A gratidão - Desde o momento em que nascemos
Mais lidos

A gratidão

Nosso mundo engloba uma série de abundâncias dadas às pessoas. Desde o momento em que o bebê chega ao mundo até o último dia, o homem está cercado por inúmeros favores.

Gratidão - agradecer pela bondade de D’us
A gratidão e a expressão de agradecimento para o benfeitor são consideradas em nossa consciência como um dever básico. Mesmo aos nossos pequenos filhos ensinamo-os a dizer obrigado por um brinquedo ou doce.   Deste modo, compreendemos a obrigação que nos incumbe de agradecer a Hashem pelo bem que Ele nos concede em todos os momentos. 
 
Nosso mundo engloba uma série de abundâncias dadas às pessoas. Desde o momento em que o bebê chega ao mundo até o último dia, o homem está cercado por inúmeros favores. Eles são tantos que "se nossas bocas fossem cheias de poesia como o mar, e nossa linguagem era como a multidão de ondas ... não teremos o suficiente como a Hashem por elas" (Nishmat col Chai). Os órgãos sofisticados com os quais o Criador nos abençoou, os corpos celestes que nos iluminam, a comida e o ar que nos são fornecidos regularmente, exigem que uma pessoa sinta um sentimento de agradecimento ao Criador que nos beneficia constantemente. 
 
Podemos entender isso ao olhar para o mundo das crianças. As vezes, uma criança expressa insatisfação, mesmo que ele acaba de receber um jogo ou um doce. A insatisfação seria explicada por vários argumentos: ele queria mais ou outros doces, seu irmão obteve mais dele. Sentimento de ciumes põe na sombra o prazer recebido, e escurecem-no. Baseando-se nesses fatos, ele não sente a obrigação de agradecer por esse favor recebido. 
 
Existe uma situação semelhante no mundo dos adultos. Um homem nunca está contente com o que ele tem, e seus olhos estão sempre focados no que ainda está além do alcance dele. Por exemplo, se, após um grande esforço, uma pessoa conseguiu chegar a um bom apartamento, ele imediatamente deseja mobiliar seu apartamento com o melhor mobiliário do mercado. 
 
As reclamações, não se limitam apenas nos pertences materiais. Caso alguém tenha uma mínima dor no dedeo mindinho do pé, fica mal-humorado e cheio de reclamações "para o mundo inteiro", como a quantidade dos grãos de uma romã.  
Será que a pessoa pensa ao mesmo tempo da dor, em qualquer prazer que recebido através de Hashem que será que a pessoa procura ter proveito do prazer recebido?  
Em seus olhos que filmam e fotografam constantemente maravilhosas imagens e passagens que são importantes para ele?  
Em suas mãos que funcionam como alavancas e outras ferramentas que o ajudam? 
Em suas pernas que o levam facilmente de um lugar para outro?  
No poder da fala que lhe permite manter contato com a sociedade? Em todas as outras habilidades que ele tem proveito delas?  
Se este homem soubesse apreciar adequadamente a oferta recebida regularmente como um presente gratuito do Criador, ele certamente se sentiria feliz e sua boca e coração ficariam agradecidos. 
A primeira etapa é um claro reconhecimento de que recebi um favor. O próximo passo é a gratidão no coração. Então a expressão de gratidão chegará ao nosso benfeitor. 
 
A obrigação básica de admitir todo prazer foi o ponto de partida pelo qual Avraham Avinu ensinou ao mundo a conhecer a Hashem. Avraham montou um "hotel" em Be'er Sheva, onde ele alimentou e deu de beber aos viajantes.. Depois de terem comido, bebido, eles queriam agradecê-lo, e então Avraham se aproximou deles e explicou-lhes que estavam errados quando pensaram que tinham comido da comida de Avraham. Seu prazer veio Daquele que criou o mundo, e a quem eles deveriam agradecer. 
 
