Elul: Perdão - Rabi Daniel Gefen
Mais lidos

Elul: Perdão - Rabi Daniel Gefen

Mesmo que alguém esteja ciente de suas transgressões, não se arrependerá se não conhecer toda a extensão do mal que suas transgressões representam. Ele pode pensar: "Será que realmente importa se eu comesse sem fazer uma bracha, ou negligenciei o estudo da Torá - não é tão terrível".

30.08.17 | 19:04
A  Perdão
Moshe e Karen chegaram a um impasse. Ela insistiu que ele pedisse desculpas por suas "traições" no passado, enquanto ele não se convencia que  precisa fazer isso. "Você não pode simplesmente dizer desculpe", disse ela zombando. "Você tem que querer dizer isso também! Eu quero que você mostre que você entende o que você me fez passar, a dor você me causou! Preciso ver que você sinta minha dor. Moshe olhou-me irremediavelmente, como se quisesse dizer: "Ajude-me aqui Daniel!"

Mas não pude ajudar Moshe - ele precisava levar a sério o pedido de Karen e tentar cumpri-lo, e não pude pedir desculpas por ele. Ele pediu desculpas, mas não da maneira que Karen queria: ele se desculpou por não poder atingir o nível de empatia e remorso que ela exigia, alegando que estava além dele.

O que estava incomodando Moshe? Ele não entendeu que uma verdadeira desculpa faria um longo caminho para resolver as dificuldades conjugais que eles estavam passando? "Se ele simplesmente engolisse seu orgulho e se desculpasse", pensei para mim mesmo ", poderíamos realmente fazer algum progresso nesta terapia". Eu estava vendo Moshe e Karen há mais de seis meses e eles ainda estavam lutando para fazer progressos. Mas o que estava segurando Moshe? E por que Karen era tão inflexível, que sua desculpa tinha que ser sincera e com remorso?

Mesmo que alguém esteja ciente de suas transgressões, não se arrependerá se não conhecer toda a extensão do mal que suas transgressões representam. Ele pode pensar: "O que realmente importa se eu comi sem fazer uma bracha, ou eu negligenciei o estudo da Torá - não é tão terrível". Alguém com esse tipo de atitude nunca se arrependerá de suas ações  por completo.

Esta foi a primeira chave para resolver o mistério da incapacidade de Moshe de se desculpar. Ele não traiu Karen no verdadeiro sentido. O que ele tinha visto como algo totalmente inocente se misturando com outras mulheres, ela interpretou como se ele estivésse flertando abertamente e, conseqüentemente, sentiu-se  traída e humilhada. Como ele poderia se arrepender de suas ações, enquanto ao seu ver,  estava justificado ?! As exigências de Karen eram impossíveis de cumprir por causa dessa divisão interpretativa.

Na verdade, porém, havia mais profundidade a ser descoberta, como Moshe me revelou na nossa próxima reunião - sem Karen. Quando eu disse a ele minha explicação sugerida sobre sua falta de pedir desculpas genuinamente, ele concordou imediatamente. Mas então ele acrescentou outra camada: "Eu não podia sentir sua dor naquela época, porque ela era tão exigente. Eu senti como se ela estivesse me atacando e então eu meio que me desliguei. "

Mesmo que Moshe tenha sido capaz de aceitar e entender, o nível intelectual, a traição de sua esposa, ele ainda não conseguiu reunir as emoções apropriadas. É muito difícil, se não impossível, mudar rapidamente entre diferentes emoções. Quando Moshe sentiu-se sob ataque, sua resposta automática foi a defesa - o que ele chamou de "desligando". Isso pode ser análogo ao tipo de resposta fisiológica que experimentamos quando enfrentamos um perigo físico imediato: a freqüência cardíaca aumenta rapidamente e nos ficamos hiper-alerta, algo chamado de "vôo ou luta". Este é um estado poderoso de emoção focado na auto-preservação e, por isso, seria impossível ignorar e começar a pensar em outra pessoa, muito menos sentir os sentimentos de outra pessoa.

A este respeito, a abordagem da Karen é de suma importância - se o pedido de uma desculpa se apresentar como um ataque, Moshe não poderá substituir seus circuitos de defesa, o que, por sua vez, Karen não irá receber as desculpas que ela precisa. Para que essa interação seja resolvida com sucesso, ambas as partes precisam participar de uma maneira que implique a construção do relacionamento em vez de marcar pontos um sobre o outro.

Enquanto em Sefer Iyov nos diziam que "da minha carne eu vejo D'us", Chazal enfatiza repetidamente que "o midda de Hakadosh Baruch Hu não é como o midda de carne e osso". Mesmo que aprendamos sobre Hashem olhando e examinando Seres humanos - afinal,  somos feitos à imagem de D'us, existem diferenças obviamente fundamentais. Se você prestar atenção ao comportamento de crianças pequenas, você provavelmente notará que eles não perdoam os outros facilmente. Na verdade, eles tendem a interpretar qualquer dano que vem de sua maneira, como planejado deliberadamente contra eles. Embora os adultos geralmente sejam maduros o suficiente para evitar o último erro, ainda temos problemas para perdoar sinceramente aqueles que erram conosco. A dor deixa nosso julgamento nublado e não podemos ver além da nossa própria dor e indignação.

O que nos leva a um fato impressionante entre a midda de Hakadosh Baruch Hu e a midda de um ser humano. Hashem constantemente nos perdoa prontamente, felizmente, ano após ano. Para desenhar o contraste de forma mais acentuada: imagine que você pediu a seu vizinho, educadamente, que não estacionasse no seu espaço, explicando pacientemente o quanto é importante que você possa acessá-lo. Imagine que ele acena com a cabeça e felizmente concorda em manter-se fora disto para não se preocupar. Imagine que no dia seguinte você descobre que ele está no seu espaço novamente,inconsciente de que você o avisou. Qual é a sua reação agora? Você achará fácil perdoá-lo? Como ele poderia ser tão descarado quanto a prometer-lhe que ele não faria isso e então  no dia seguinte ele vai em frente e quebra sua promessa ?!

A analogia deve ser óbvia. Nosso Criador nos diz especificamente o que fazer e o que não devemos fazer. Nós aprendemos, nós passamos pelos detalhes, e então seguimos adiante e violamos as regras que nos comprometemos a manter, desafiando D'us em Sua visão completa.

E isso é inacreditável: se dissermos desculpa e pedimos perdão, Ele nos perdoará. E ele fará isso repetidamente. Ele não tenta nos desprezar por traí-lo, ou nos dizer: "Eu disse-lhe assim." Ele permanece aberto para nos permitir retornar a Ele, mesmo que fazemos as mesmas transgressões repetidas vezes. Ele nunca se cansará de nos perdoar, porque somos os Seus filhos, como Moshe nos diz (Devarim 14: 1) "Vocês são filhos de D'us seu Senhor". D'us não está limitado por sentimentos insultados e indignados como nós somos , e sua paciência nunca pode se desgastar. Como dizemos no Shemone Esrei, Hashem é "Hamarbe lislo'ach" - Ele perdoa em abundância.

Tudo isso significa que o ônus é realmente sobre nós. Como mencionado acima, o primeiro passo é garantir que reconheçamos o erro de nossos caminhos, pois sem isso Teshuva é impossível. Se pudermos oferecer uma sincera desculpa e comprometer-se a tentar evitar a transgressão, além de sentir o menor remorso por ter deixado nosso Criador triste, podemos ter certeza do perdão de nosso Pai amoroso.