Mais lidos

Halacha

Eu sou bom com D’us sem Seus Mandamentos!

Falar com D'us é uma coisa maravilhosa, mas certifique-se de tirar o que tampa seus ouvidos para que você possa ouvir o que D'us tem para lhe dizer.

30.07.17 | 21:00
Eu sou bom com D’us sem Seus Mandamentos!
"Será que se sentir perto de D'us, é tão importante quanto manter as leis judaicas?" "Eu vivo uma vida moderna, mas estou conectado a D'us". "Eu não mantenho Shabat, mas eu falo com D'us, peço e rezo todos os dias,". " Eu falo com D'us o tempo todo, mas realmente há algumas mitzvot que está na hora de abolir! "." Eu e o Criador estamos em contato direto. Eu não preciso disso, das mitzvot ou estudar a Torá".

Estas são citações de muitas celebridades para meros mortais como o resto de nós. Você também pode ouvir uma citação diferente dos ateus, mas há muito menos desses. As estatísticas impressionantes em Israel demonstram que 80% da população acredita em D'us, embora muito menos sejam religiosas.

Quando se trata de conectar os pontos entre ter um relacionamento com D'us e manter  suas mitzvot (as leis judaicas), você encontrará todos os tipos de pessoas; Alguns que vêem a conexão com as mitzvot e outros que não sabem o que você quer deles quando menciona a palavra mitzvot. Uma vez conheci uma mulher acadêmica brilhante que descreveu detalhadamente como D'us riu de seus planos e os mudou totalmente. "Eu pensei que não queria filhos e D'us me enviou gêmeos de uma gravidez natural sem tratamentos de fertilidade. Eles nasceram no momento em que menos esperava, mas D'us sabe o que é melhor. Cada mudança que Ele fez em mim foi para o melhor! "

Esta mulher acredita totalmente em D'us e mesmo em Sua Providência Divina, que Ele está olhando para ela e desempenhando um papel direto em sua vida, mas ela também come em Yom Kippur e leva seus lindos gêmeos dados pela Providência Divina, para a praia todo Shabat do verão. Se você fosse perguntar delicadamente se seus relacionamentos com D'us são relacionamentos de dois sentidos, e se ela faz alguma coisa por D'us, ela ficaria totalmente chocada com a pergunta: "O que você quer dizer? D'us quer que eu seja uma boa pessoa, e eu sou! Eu pago impostos, crio crianças bem educadas, reciclo meu lixo, não uso pratos descartáveis, doo à para pessoas com câncer ... o que mais você quer de mim? "

Algumas pessoas que estão conectadas à D'us têm um relacionamento diferente do que essa mulher formada. Elas abraçam atos simbólicos  tradicionais da religião, podem ler os Salmos quando viajam de ônibus ou, enquanto eles esperam  pelo ônibus elas enxuguem as lágrimas quando um rolo da Torá é doado para uma sinagoga e felizmente postarão fotos e compartilharão impressões de sua última visita aos túmulos de Tzadikim. Elas apenas se encolhem quando ouvem a palavra halacha- "A lei judaica!"

What is the torah

Separar a massa da Challah? Uma resposta empática de SIM! Uma experiência musical de Selichot pedindo perdão a D'us com acompanhamento musical, diga-me quando! Você verá posts intermináveis ​​sobre D'us e como eles acabaram de pedir novos Mezuzot para todas as portas da suas casas. Mas pergunte-lhes sobre Shabat ou roupas modestas "Isso não é para nós! Eu me pareço muito ortodoxo para você? Eu sou um simples judeu que ama o judaísmo /D'us / Judeus / Tradição ... etc .; Deve ignorar o que não seja relevante para eles e assim e deixá-los em paz. A própria questão é ofensiva para eles ...