O mesmo se aplica a nós. Uma vez que existe o medo de que a pessoa não seja capaz de expressar o sentimento de agradecimento devidamente, e ,mais do que isso, a pessoa pode esquecer deste mínimo dever de ação de graças, portanto nossos sábios instituíram as leis das bênçãos e a linguagem das bênçãos. Deste modo, poderemos cumprir esta missão e agradecer a Hashem por tudo o que nôs tem feito. 
 
A origem da ingratidão humana é Adam. O pecado de Adam - que na verdade é a raiz do mal que existe no homem em todas as épocas, decorre da recusa de reconhecer a bondade de Hashem pelo bem que lhe concedeu. Caso Adam sentisse gratidão pelas infinitas bondades concedidas a ele por Hashem, não comeria da árvore do conhecimento. O sentimento de gratidão impediria à ele de transgredir as palavras do Criador. 
 
A Torá enfatiza que a mulher foi criada para benefício do homem, como se afirma: "Não é bom para o homem estar sozinho" (Bereishit 2: 18), mas o homem não reconheceu essa bondade. Quando o homem é perguntado por que ele comeu do fruto da árvore do conhecimento, ele responde uma resposta que revela essa ingratidão: "A mulher que você me deu, me deu da árvore... " (Gênesis 2: 12). Essa ideia é fundamentalmente ruim - foi a mulher que me tentou a pecar. " 
 
Os netos de Adam continuaram a mesma ruptura. Hashem lhes tinha concedido abundância de bondades, porém eles "viraram as costas" para Hashem, construindo a torre de babel – a torre que chegaria aos céus para guerrear contra Hashem. Quando Hashem chegou para examinar o mal de suas criaturas, descobriu-se que as raízes desta jornada já eram evidentes no pai de toda a humanidade. 
 
Mesmo os pecados da geração do deserto foram enraizados nos sinais dessa ingratidão. Hashem colocou-os alimentou-os no deserto com o"man -  o pão celestial", e, no entanto, eles se rebelaram contra ele dizendo que não queriam mais comer do pão celestial que não era saboroso (Bamidbar 21: 5). Talvez essa tenha sido a razão pela qual Adam e seus descendentes foram sentenciados na seguinte punição escrita na Torá: "A terra é amaldiçoada para você, e com tristeza você comerá todos os dias da sua vida. Com o suor de seu rosto comerás pão. "  (Bereshit 3: 17-19). 
 
Isto é o resultado do próprio comportamento feito por Adam a Hashem, um comportamento de "medida para medida". Você trabalhará a terra com todas as suas forças, e ela irá te trazer de volta o mal , quando você semeia sementes, produzirá espinhos. Em cada pecado há uma semente de ingratidão , uma correção dessa medida melhorará tudo o que ocorre em nosso mundo. A verdadeira gratidão pelas bondades feitas e outorgadas por ashem à nós, abrirá uma prta de esperança para toda a humanidade. 
 
Toda pessoa  deve  parar sua vida por um momento e observará o fato de que ele deve graças a Hashem por sua própria existência. O mundo do homem está cheio de inúmeros milagres: o milagre da vida, o milagre da visão, o milagre da fala, o milagre do movimento, o milagre que somos capazes de reconhecer a graça de Hashem, e etc... . 
 
A gratidão por toda a abundância recebida, faz com que nosso cérebro fique mais feliz!!!!! 
 
Em Êxodo (7:19), Rashi explica o seguinte versículo: "E o Senhor disse a Moshe: Diz a Aharon: toma uma vara e inclina a tua mão nas águas do Egito ... e haverá sangue em toda a terra do Egito. " 
 
Por que "Diz a Aharon" ? "De acordo com o Zohar, quando Moshe foi posto (quando tinha três meses de idade) no rio Nilus  para que não seja descoberto pelos egípcios que matavam todos os nenéns homens nascidos. Portanto, Moshe não conduziu a praga do sangue e dos sapos com sua mão. Estas pragas foram conduzidas por Aharon". A partir daqui, a Torá traz à nossa atenção a importância do conceito de "gratidão". Moshe não concordou em atacar o rio Nilus porque ele se lembrou de bondade para ele por guardá-lo quando ele estava na arca. Moshe ficou grato mesmo para algo sem vida! 
 
