e há aqueles que nunca tem tempo, mas quando você verificar, você achará que ele sempre está preocupado com assuntos que não são nada, a não ser perda de tempo.
Até agora explicamos como todos os dias da vida, devem ser bem aproveitados para que nós possamos dominar o tempo, e não que o tempo nos domine.
Porém ao refletir nas palavras de Rashi, devemos fazer a seguinte pergunta:
Como podemos dizer sobre Sará, "Todos os dias de sua vida (os 127 anos), são iguais para o bem"? Afinal, é impossível dizer que Sará era nossa matriarca desde pequena, com toda carga espiritual adquirida por ela quando adulta!!!! Afinal, ela teve dias de infância como qualquer outra garota. Ela também tem horas difíceis como qualquer outra pessoa...
A resposta é clara para todos nós: para ser "Sará-nossa matriarca", ela precisava passar pela etapa da "Sará- criança pequena". Deste modo podemos afirmar que seus anos de infância estão incluídos em "todos são iguais para o melhor".
Nós somos todos seres humanos, todos precisamos dormir, comer e nos envolver nos meios de subsistência. Esses assuntos nos levam muitas horas - mas se quisermos, também podemos dizer sobre eles - "Todos são iguais para o melhor". Uma pessoa pode comer para comer, e uma pessoa pode comer com conhecimento de quem come viver uma vida real e fazer boas ações, para colecionar moedas da eternidade. Com essa abordagem, a comida também se junta aos momentos de criação do esqueleto espiritual de sua vida.
Rabi Zelig Reuven Bengis (1864-1953) completou centenas de vezes durante sua vida o estudo do Talmud. Um dia, ele convidou seus conhecidos para uma refeição de mitzvah por terminar o Talmud. Eles perguntaram-lhe: o que há de especial neste dia? O rabino disse-lhes: "Desta vez eu celebro o fim do Talmud que aprendi enquanto estava na fila. Na fila para o médico, na fila para a mercearia, na fila do banco e etc..
Que saibamos aproveitar cada momento e que possamos criar uma dimensão eterna nele. Deste modo, sabremos que todas as ações são vitais e podem se tornar significativas e, portanto, mereceremos que todos os nossos momentos sejam iguais para o melhor.
 
Mais lidos
https://br.hidabroot.com/