Há um terceiro grupo, também reivindicando um relacionamento forte com D'us, são poucos mas, são os mais vociferantes. Essas pessoas usam todas as oportunidades para compartilhar sua sabedoria com você e explicam que  são realmente mais religiosos do que "os rabinos", que a religião distorce a verdadeira intenção de D'us e as mitzvot são uma coleção arbitrária de costumes não obrigatórios que apenas os tolos se apegam e as cumprem em vez de lidar com problemas reais como 'Tikkun Olam' ( concertar o mundo). Se você continuar ouvindo, descobrirá que Tikkun Olam  inclui ser amável com os animais e ter uma boa convivência de israelense com os palestinos, por exemplo . Alimentar uma pessoa não judia com fome é Tikkun Olam, mas,alimentar um judeu com fome é um crime; "Deixe esse parasita trabalhar!"

Como você explica esse fenômeno de pessoas que constantemente falam sobre D'us e sempre "conversam com ele", mas não se preocupam em tentar entender o que D'us pode esperar deles? Como é possível que "pessoas espirituais" possam chorar no túmulo de uma pessoa justa e depois ir para casa e assistir a uma partida de futebol no Shabat? Como é que alguém pode cantar com emoção a oração, pregar contra o judaísmo e explicar por que as mitzvot são supérfulas?

A espiritualidade pode me apagar totalmente!

Rabino Yerucham Levovitz Mashgiach (Mentor Espiritual) da Yeshiva do Mir, antes da guerra na Polônia, disse que a disposição para a espiritualidade é uma disposição como qualquer outra. A coragem, o desejo, a curiosidade, etc. são todos traços de caráter de uma pessoa bem como a espiritualidade. Faz parte da nossa caixa de ferramentas espirituais que D'us nos equipou no nosso nascimento. A espiritualidade não é melhor nem pior do que qualquer outra característica ou desejo. Um homem pode usá-la como uma escada para subir a D'us e fazer sua vontade ou ele pode usá-la para criar sua própria nova religião como ele entende e fazer de acordo com o que ele sente, em vez do que D'us espera dele.

A oração de Neilah em Yom Kipur é uma experiência sublime, mas na manhã de Purim, não importa o quanto você se concentra e se apega a D'us recitando a oração de Neilah, você não chegará a lugar nenhum; As chances são de que você vai se afastar de fazer as outras mitzvot do dia, como ouvir Megillat Esther, a refeição de Purim, dar presentes para seus amigos e doar aos pobres.

Visitar os túmulos dos Tzadikim (os justos) definitivamente pode ser edificante, mas não é para substituir outras mitzvot ou obrigações da Torá ou uma desculpa para fugir dos desafios da vida de acordo com a Torá! Conectar-se às orações no Siddur é bom, mas a conexão com as leis da Torá é tão importante a quanto!

O Zohar nos ensina: "Israel, a Torá e  D'us são todos um". Esse triângulo não pode ser quebrado. Você quer se aproximar de D'us? Essa proximidade é alcançada exclusivamente pela Torá e pelas mitzvot. Nossa geração não é a primeira a perguntar "O que D'us quer de mim exatamente?" Nós também não somos a primeira geração a ser seduzida a dar respostas alternativas como: "D'us quer que eu seja feliz, crie filhos para falar bem , que sejam cidadãos produtivos e ofereçam caridade ocasionalmente ".

O Profeta Michá abordou esta questão há mais de 2.400 anos: "O homem lhe dirá o que é bom e o que D'us quer de você?" E ele responde: "apenas fazer justiça, amar a bondade e andar humildemente com seu D'us". O Radak explica que "fazer justiça" significa todas as leis judaicas entre um homem e outro. "Amar a bondade" significa fazer acima do que você tem que fazer, mas de acordo com o que D'us quer que você faça. "andar modestamente com D'us" é a essência de todas as obrigações e leis judaicas do homem para D'us; Para acreditar Nele e para amá-Lo com todo nosso coraçõe, com todas as nossas forças, e com toda alma.

O feriado de Shavuot, que acabamos de celebrar, não é apenas o feriado para comer cheesecake; É o feriado de receber a Torá. Este é o feriado que revive o fato de que D'us se revelou  diante de todo Israel com grandes sons e relâmpagos e lhes deu a Torá. Não podemos tirar um único elo da cadeia e julgá-lo por seu mérito próprio. D'us, Israel e a Torá são um, e são inseparáveis. Queremos chegar perto de D'us? Não temos outro recurso além de conectar-se com o maior presente que Ele nos deu; A Torá!