Com um olhar superficial, parece que a Torá estava preocupada em moldar as virtudes das pessoas e, portanto, um poço de onde você bebeu água - não jogue uma pedra nele. 
 
No entanto, parece haver outras camadas de longo alcance para esse mandamento. Nos últimos anos, a psicologia social começou a investigar cientificamente a chamada "experiência de gratidão". Muitos teóricos reconheceram que a gratidão, aparentemente simples, é muito mais complexa do que a importância atribuída a ela. 
 
Alex Korb, médico e pesquisador de neurociências da UCLA, compartilhou informações sobre sua pesquisa sobre o cérebro humano, em que ele trabalha há mais de 12 anos. Essas idéias vêm de um estudo sobre o efeito do sentimento de gratidão no cérebro. 
 
Segundo ele, a sensação de gratidão funciona no cérebro, assim como os antidepressivos, porque ativa a área no tronco cerebral produzido pela dopamina e aumenta os níveis de serotonina no cérebro. A dopamina e a serotonina, como mencionado, são neurotransmissores, que são responsáveis, entre outras coisas, por regular o humor e sentir prazer e satisfação. 
 
E se isso não for suficiente, a pesquisa de Korb aponta para contribuições positivas adicionais, como melhorar a saúde física e melhorar o sono. 
 
Robert Emmons, professor de psicologia da Universidade da Califórnia, acrescenta que a gratidão foi considerada um dos fatores mais importantes na saúde mental e como o segundo mais poderoso preditor da felicidade. 
 
Outro detalhe interessante que o Dr. Korb observa em seu livro é que a inteligência mais emocional é desenvolvida em uma pessoa, menos esforço será para se sentir agradecido. 
 
Portanto, seu conselho é procurar coisas boas que existem em nossas vidas e sentir-se grato por termos ganhá-las. Na verdade, não só àqueles que sofrem de depressão aconselha o Dr. Korb a agir assim, mas também para cada pessoa que deseja ser mais feliz em sua vida. 
 
O coração do ser humano deveria estar transbordando de alegria, admiração e ação de graças à Hashem, por um mundo de gentileza que ele criou para ele. Infelizmente, em vez disso, o homem vê tudo isso como uma dívida natural que Hashem lhe deve desde o momento da sua chegada ao mundo. Seu orgulho o convence de que o mundo inteiro está à sua disposição. Por esse motivo, o homem trata tudo o que lhe é dado como devolvendo propriedade perdida aos seus legítimos proprietários. 
 
A partir de agora entenderemos por que tão raro em nossas regiões é o grau de gratidão. 
 
Há outro fator que nos impede de reconhecer a bondade para os outros: a gratidão força o homem a abandonar a ilusão de que "minha força e o poder de minhas mãos me fizeram... ". Ele terá que reconhecer que ele não controla sua vida e seu futuro exclusivamente,  pois ele tem parceiro. 
 
O bom conhecimento também requer um bom arrependimento, que é difícil para uma pessoa realizar. Vale a pena internalizar as virtudes de gratidão. Uma pessoa que ganha essa aprendizagem se beneficiará. Ele viverá em um mundo bom, com um bom senso de fé e confiança em Hashem que lhe dá a Sua bondade em todos os momentos. 
 
Até que ponto a ingratidão vem quando uma pessoa não atribui importância a nada além de si mesmo, na próxima parábola!!! 
"Mendigo", as pessoas o chamaram. Seu nome como seu meio de sustento - ele vagava de casa em casa, de loja em loja, buscando a misericórdia das pessoas. Todos os dias ele conseguia voltar para casa com alguns centavos, o que era suficiente para um dia de subsistência. 
Sua natureza irritada e seu temperamento amargo com a ingratidãoque era evidente em suas ações o transformaram em uma pessoa estranha a quem as pessoas não querem se aproximar e preferim se afastar. 
Eles nunca ouviram a palavra "obrigado", a palavra simplesmente não existia em seu vocabulário de palavras. 
Não, ele não era tímido. Seus gritos ecoavam na praça do mercado quando um dos donos da loja lhe pediram que pagassem as três maçãs que tirou de sua loja. Os moradores da cidade preferiram abrir as mãos e fechar a boca para não cair na boca do "mendigo". 
Uma única pessoa sentiu pena do "mendigo", era o vendedor da loteria da cidade. Toda vez que o mendigo passava na rua, ele o convidava-o para a sua barraca, lhe servia uma bebida quente, lhe dava uma moeda na mão e abençoava-o cordialmente. 
De vez em quando, ele se voltva ao "mendigo" e lhe perguntava: "Por que você não compra um bilhete de loteria, talvez você tenha sorte e você não terá que percorrer as ruas e implorar?" 
"Eu não tenho pão para comer, e em um bilhete de loteria você está me oferecendo a comprar?" Ele se ressentia. 
O vendedor de loteria não desistiu e acreditou que ele poderia ser sortudo e o homem vencedor. Mas o mendigo era teimoso e não ouviu o que ele disse. 
Quando a loteria valia quarenta milhões, o vendedor de loteria decidiu que desta vez o mendigo aproveitaria a oportunidade contra sua vontade, e se aproximou do mendigo com uma oferta que ele não poderia recusar. 
"Escute, meu amigo, vou te dar um bilhete de loteria, isto significa que se você ganhou, você pagou o bilhete. Se  você não ganhou, você não pagou". 
O mendigo tornou-se hesitante, dobrou o cartão, colocou-o em um dos bolsos do casaco e continuou com a mendicância. 
No meio da semana, à meia-noite, ocorreu o grande sorteio. O número que ganhou a loteria foi publicado. O proprietário da barraca verificou e encontrou! O cartão do "mendigo" é o cartão vencedor! 
Adiar  a notícia maravilhosa para o dia seguinte, não queria. Ele abriu a porta e hesitou. Lá fora estava gelado e o clima estava tormentoso. Flocos de neve pousaram no chão que se transformou em escorregadio. 
O vendedor de loteria foi curvado na neve por um longo tempo. Não havia alma viva nos arredores., porém seu coração estava ardendo de alegria em sentir que ele aquecer o coração do mendigo! 
Com dificuldade, ele encontrou a casa, ou melhor, a cabana. Ele escalou alguns degráus de ferro rangente e bateu na porta. Começou com uma leve batida, e quando não houve resposta, ele aumentou a batida, até que o mendigo acordou. 
"Quem está aí?"  
"Sou eu, o homem do balcão da loteria. Abra a porta para mim, estou congelando de frio". 
"O que você quer?" 
"Apenas abra para mim, eu vou te contar tudo", ele implorou por sua vida. 
O homem por trás da porta permaneceu de pé, insistindo em não abrir. 
"Você ganhou a loteria, você é um milionário, meu amigo, eu queria lhe contar as boas notícias, abra-me já, eu estou congelando". 
A porta abre uma fenda, apenas a ponta do nariz do mendigo olhou para fora. 
O mendigo respondeu em voz alta: "Eu não entendo como você se atreve a bater nessa hora ... Todo mundo pensa que eu sou apenas um mendigo ... Mas você sabe que sou milionário, você sabe como se atreve a molestar um milionário como eu no meio da noite? " 
A porta se fechou e o vendedor foi deixado para fora. 
Somente uma pessoa que emerge da concha do "eu" em que cresceu descobrirá o benefício que o Criador se beneficia e será feliz em agradecer a Ele!